Intersonoridade no Discurso Audiovisual

por uma memória no âmbito sonoro

Autores

  • Welisson Marques Instituto Federal do Triângulo Mineiro

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL23-v10n3a2016-2

Palavras-chave:

Audiovisual, Discurso, Intersonoridade, Som, Voz

Resumo

Este artigo apresenta algumas considerações a que chegamos, a partir de uma pesquisa mais ampla, cujo enfoque foi observar o funcionamento do som no discurso publicitário audiovisual. Pesquisas em Análise do Discurso atualmente têm se voltado para o estudo da imagem em diferentes corpora, todavia o som – tomado como objeto analítico –, ainda é, certamente, uma materialidade que demanda maior investigação em virtude de sua complexidade.  Assim, propusemo-nos a investigar o funcionamento do discurso audiovisual com enfoque no âmbito sonoro. Tomamos como corpus, neste artigo, uma peça publicitária de curso de idiomas veiculada em diferentes mídias no Brasil. Em nossa conclusão destacamos que para se proceder a uma análise discursiva de cunho histórico, não é possível tomar a forma sonora destituída de sua historicidade. Verificamos que os sons produzidos na propaganda, notadamente as formas artificiais, se assemelham ou se avizinham a outros. Isso possibilita a compreensão dos diversos sons que animam e dão sentido à propaganda de modo particular e, sem dúvidas, ao discurso de modo geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Welisson Marques, Instituto Federal do Triângulo Mineiro

Doutor em Estudos Linguísticos e Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Uberlândia (UFU/PPGEL). Professor efetivo no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro.

Referências

BARTHES, R. [1962]. A mensagem fotográfica. In: COSTA LIMA, Luiz. Teoria da Cultura de Massa. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990. p. 303-316.

CHARTIER, R. [1994]. A ordem dos livros – leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Trad. de Mary Del Priori. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1998.

FOUCAULT, M. [1971]. A ordem do discurso. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2003.

HAGEMEYER, R. R. História & audiovisual. Coleção História &... Reflexões 15. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

PÊCHEUX, M. [1975]. Semântica e discurso – uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. de Eni Puccinelli Orlandi et al. Campinas: Edunicamp, 1988.

PÊCHEUX, M. [1983]. O Discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. de Eni Puccinelli Orlandi. 3. ed. Campinas: Pontes, 2002.

PÊCHEUX, M. [1981]. O estranho espelho da análise do discurso. In: COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político, o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos-SP: EdufScar, 2009. p. 21-26.

PSICOSE. Direção: Alfred Hitchcock. [S.l.]: 1960. 1 vídeo cassete (108 min), VHS, son., preto e branco.

RODRÍGUEZ, Á. A dimensão sonora da linguagem audiovisual. Trad. de Rosângela Dantas. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

TITANIC. Direção: James Cameron. [S.l.]: Fox Video, 1997. 1 DVD (194 min), son., color.

TUBARÃO. Direção: Steven Spierlberg. [S.l.]: Universal Studios, 1975. 1 vídeo cassete (124 min.), VHS, son., color.

VEYNE, P. Foucault, o pensamento, a pessoa. Trad. de Luís Lima. Lisboa: Edições Texto & Grafia, 2009.

VEYNE, P. Sobre Foucault. In: MARQUES, W.; CONTI, M. A.; FERNANDES, C. A. Michel Foucault e o Discurso: aportes teóricos e metodológicos. Linguística in focus 9. Uberlândia: Edufu, 2013. p. 81-85.

Downloads

Publicado

26-08-2016

Como Citar

MARQUES, W. Intersonoridade no Discurso Audiovisual: por uma memória no âmbito sonoro. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 796–809, 2016. DOI: 10.14393/DL23-v10n3a2016-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/32639. Acesso em: 19 maio. 2022.