Bases teóricas para um projeto de revisão de traduções, buscando o aprimoramento das produções de tradutores e tradutoras em formação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v35n2-2019-2

Palavras-chave:

Estudos da Tradução, Revisão de textos traduzidos, Formação de tradutores e tradutoras

Resumo

O artigo discute a revisão de textos traduzidos, sob uma perspectiva teórica, buscando promover a atividade como um processo comunicativo cujo objetivo principal é o aprimoramento da produção textual de tradutores e tradutoras em formação. Ao levantar a discussão sobre como promover a revisão em contextos de formação de tradutoras e tradutores, busca-se aqui estabelecer as bases teóricas para um projeto de intervenção pedagógica que busca se constituir como uma intervenção de efeito positivo para aprendizes, com foco na negociação de sentidos, buscando a compreensão de textos traduzidos dentro dos seus contextos de produção em um sentido amplo. A discussão se fundamenta em trabalhos como Leipnitz (2016), Ferreira (2018), e Mossop (2007) — que discutem a revisão de textos traduzidos — e de Ruiz (1998) e de Morais e Ferreira (2006) — que discutem processos pedagógicos voltados para o aprimoramento das produções textuais de discentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COSTA VAL, M. da G. Texto, textualidade e textualização. In: CECCANTINI, J. L. T.; PEREIRA, R. F.; ZANCHETTA JR., J.. Pedagogia cidadã: cadernos de formação: Língua Portuguesa. v. 1. São Paulo: UNESP, Pró-Reitoria de Graduação, 2004. p. 113-128.

FERREIRA, M. G. di M. Autorreflexão sobre o processo de revisão de tradução a partir das atividades desenvolvidas no Projeto Revtrad. 2018. 50f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Tradução), Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2018.

INTERNATIONAL Organization for Standardization. ISO. ISO 17100:2015. Translation services — Requirements for translation services. International Organization for Standardization, 2015. Disponível em https://www.iso.org/standard/59149.html. Acesso em: 20 fev. 2020.

LEIPNITZ, L. “Befehlerles” versus “Comandantinhos” Comentários dos revisores da tradução. Revista Graphos, v. 18, n. 2, p. 177-181, 2016. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/graphos/article/view/32168/16712. Acesso em: 1 out. 2018.

HEWSON, L. An approach to translation criticism. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2011.

MORAIS, A.; FERREIRA, A. Avaliação do texto escrito: uma questão de concepção de ensino e aprendizagem’. In: LEAL, T.; BRANDÂO, A.C., Produção de textos na escola: reflexões e práticas no Ensino Fundamental. 1ed., 1 reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MOSSOP, B., Editing and revising for translators. 2. ed. Manchester, Kinderhook: St. Jerome, 2007.

PACTE. Building a translation competence model. In: Alves, F. Eed.). Triangulating translation. Amsterdam, Philadelphia: John Benjamins, 2003, p. 43-66.

PACTE. First results of a translation competence experiment: ‘Knowledge of translation’ and ‘efficacy of the translation process’. In: KEARNS, J. (Ed.). Translator and interpreter training: issues, methods and debates. London: Continuum, 2008. p. 104-126.

RUIZ, E. Como se corrige redação na escola. 1998. 307 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas: Campinas, 1998.

Publicado

2019-12-31

Como Citar

ALVES, D. Bases teóricas para um projeto de revisão de traduções, buscando o aprimoramento das produções de tradutores e tradutoras em formação. Letras & Letras, [S. l.], v. 35, n. 2, p. 18–33, 2019. DOI: 10.14393/LL63-v35n2-2019-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49013. Acesso em: 26 maio. 2022.