Processos referenciais anafóricos na Libras e traduções

Representação do objeto de discurso em semioses diversas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n2-2021-06

Palavras-chave:

Referenciação, Libras, Processos referenciais, Anáfora, Objetos de discurso

Resumo

Neste trabalho, realizamos uma análise referencial de expressões anafóricas em Libras e traduções para português de um vídeo de gênero entrevista (TV INES). Nosso objetivo é mostrar que os objetos de discurso (MONDADA; DUBOIS, 2003) são intrínsecos à produção textual/discursiva, não precisam ser necessariamente expressos por elementos de ordem linguística na modalidade escrita/falada, podendo se manifestar por modalidades diversas. Pautadas em autores como Quadros (2012) e em análises parciais em plataformas de catalogação de trabalhos científicos, identificamos lacunas como a investigação dos processos referenciais anafóricos na Libras e poucas pesquisas na Linguística Textual que se debrucem sobre os processos de referenciação, principalmente, no que diz respeito às retomadas anafóricas na Libras. Valemo-nos da teoria da Linguística Textual e da Linguística de Libras, incluindo, dentre os autores: Cavalcante, Custódio Filho e Brito (2014), Koch (2003), Quadros (2019), Gesser (2009) e Santana e Bergamo (2005).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorena Gomes Freitas de Castro, UFS

Doutoranda, com bolsa CAPES, do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Geralda de Oliveira Santos Lima, UFS

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2008). Professora associada do Departamento de Letras Vernáculas (DLEV) e do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Referências

ADAM, J. M. A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo: Cortez, 2008.

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

BLIKSTEIN, I. Kaspar Hauser ou a fabricação da realidade. São Paulo: Cultrix, 1985.

CAPISTRANO JÚNIOR, R.; LINS, M. P.; ELIAS, V. M. (Org.). Linguística textual: diálogos interdisciplinares. São Paulo: Labrador, 2017.

CAVALCANTE, M. M et al. Coerência e Referenciação. In: MARQUESI, S. C.; PAULIUKONIS, A. L.; ELIAS, V. M. Linguística textual e ensino. São Paulo: Contexto, 2017, p. 91-108.

CAVALCANTE, M. M; CUSTÓDIO FILHO, V.; BRITO, M. A. P. Coerência, referenciação e ensino. São Paulo: Cortez, 2014.

CAVALCANTE, M. M. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2012.

CAVALCANTE, M. M. et. al. Dimensões textuais nas perspectivas sociocognitiva e interacional. In: BENTES, A. C.; LEITE, M. Q. (Org.). Linguística de texto e análise da conversação: panorama das pesquisas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010, p. 225-261.

CUSTÓDIO FILHO, V. Reflexões sobre a recategorização referencial sem menção anafórica. Linguagem em (Dis)curso, v. 12, n. 3, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1518-76322012000300009

DUARTE, Soraya Bianca Reis et. al. Aspectos históricos e socioculturais da população surda. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 20, n. 4, p. 1713-1734, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-597020130005000015

GESSER, A. Libras? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

HANKS, W. F. Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008.

KOCH, I. G. V; ELIAS, V. M. O texto na linguística textual. In: BATISTA, R. O. (Org.). O texto e seus contextos. São Paulo: Parábola Editora, p. 31-44, 2016.

KOCH, I. G. V. Introdução à Linguística Textual: trajetória e grandes temas. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

MARCUSCHI, L. A. Linguística de texto: o que é como se faz? São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

MONDADA, L.; DUBOIS, D. Construção dos objetos e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: CALVACANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. (Org.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 17-52.

PIZZUTO, E.; ROSSINI, P.; SALLANDRE, M.; WILKINSON, E. Dêixis, anáfora e estruturas altamente icônicas: evidências interlinguísticas nas línguas de Sinais Americana (ASL), Francesa (LSF) e Italiana (LIS). In: QUADROS, R. M; VASCONCELLOS, M. L. B. (Org.). 9º Encontro internacional de pesquisas teóricas sobre línguas de sinais. Florianópolis: UFSC, 2006. p. 140-158.

QUADROS, R. M. Libras. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

QUADROS, R. M. Estudos de línguas de sinais: uma entrevista com Ronice Müller de Quadros. ReVEL, v. 10, n. 19, 2012.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i16.560

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

CASTRO, L. G. F. de; LIMA, G. de O. S. Processos referenciais anafóricos na Libras e traduções: Representação do objeto de discurso em semioses diversas. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 107–126, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n2-2021-06. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/56901. Acesso em: 9 ago. 2022.