Humor em tempos de cólera

O humor como discurso de resistência à tentativa de legitimação do golpe civil-militar de 1º de abril de 1964

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36nEsp-2020-6

Palavras-chave:

Humor, Resistência, Ditadura, Legitimação, Discurso

Resumo

Pretendemos com este artigo mostrar como o humor funcionará como instrumento e prática discursiva de resistência contra o golpe de 1º de abril de 1964 e sua tentativa de legitimação logo em seus primeiros momentos. Este visava retratar-se como legalista, defensor da democracia, dos direitos individuais e de detentor de uma suposta “moral” incorruptível, enquanto silenciava seus opositores, praticava atos de violência e desrespeito aos direitos humanos, deturpava as leis, a Constituição e as instituições, além de praticar e incentivar atos de corrupção. Coube, em grande parte, ao humor desmistificar esse discurso golpista e ser consumido e reapropriado por grande parte da população brasileira, vide sua alta tiragem e reprodutibilidade, como ato de resistência. Analisaremos, neste artigo, tanto o discurso humorístico, quanto o discurso oficial, em grande parte proveniente da grande imprensa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Forattini, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Doutorando em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Referências

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira, São Paulo: Editora HUCITEC, 1987.

BRANDIST, C. The Bakhtin circle, philosophy, culture and politics. London: Pluto Press, 2002.

CHARTIER, R. El mundo como representación: estudios sobre historia cultural. Trad. Claudia Ferrari, Barcelona: Gedisa, 2009.

FORATTINI, F. M. Em construção... e Desconstrução... Discursos e Representações presentes nos jornais O Estado de S. Paulo e O Globo durante o governo Castelo Branco (1964-1967). 2018. 312 f. Dissertação (Mestrado em História Social e Cultural) – Programa de Pós-Graduação de História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

FRENCH, S. E. The code of the warrior: exploring warrior values past and present: the values & ideals of warrior cultures throughout history. Maryland: Rowman & Littlefield Publishers, 2004

GASPARI, E. A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

HALL, S. Cultural representations and signifying practices. Thousand Oaks: Sage Publications, 1996.

MORREALL, J. Philosophy of Humor. In: MORREALL, J. The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Stanford: Ed. Edward N. Zalta, 2016.

MOTTA, R. P. S. Jango e o golpe de 1964 na caricatura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

PRETA, S. P. FEBEAPÁ 1, O Festival de Besteira que assola o País. Rio de Janeiro: Editora Sabiá, 1975.

PRETA, S. P. FEBEAPÁ 2, O Festival de Besteira que assola o País. Rio de Janeiro: Editora Sabiá, 1967.

PRETA, S. P. Na Terra do Crioulo Doido, A Máquina de Fazer Doido, FEBEAPÁ 3. Rio de Janeiro: Editora Sabiá, 1968.

PRETA, S. P. Garoto linha dura. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1964.

SKIDMORE, T. Brasil: de Castelo a Tancredo. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

FORATTINI, F. Humor em tempos de cólera: O humor como discurso de resistência à tentativa de legitimação do golpe civil-militar de 1º de abril de 1964. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. especial, p. 85–106, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36nEsp-2020-6. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/51403. Acesso em: 21 maio. 2022.