Não perenidade como característica do Programa de Leitorado brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL47-v15n3a2021-5

Palavras-chave:

Políticas linguísticas externas, Programa de leitorado, Internacionalização

Resumo

Como parte do processo globalizante, e enquanto reflexo da tentativa de sustentar e (re)afirmar a supremacia do Estado Moderno, alguns países têm executado políticas ligadas à promoção internacional de suas línguas oficiais (OLIVEIRA, 2010; 2013). Diante disso, este artigo problematiza a atuação do governo brasileiro em relação ao Programa de Leitorado - política de promoção do português brasileiro em universidades estrangeiras. A partir dos dados gerados - informações disponibilizadas no site da Rede Brasil Cultural, Editais da CAPES para a seleção de leitores, e depoimentos de leitores e ex-leitores, discute-se então a inconstância que caracteriza o funcionamento deste programa enquanto política de Estado e aponta-se como isso tangencia os requisitos de seleção e remuneração dos leitores. A análise realizada revela que, em termos de gestão e alcance mundial, os leitorados têm sofrido apagamento na agenda estatal dos últimos anos, o que leva as conclusões a destacarem a importância de algumas ações que levem à ampliação do Programa de Leitorado, a fim de que as possibilidades de congelamentos esporádicos ou suspensão definitiva sejam minimizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leilane Morais Oliveira, Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo.

Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo e professora de português no Ateliê Linguagens, Sorocaba, Brasil.

Eugênia Magnólia da Silva Fernandes, Universidade da Califórnia, Davis

Doutora em Linguística pela Universidade de Brasília e professora de português na Universidade da Califórnia, Davis, Estados Unidos da América.

Referências

BERGER, I. R. O ensino de línguas como espaço para a difusão do português no mundo: estratégias e ações de políticas linguísticas. Revista Ideação, Foz do Iguaçu, v. 15, n.o 1, p. 216-229, 2013. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/ideacao/article/view/7184. Acesso em: 7 mar. 2019.

BLOMMAERT, J. Language policy and national identity. In: RICENTO, T. (ed.) An Introduction to Language Policy: Theory and Method, 2006. p. 238- 254.

BOAVENTURA, S. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. Coimbra: Almeidina, 2009.

BRASIL. CAPES: Apresentação do Programa Ciência sem Fronteiras. Brasília, 2019. Disponível em: http://www.capes.gov.br/cienciasemfronteiras/html/apresentacao.html. Acesso em: 6 mar. 2019

BRASIL. Balanço da política externa 2003-2010. Brasília, 2011. Disponível em: https://i3gov.planejamento.gov.br/textos/livro6/6.1_Politica_Externa.pdf. Acesso em: 27 fev. 2019.

BRASIL. Programa Leitorado para Instituição Universitária Estrangeira. Edital CAPES/CGCI no. 37/2018. Brasília, 2018. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/19112018_Edital_37_MRE_Leitorado.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

BRASIL. Programa Leitorado para Instituição Universitária Estrangeira. Edital CAPES/CGCI no. 44/2013. Brasília, 2013. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/Edital_044_2013_Leitorado.pdf.Acesso em: 27 fev. 2018.

BRASIL. Programa Leitorado para Instituição Universitária Estrangeira. Edital CAPES/CGCI no. 52/2014. Brasília, 2014. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/Edital_052_2014_LEITORADO.pdf.Acesso em: 27 fev. 2019.

BRASIL. Programa Leitorado para Instituição Universitária Estrangeira. Edital CAPES/CGCI no. 14/2015. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/2992015-Edital-14-2015-Leitorado-RETIFICACAO.pdf. Acesso em: 27 fev. 2019.

CALVET, L. J. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

CALVET, L. J. Le marché aux langues. Les effets linguistiques de la mondialisation. Paris: Plon, 2002.

CARVALHO, S. da C. Políticas de promoção internacional da língua portuguesa: ações na América Latina. Trab. Ling. Aplic., Campinas, n. 51.2, p. 459-484, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tla/v51n2/a10v51n2.pdf. Acesso em: 7 mar. 2019. DOI https://doi.org/10.1590/S0103-18132012000200010

CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação. Braga, v. 16, n. 2, p. 221-236, 2003.

DINIZ, L. R. A. Política linguística do Estado brasileiro na contemporaneidade: a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior. 378f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2012. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000876149. Acesso em: 7 mar. 2019.

FABRICIO, B. F. Linguística aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 45-63.

FARACO, C. A. A língua portuguesa no mundo contemporâneo: implicações para uma pedagogia da variação no ensino de PLA. In: I Simpósio Internacional sobre o ensino do português como língua adicional. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, novembro de 2012.

FERNANDES, E. Imigrações Lusófonas e Contribuições Linguístico-Afirmativas na Jurisdição do Leitorado Brasileiro em Davis. In: MORELO, B.; VARGAS, E.; KRAEMER, F. (org.). Ensino e aprendizagem de língua portuguesa e cultura brasileira pelo mundo: experiências do Programa de Leitorado do Brasil. Roosevelt, NJ: Boavista Press, 2018.

KRAMSCH, C. Culture in foreign language teaching. Iranian Journal of Language Teaching Research. Urmia University, 2013.

LULA se despede da África inaugurando fábrica de medicamentos. O Globo. 4 nov. 2011. Disponível em : https://oglobo.globo.com/mundo/lula-se-despede-da-africa-inaugurando-fabrica-de-medicamentos-2928559. Acesso em: 28 set. 2019.

MAHER, T. de J. M. Do Casulo ao Movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngüe e intercultural. In: BORTONI-RICARDO, S. M.; CAVALCANTI, M. C. (org.). Transculturalidade, Linguagem e Educação. Campinas: Mercado de Letras, 2007. p. 67-96.

MAHER, T. de J. M. Ecos da Resistência: políticas linguísticas e as línguas minoritárias brasileiras. In: NICOLAIDES et al (org.). Política e Políticas Linguísticas. 1ed. Campinas: Pontes Editores, v. 1, 2013. p. 117-134.

McCARTY, T. Etnography and Language Policy. New York: Routledge, 2011.

NYE, J. S. Think Again: soft power. Foreign Policy. February 23, 2006.

NYE, J. S. Future of Power. New York: Public Affairs, 2011.

OLIVEIRA, G. M. O lugar das línguas: A América do Sul e os mercados linguísticos na Nova Economia. Synergies Brésil, n° 1, p. 21-30, 2010. Disponível em: http://gerflint.fr/Base/BresilSPECIAL1/gilvan.pdf Acesso em: 7 mar. 2019

OLIVEIRA, G. M. Um Atlântico Ampliado: o português nas políticas linguísticas do século XXI. In: MOITA LOPES, L. P. (org.) O Português do Século XXI. Cenários Geopolíticos e Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2013.

OLIVEIRA, L. Minha pátria é a língua portuguesa: ações dos governos brasileiro e português para o ensino de língua portuguesa no exterior. Letras & Letras, v. 33. no. 2, 2017. Acesso em: 7 mar. 2019. DOI https://doi.org/10.14393/LL63-v33n2a2017-1

OLIVEIRA, L. Programa de Leitorado: diálogo entre política linguística externa e formação de professores de PFOL no Brasil. 2017a. Tese (Doutorado em Letras) - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

RAJAGOPALAN, K. Política linguística: do que se trata afinal? In: NICOLAIDES, C. et al. (org.) Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 19-42.

REY, F. L. G. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação. In: Anais da 24a. Reunião Anual da ANPEd. Outubro 2001. Disponível em: www.anped.org.br/reunioes/24/te7.doc. Acesso em: 20 jul. 2019.

SÁ, D. S. O leitorado brasileiro em Manchester: política linguística e ensino de português como língua estrangeira. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n. 39, p. 31-40, 2009. Acesso em: 7 mar. 2019.

SILVA, D. B. O Passado no Presente: História da Difusão e Promoção da Língua Portuguesa no Exterior. XIV Congresso Nacional de Linguística e Filologia, 2010, Rio de Janeiro (RJ). Cadernos do CNLF (CiFEFil). Rio de Janeiro: Cifefil, v. XIV. p. 3018- 3034, 2010.

SOUZA, A. (org.). Português como língua de herança em Londres: recortes em casa, na igreja e na escola. Campinas: Pontes, 2016.

VILLAVERDE, J. Lula viaja à América Central em busca de maior cooperação. Extra, 10 de dez. 2010. Disponível em: https://extra.globo.com/noticias/brasil/lula-viaja-america-central-em-busca-de-maior-cooperacao-291140.html. Acesso em: 28 fev. 2019.

Downloads

Publicado

13-08-2021

Como Citar

OLIVEIRA, L. M.; FERNANDES, E. M. da S. Não perenidade como característica do Programa de Leitorado brasileiro. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 15, n. 3, p. 733–760, 2021. DOI: 10.14393/DL47-v15n3a2021-5. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/52229. Acesso em: 17 ago. 2022.