Considerações sobre a perspectiva histórica acerca da tradução português-libras em instituições brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n2-2021-23

Palavras-chave:

Estudos da Tradução, História da Tradução, Tradução para a Libras, Equipes de Tradução, Tradutores e Intérpretes de Língua de Sinais e Língua Portuguesa

Resumo

A partir de pesquisas bibliográficas e documentais, o presente artigo, visa construir um panorama histórico das atividades de tradução do Português para a Libras, em instituições públicas e particulares. Assim, fundamentado teoricamente na História da Tradução – Pym (2014) e D´Hulst (2010) – o artigo inicialmente conceitua a tradução, diferencia esse conceito do conceito de interpretação, realiza as devidas adaptações à realidade das línguas de sinais, para, então, descrever os aspectos históricos que constituem o modus operandie a história da prática de trabalho em tradução em três instituições brasileiras de equipes de tradutores na direção Português-Libras, sendo uma editora e duas instituições de ensino, a saber: a Editora Arara Azul (EAA), o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Finalmente, percebeu-se que, a constituição das equipes de tradutores e das etapas processuais de tradução na direção Português-Libras enfrentam desafios políticos, institucionais, metodológicos e técnicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael da Mata Severino, UFRJ

Tradutor/Intérprete de Libras-português (TILSP) na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL) da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) na linha Linguagem, Sentido e Tradução.

Teresa Dias Carneiro, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Professora do Bacharelado em Tradução e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL) , Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (UFRJ). Doutora em Estudos da Linguagem, PUC-Rio, 2014.

Referências

BRASIL. Lei nº 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 20 dez. 2000.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a língua brasileira de sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 abr. 2002.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a língua brasileira de sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 2005.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1 de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Diário Oficial da União, Brasília, 2 set. 2010.

BRASIL. Lei nº. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, 7 jul. 2015.

BRASIL/MEC/SECADI. Relatório sobre a Política Linguística de Educação Bilíngue – Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa, Grupo de Trabalho designado pelas Portarias nº 1.060/2013 e nº 91/2013 do MEC/SECADI. Brasília, DF: MEC/SECADI, 2014.

CAMPELLO, A. R. S.; CASTRO, N. P. Introdução da glosinais como ferramenta de tradução/interpretação das pessoas surdas brasileiras. Revista Escrita, Rio de Janeiro, n. 17, 2013, p. 1-14. DOI: https://doi.org/10.17771/PUCRio.escrita.22338

CARNEIRO, T. D.; VITAL, D. S. H.; SOUZA, R. P. L. O processo de produção de textos traduzidos para Libras em vídeo no Departamento de Letras-Libras (UFRJ) comparado ao processo de produção de traduções editoriais entre línguas orais. Belas Infiéis, Brasília, n. v. 9, n. 5, p. 135-166, out./dez., 2020. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/31990/27818. Acesso em: 13 set. 2021.

DELISLE, J.; WOODSWORTH, J. Os tradutores na história. Trad. Sergio Bath. São Paulo: Ática, 2003, p. 113-141.

D’HULST, L. Translation history. In: GAMBIER, Y.; VAN DOOERSLAER, L. (Ed.) Handbook of Translation Studies (v. 1). Amsterdam: John Benjamins, 2010. p. 397-405. DOI: https://doi.org/10.1075/hts.1.tra5

FERNANDES, S. Letramento na educação bilíngue para surdos: caminhos para a prática pedagógica. In: FERNANDES, M. C. L.; MARÇALO, M. J.; MICHELETTI, G. (Org.). A língua portuguesa no mundo. São Paulo: USP, 2008. p. 1-30.

GALASSO, B. J. B.; LOPEZ, M. R. S.; SEVERINO, R. M.; LIMA, R. G.; TEIXEIRA, D. E. Processo de produção de materiais didáticos bilíngues do Instituto Nacional de Educação de Surdos. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, v. 24, n. 1, p. 59-72, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-65382418000100006

HARDEN, A. R. O. brasileiro tradutor e/ou traidor: Frei José Mariano da Conceição Veloso. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 23, p. 131-148, 2009. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2009v1n23p131

HIRSCH, I. A tradução e a Inconfidência Mineira. Tradução em Revista, Rio de Janeiro, n. 5, p. 1-10, 2008. DOI: https://doi.org/10.17771/PUCRio.TradRev.12699

HOLMES, J. The name and nature of translation studies. In: VENUTI, L. (Ed.) The Translation Studies Reader. London/New York: Routledge, 2000, p. 172-185.

JOLY; J. F. Prefácio. In: DELISLE, J.; WOODSWORTH, J. Os tradutores na história. Trad. Sergio Bath. São Paulo: Ática, 1998. p. 9-12.

LOPEZ, M. R. S.; SEVERINO, R. M. Tradução de/para Língua de Sinais no Ensino Superior: experiências compartilhadas. Revista Arqueiro, Rio de Janeiro, v. 38, p. 46-57, 2018.

MARTINS, M. As relações nada perigosas entre história, filosofia e tradução. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 37-51, 1996.

OLIVEIRA, J. S.; SILVA, R. C. Equipe de tradução do curso de Letras Libras. In: QUADROS, R. M. (Org.). Letras Libras: ontem, hoje e amanhã. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014. p. 93-111.

O’SULLIVAN, C. Introduction: rethinking methods in translation history. Translation Studies, v. 5, n. 2, p. 131-138, 2012. DOI: https://doi.org/10.1080/14781700.2012.663594

PINILLA, J. A. S. A história da tradução do Brasil: questões de pesquisa. Tradução em Revista, Rio de Janeiro, n. 28, p. 13-31, 2020. DOI: https://doi.org/10.17771/PUCRio.TradRev.48156

PYM, A. Method in translation history. London: Routledge, 2014. DOI: https://doi.org/10.4324/9781315760049

QUADROS, R. M.; SOUZA, S. X. Aspectos da tradução/encenação na língua de sinais brasileira para um ambiente virtual de ensino: práticas tradutórias do curso de Letras Libras. In: QUADROS, R. M. (Org.). Estudos Surdos III. Petrópolis, RJ: Editora Arara Azul, 2008, p. 168-207.

RIGO, N. S. Tradução de libras para português de textos acadêmicos: considerações sobre a prática. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, p. 458-478, 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p458

RIGO, N. S. Tradução de textos acadêmicos de Português para Língua Brasileira de Sinais: o emprego de elementos do design editorial como soluções tradutórias. Translatio, Porto Alegre, v. 1, p. 173-196, 2018.

RODRIGUES, C. H. Translation and Signed Language: highlighting the visual-gestural modality. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 38, p. 294-319, 2018. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n2p294

SEGALA, R. R. Tradução Intermodal e Intersemiótica/Interlingual: português brasileiro escrito para língua brasileira de sinais. 2010, Dissertação (Mestrado em Tradução) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

SALDANHA, G.; O’BRIEN, S. Research methodologies in translation studies. New York: Routledge, 2014. DOI: https://doi.org/10.4324/9781315760100

SILVA-REIS, D.; MILTON, J. História da tradução no Brasil: percursos seculares. Translatio, Porto Alegre, n. 12, p. 2-42, 2016.

SOARES, L. A. A. Português e Libras: distorções e supergeneralizações. In: FREITAS JÚNIOR, R.; SOARES, L. A. A.; NASCIMENTO, J. P. S. (Org.). Aprendizes surdos e escrita de L2: reflexões teóricas e práticas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2020, p. 70-80.

SOUZA, S. X. Performances de tradução para a língua brasileira de sinais observadas no curso de Letras-Libras. 2010. Dissertação (Mestrado em Tradução) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

SOUZA, R. P. L.; VITAL, D. S. H. O processo de tradução para Libras por meio de vídeos. In: SEMINÁRIO UFRJ FAZ 100 ANOS: história, desenvolvimento e democracia. Anais [...] Rio de Janeiro: UFRJ, v. 3, 2018. p. 110–119.

WYLER, L. Línguas, poetas e bacharéis: uma crônica da tradução no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

DA MATA SEVERINO, R.; DIAS CARNEIRO, T. Considerações sobre a perspectiva histórica acerca da tradução português-libras em instituições brasileiras. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 461–482, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n2-2021-23. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/57522. Acesso em: 8 ago. 2022.