Aspectos icônicos em sinais-termo de plantas medicinais na Libras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n2-2021-13

Palavras-chave:

Motivação, Iconicidade, Libras, Sinais-termo, Plantas medicinais

Resumo

A Língua Brasileira de Sinais, doravante LIBRAS, é a língua natural das comunidades surdas brasileiras e reconhecida oficialmente pela lei 10.436 de 2002. Enquanto língua natural, essa apresenta especificidades também presentes em línguas orais, como fonologia, morfologia e outras. Seu léxico é diverso e pode ser distribuídos em diferentes categorias, como o léxico comum e o léxico especializado. Esse último comporta os itens lexicais das áreas técnico-científicas, logo torna-se objeto de estudo da Teoria Comunicativa da Terminologia (TCT). Essa ciência do léxico percebe os termos enquanto unidades linguísticas, logo passíveis de diferentes tipos de análise. O objetivo desse trabalho é analisar os aspectos icônicos em sinais-termos da LIBRAS que representam plantas medicinais, registrados no Dicionário de Língua de Sinais do Brasil. Os pressupostos metodológico são de ordem bibliográfica, pela qual foi desenvolvida a análise descritiva dos sinais-termos. Conclui-se que os sinais-termos apresentam diferentes níveis de iconicidade, quando relacionados aos referentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Marcos Rosendo de Souza, Universidade Estadual do Ceará

Doutor, Universidade Estadual do Ceará

Izaías Serafim de Lima Neto, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Graduado em Licenciatura Plena em Letras - Português pela Universidade Estadual da Paraíba no CAMPUS IV em Catolé do Rocha/PB (2018); Mestre em Letras (2020) e Doutorando em Letras pelo Programa de Pós Graduação em Letras (PPGL) do Campus Avançado de Pau dos Ferros - CAPF/UERN/Pau dos Ferros - RN. Atua como professor efetivo de Língua Portuguesa lotado na Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba (SEECT-PB) e como professor substituto no curso de Letras - Português do CAMPUS IV da Universidade Estadual da Paraíba em Catolé do Rocha - PB. Tem por área de pesquisa os estudos discursivos de orientação foucaultiana. Os objetos de estudo são os discursos produzidos na internet através das redes sociais, sites e plataformas de informação, com enfoque sobre as temáticas de Sexualidade, subjetivação, poder, ética e relações poliamorosas. Membro do grupo de pesquisa Dis.com.Fou (Discurso com Foucault) sob orientação do professor Doutor Francisco Vieira da Silva (UFERSA).

Antônio Luciano Pontes, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Natural de Pacajus-CE. Licenciado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). É Mestre em Língua Portuguesa (UFPB). Possui doutorado em Lingüística (UNESP), sob a orientação da Professora Doutora Ieda Maria Alves (USP). Membro do grupo de pesquisa cadastrado no CNPq Lexicografia, Terminologia e Ensino (LETENS). Professor Titular no curso de Letras da UERN, onde está ligado ao Programa de Pós-graduação em Letras (PPGL) e Mestrado Profissionalizante de Letras (PROFLETRAS). Está vinculado ao Programa de Pós-graduação de Linguística Aplicada (PosLA) da Universidade Estadual do Ceará. Participa como membro-efetivo do GT Lexicologia, Lexicografia e Terminologia, da ANPOLL. Desenvolve pesquisa nas áreas de Geolinguística, Lexicografia teórica, fazendo interface com a Teoria da Multimodalidade, Análise do Discurso, Geografia Linguística. Autor de diversos livros, capítulos e artigos sobre Metalexicografia Pedagógica, Lexicografia Multimodal, Lexicografia prática. Atualmente integra a equipe do Atlas Linguístico do Brasil e do Projeto Tesouro do Léxico Patrimonial Galego e Português. O pesquisador é vice-líder do Grupo de Pesquisa em Estudos Funcionalistas (GPEF/UERN) e líder do Grupo de Pesquisa Lexicografia, Terminologia e Ensino (LETENS/UECE), cadastrado no CNPq.

Referências

ALMEIDA, G. M. de B. O percurso da Terminologia: de atividade prática à consolidação de uma disciplina autônoma. TRADTERMO, 9, 2003, p. 211-222.

AMARAL JEREMIAS, D. Iconicidade em sentenças transitivas da libras:
uma motivação formal e conceptual. PERcursos Linguísticos, Vitória (ES), v. 8, n.18, 2018.
BARROS, L. A. Curso básico de Terminologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

BATTISON, R. Phonological Deletion in American Sign Language. Sign Language Studies, Volume 5, October 1974, pp. 1-19. Disponível em: <https://muse.jhu.edu/article/507140/summary?casa_token=CjQxRoJF5MAAAAAA:CCam_4cQHYF8Ad4kAQDkwTcoo9SmWUklcHPG0rTR729-U-rxQX-fOIYng3u75blB5V-mdz0cWOA> Data de acesso: 19 de setembro de 2018.

CABRÉ, M. T. La terminologia: teoria, metodologia, aplicaciones. Barcelona: Editorial Antártida/Empúries, 1993.

CAPOVILLA, C; RAPHAEL, W; TEMOTEO, J. G; MARTINS, Antonielle Cantarelli. Dicionário da Língua Brasileira de Sinais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

CERQUEIRA, I. de F; TEIXEIRA, E. R. O problema da iconicidade na eliciação de sinais caseiros, Revista Letrando, v. 4 jan. /jun. 2016. Disponível em: http://www.revistaletrando.com.br/revista/volume4/05.Elizabeth-Ivanete.pdf

CUNHA, M. A. F; COSTA, M. A; CEZARIO, M. M. Pressupostos teóricos fundamentais. IN: CUNHA, Maria Angélica Furtado; OLIVEIRA, Mariangela Rios; MARTELOTTA, Mário Eduardo (orgs.). Linguística funcional: teoria e prática. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

CUNHA, M. A. F. Funcionalismo. In: MARTELOTTA, Mário Eduardo (org.). Manual de linguística. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2011.
FAULSTICH, E. Aspectos da terminologia geral e terminologia variacionista.
TradTerm, São Paulo. v.7, n. 1, p.11-40, 2001.

FUZER, C; CABRAL, S. R. S. Introdução à gramática sistêmico-funcional em língua portuguesa. Campinas: Mercado das Letras, 2014.

GIVÓN, T. Sintax: na introducion. vol. 2. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2001.
GRANDI, T. S. M. Tratado das Plantas Medicinais: mineira, nativas e cultivadas. Belo Horizonte: Adaequatio Estúdio, 2014.

KRIEGER, M. da G; FINATTO, M. J. B. Introdução à terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2017.

LEITE, T. de A. A segmentação da Língua de Sinais Brasileira (Libras): um estudo linguístico descritivo a partir da conversação espontânea entre surdos. 2008. Tese – Universidade de São Paulo, 2008.

LEITE, T. A; QUADROS, R. M. Línguas de sinais do Brasil: reflexões sobre o seu estatuto de risco e a importância da documentação. In: LEITE, Tarcísio de Arantes; Ronice Müller de; STUMPF, Marianne (orgs.). Série Estudos de Língua de Sinais. v. II. Florianópolis: Insular, 2014.

PEIRCE, C. S. Semiótica. Trad. J. Teixeira Coelho. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1990.

QUADROS, R. M. Libras. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. 5. ed. Ijuí: Ed. Unjuí, 2006.

MARTELOTTA, M. E; KENEDY, E. A visão funcionalista da linguagem no século XX. In: CUNHA, Maria Angélica Furtado; OLIVEIRA, Mariangela Rios; MARTELOTTA, M. E. Linguística Funcional: teoria e prática. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

SANTIAGO, M. S. Variação denominativa na terminologia médica: o caso da gripe A H1N1. TRADTERM, 16, 2010, p. 397-410.

TAUB, S. Language from the body: iconicity and metaphor in American
Sign Language. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

WILCOX, S. Cognitive iconicity: conceptual spaces, meaning, and gesture in signed languages. Germany: Walter de Gruyter, 2004.

WILSON, V; MARTELOTTA, M. E. Arbitrariedade e iconicidade. IN: MARTELOTTA, Mário Eduardo (org.). Manual de Linguística. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

SOUZA, J. M. R. de; LIMA NETO, I. S. de; PONTES, A. L. Aspectos icônicos em sinais-termo de plantas medicinais na Libras. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 252–270, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n2-2021-13. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/56950. Acesso em: 9 ago. 2022.