O silenciamento (do) político de Julian Assange na mídia nacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n1-2020-5

Palavras-chave:

Político, Discurso, Mídia, Imaginário, Silêncio

Resumo

Após sete anos em asilo político na embaixada do Equador, em Londres, Julian Assange – fundador do WikiLeaks – foi preso no dia 11 de abril de 2019. Acusado como criminoso desde 2010, o ativista estamparia mais uma vez os jornais de todo o mundo. Dessa forma, propomos uma análise discursiva das matérias referentes ao dia de sua prisão no meio jornalístico nacional, explorando questões como o silenciamento e as formações imaginárias acerca da figura de Assange. O que percebemos é o silenciamento (do) político no discurso midiático, (re)configurando a imagem do capital e do político. Para tanto, usamos da Análise do Discurso pecheuxtiana, na qual o discurso é entendido como “efeito de sentido entre interlocutores” (PÊCHEUX, 2014). Mobilizamos, ainda, as noções de silenciamento (ORLANDI, 2007), formações imaginárias (PÊCHEUX, 2014) e a representação do político (CORTEN, 1999; CAZARIN, 2004), buscando compreender o espaço virtual e o capital como reguladores de sentidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Barbosa, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Graduado em Letras Bacharelado - Português pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Possui interesse na área de estudos linguísticos, com ênfase em Análise de Discurso. Atualmente, pesquisa temas como identificação, identidade, construção heroica. Especialista em Linguística Aplicada a Práticas Discursivas pela FAFIRE - Faculdade Frassinetti do Recife. Atualmente faz o curso de mestrado em linguística (análise do discurso) pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE.

Thiago César da Costa Carneiro, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Estudante de graduação em Letras – Português (Licenciatura), Universidade Federal de Pernambuco

Referências

CAZARIN, Ercília Ana. Identificação e representação política: uma análise do discurso de Lula (1978-1998). 2004. 270f. Tese (Doutorado) – Curso de Doutorado em Estudos da Linguagem, Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

CORTEN, André. Discurso e representação do político. In: INDURSKY, Freda; FERREIRA, Maria Cristina Leandro. Os múltiplos territórios da análise do discurso. Porto Alegre, Sagra Luzzatto, 1999.

FUNDADOR do WikiLeaks, Julian Assange é preso na embaixada do Equador em Londres. FOLHA DE S. PAULO. 11 abr. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/04/fundador-do-wikileaks-julian-assange-e-preso-na-embaixada-do-equador-em-londres.shtml. Acesso em: 25 Jun. 2019.

GRIGOLETTO, Evandra; NARDI, Fabiele Stockmans de. O jogo entre os interlocutores no gênero entrevista: análise das imagens acerca Papa Francisco. In: CUNHA, Dóris de Arruda Carneiro da; GRIGOLETTO, Evandra; CORTEZ, Suzana Leite (Org.). Representação dos dizeres na construção dos discursos. Campinas: Pontes Editores, 2018.

GRIGOLETTO, Evandra; NARDI, Fabiele Stockmans de. Entre a (des)politização e a resistência: o funcionamento dos processos de heroicização construídos pela mídia. In: VII SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO, UFPE, 2015, Recife. Anais do Sead. Recife: UFPE, 2015. p. 1-10. Disponível em: http://anaisdosead.com.br/7SEAD/SIMPOSIO09/ EvandraGrigolettoeFabieleStockmansDeNardi.pdf. Acesso em: 27 jul. 2019.

INDURSKY, Freda. O trabalho discursivo do sujeito entre o memorável e a deriva. Signo y Seña, n. 24, p. 91-104, dez. 2013.

INDURSKY, F. Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise do Discurso. In: MITTMANN, S.; GRIGOLETTO, E.; CAZARIN, E. A. (Org.). Práticas Discursivas e Identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prova Editora, 2008. p. 1-17.

MARIANI, Bethânia Sampaio Corrêa. Comunismo imaginário: práticas discursivas da imprensa sobre o PCB. 1996. 259f. Tese (Doutorado) – Doutorado em Linguística, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

MIGUEL, Rafa de. Julian Assange, cofundador do Wikileaks, é preso em Londres após Equador retirar asilo diplomático. El País, 11 abr. 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/04/11/internacional/1554975440_843068.html Acesso em: 25 Jun. 2019.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2014. p. 61-161.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso – uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

Downloads

Publicado

2020-06-27

Como Citar

BARBOSA, C. E.; CARNEIRO, T. C. da C. O silenciamento (do) político de Julian Assange na mídia nacional. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 80–96, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n1-2020-5. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/50837. Acesso em: 22 maio. 2022.