A relação entre alguns operadores argumentativos e a dissociação de noções

há operadores específicos para cada tipo de argumento?

Autores

  • Manuel Veronez Instituto de Letras e Linguística - Universidade Federal de Uberlândia.

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-18

Palavras-chave:

Operadores Argumentativos, Dissociação de noções, Argumentação na língua

Resumo

O presente trabalho defende a hipótese de que para cada tipo de argumento (ou técnicas argumentativas) há um ou mais operadores argumentativos específicos que só podem ser utilizados em determinados momentos e circunstâncias, devido a certas condições argumentativas e sociais que o tipo de argumento exige. O argumento é um termo mobilizado por Perelman e Tyteca (2005) e Fiorin (2015). Temos, como exemplo, os argumentos quase lógicos; os argumentos fundamentados na estrutura da realidade; os argumentos que fundamentam a estrutura do real; a dissociação de noções; etc. Desse modo, o objetivo deste trabalho é apresentar os operadores argumentativos que podem ser utilizados especificamente no tipo de argumento por dissociação de noções (e não outro), abrangendo a relação entre o par essência/aparência e/ou as relações entre outros pares filosóficos, na denominação de Perelman e Tyteca (2005), como, meio/fim, consequência/princípio, relativo/absoluto, subjetivo/objetivo, linguagem/pensamento etc. Para isso, iniciaremos o texto apresentando uma parte teórica para o desenvolvimento deste trabalho, explicando, com a ajuda dos teóricos, o que são os operadores argumentativos e como é o tipo de argumento por dissociação de noções. Após, apresentaremos alguns exemplos e análises de operadores argumentativos que podem ser específicos da técnica argumentativa por dissociação de noções. Por fim, as considerações finais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manuel Veronez, Instituto de Letras e Linguística - Universidade Federal de Uberlândia.

Doutorando em Estudos Linguísticos (bolsista CAPES), linha de pesquisa em Linguagem, Texto e Discurso, do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos do Instituto de Letras e Linguística da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente, realiza o estágio de doutorado sanduíche (PDSE-CAPES Processo 88881.136163/2017-01) na Université Paris-Sorbonne (Paris IV), França, sob a orientação do Prof. Dr. Dominique Maingueneau. 

Referências

ÁLVAREZ MÉNDEZ, J. M. Avaliar para conhecer, examinar para excluir; trad. Magda Schwartzhaupt Chaves. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988.

BILAC, O. Poesias. São Paulo: Martin Claret, 2006.

CABRAL, A. L. T. A força das palavras: dizer e argumentar. São Paulo: Contexto, 2011.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas, SP: Pontes, 1987.

______. Princípios de Semântica Linguística (dizer e não dizer). São Paulo: Editora Cultrix, 1972.

______. Provar e dizer: linguagem e lógica. São Paulo: Global Ed., 1981.

FÁVERO, L. L. Coesão e coerência textuais. São Paulo: Ática, 2006.

FIORIN, J. L. Argumentação. São Paulo: Contexto, 2015.

HEMP, P. Zerovinteum. In.: Os cães ladram, mas a caravana não pára. Sony, 1996. 1 CD. Faixa 1 (5 min. 18).

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Trad. Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. In: Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

KOCH, I. G. V. A coesão textual. São Paulo: Contexto, 1996.

______. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 1992.

______. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 1984.

LOPES, P. Caju. Brasil Escola, São Paulo, 15 de maio 2017. Disponível em: http://brasilescola.uol.com.br/frutas/caju.htm. Acesso em: 15 maio de 2017.

LOPES, T. Por dentro da cabeça dos bebês. Revista Super Interessante, São Paulo, 31 de outubro 2016. Disponível em: https://super.abril.com.br/ciencia/por-dentro-da-cabeca-dos-bebes/. Acesso em: 15 maio de 2017.

MAINGUENEAU, D. Pragmática para o discurso literário. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

PERELMAN, C. OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PESSANHA, C. Clepsidra. São Paulo: Princípio, 1989.

PESSOA, F. Poesias. (Org.) CASSAL, S. B. Porto Alegre: L&PM, 2009.

PLANTIN, C. L’Argumentation. Paris: Seuil, 1996.

PLATÃO. Fedro. Trad. Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana, 1975.

VIEIRA, A. Sermões. Porto: Lello & Irmão Editores, 1959, 15t. 5v.

Downloads

Publicado

29.03.2018

Como Citar

VERONEZ, M. A relação entre alguns operadores argumentativos e a dissociação de noções: há operadores específicos para cada tipo de argumento?. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 12, n. 1, p. 526–550, 2018. DOI: 10.14393/DL33-v12n1a2018-18. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/38349. Acesso em: 26 nov. 2022.