Italo Calvino e a tradução: ler, roubar, criar

Autores

  • Claudia Maia Professora do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG).
  • Maria Elisa Rodrigues Moreira Professora do Mestrado em Letras da Universidade Vale do Rio Verde (UninCor).

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v32n1a2016-10

Palavras-chave:

Italo Calvino, Tradução, Processos criativos

Resumo

O artigo procura investigar as reflexões de Italo Calvino sobre a tradução, especialmente seu posicionamento quanto à relação entre o ato de traduzir e os processos criativos. A partir da ideia de "roubo", tema de uma conversa entre o escritor e o artista Tulio Pericoli, publicada sob o título "Furtos com arte", pretende-se discutir o potencial que a tradução apresenta na obra de Calvino, sobretudo como meio de leitura e escrita: "Traduzir é o mais absoluto sistema de leitura", ele argumenta. Com esse pensamento, assumindo o epíteto de escritor-ladrão, Calvino questiona a ideia de propriedade e trata a imitação e a cópia como processos naturais e legítimos da produção criativa. Além disso, reafirma uma visão de literatura que se aproxima da concepção de "enciclopédia aberta", tal qual defendida por ele em Seis propostas para o próximo milênio, na conferência dedicada à multiplicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Maia, Professora do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG).

Doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

Maria Elisa Rodrigues Moreira, Professora do Mestrado em Letras da Universidade Vale do Rio Verde (UninCor).

Doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora do Mestrado em Letras da Universidade Vale do Rio Verde (UninCor).

Downloads

Publicado

2016-08-21

Como Citar

MAIA, C.; MOREIRA, M. E. R. Italo Calvino e a tradução: ler, roubar, criar. Letras & Letras, [S. l.], v. 32, n. 1, p. 194–210, 2016. DOI: 10.14393/LL63-v32n1a2016-10. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/33028. Acesso em: 3 dez. 2022.