Reflexões iniciais sobre a terminologia designativa de área e subáreas do Português para Falantes de Outras Línguas

um estudo exploratório

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex9-v5n2a2020-5

Palavras-chave:

Português para Falantes de Outras Línguas, Terminologia, Linguística de Corpus, Terminologia designativa, Diversidade e variação terminológica

Resumo

Este artigo tem como objetivo traçar reflexões iniciais sobre a terminologia designativa da área e de potenciais subáreas de atuação do Português para Falantes de Outras Línguas (PFOL), a partir de dados oriundos de um estudo exploratório realizado. Nossos posicionamentos e reflexões de ordem teórica estão embasados pela Terminologia (CABRÉ, 1999; FREIXA, 2002; KRIEGER; FINATTO, 2004; FERNÁNDEZ-SILVA, 2011, dentre outros), ao passo que a Linguística de Corpus foi utilizada como metodologia para obtenção e análise de dados. Por meio deste  estudo exploratório, identificamos uma diversidade de unidades fraseológicas especializadas utilizadas como designadoras da área e de possíveis subáreas do PFOL, bem como verificamos uma alta variação terminológica (formal e conceitual). Os dados e reflexões apresentados neste artigo indicam tópicos a serem investigados ou desenvolvidos em futuras pesquisas sobre a terminologia designativa do PFOL, como a realização de uma padronização terminológica formal e conceitual, a sistematização da árvore de domínio da área, a investigação das motivações das variações formais e conceituais, bem como a análise das consequências conceituais da variação formal  e as consequências formais da variação conceitual no escopo do PFOL.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, G. M. B. Teoria Comunicativa da Terminologia (TCT): uma aplicação. 2000. 290 f. Tese (Doutorado em Lingüística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2000.

ALMEIDA, G. M. B.; CORREIA, M. Terminologia e corpus: relações, métodos e recursos. In: TAGNIN, S. E. O.; VALE, O. A. (org.). Avanços da Linguística de Corpus no Brasil. São Paulo: Humanitas, 2008. p. 67-94.

AMADO, R. S. O ensino de português como língua de acolhimento para refugiados. Revista SIPLE, Brasília, v. 4, n. 2, p. 11-18, 2013. Disponível em: https://docs.wixstatic.com/ugd/aa72b0_9aeb1cd15ab547df801c509e7978e193.pdf. Acesso em: 13 dez. 2020.

AMADO, R. S. Português como segunda língua para comunidades de trabalhadores transplantados. Revista SIPLE, Brasília, v. 2, n. 1, p. 86-97, 2011. Disponível em: https://docs.wixstatic.com/ugd/aa72b0_7616227cd98b4caaa9fc268dbd2274b6.pdf. Acesso em: 13 dez. 2020.

BATISTA, M. R. Desestrangeirização em português como língua segunda: o caso de estudantes alemães e italianos. Revista SIPLE, Brasília, v. 2, n. 2, p. 42-60, 2011. Disponível em: https://docs.wixstatic.com/ugd/aa72b0_a26c03eab0e34f5b90ba220b9e1700dd.pdf. Acesso em: 13 dez. 2020.

BECKHAUSER, A. S. A língua portuguesa como recurso da política externa brasileira à luz da diplomacia cultural. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 784-802, 2018. DOI https://doi.org/10.14393/DL34-v12n2a2018-2.

BERBER SARDINHA, T. Lingüística de Corpus. Barueri: Manole, 2004.

BERBER SARDINHA, T. Lingüística de Corpus: histórico e problemática. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 16, n. 2, p. 323-367, 2000. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-44502000000200005.

CABRÉ, M. T. Terminology: theory, methods and applications. Edição de Juan Carlos Sager. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1999. DOI https://doi.org/10.1075/tlrp.1.

COSTA, L. A.; FERNÁNDEZ-SILVA, S. A variação denominativa explícita na Lexicografia no Brasil: pressupostos para a organização microestrutural do Dicionário de Lexicografia Brasileira. Ibérica, Castelló, n. 36, p. 95-118, 2018. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6641091. Acesso em: 17 dez. 2020.

FERNÁNDEZ-SILVA, S. Variación terminológica y cognición: factores cognitivos en la denominación del concepto especializado. 2010. 380 f. Tesis (Doctorado en Ciencias del Lenguaje y Lingüística Aplicada) - Departament de Traducció i Ciències del Llenguatge, Universitat Pompeu Fabra, Barcelona, 2011. Disponível em: http://hdl.handle.net/10803/22638. Acesso em: 13 set. 2020.

FREIXA, J. La variació terminològica: anàlisi de la variació denominativa en textos de diferent grau d'especialització de l'àrea de medi ambient. 2002. 397 f. Tesi (Doctorado en Filologia Catalana) - Departament de Filologia Catalana, Universitat de Barcelona, Barcelona, 2002. Disponível em: http://hdl.handle.net/10803/1677. Acesso em: 13 set. 2020.

FREIXA, J. Variación terminológica: ¿Por qué y para qué? Meta, Montreal, v. 50, n. 4, [s.p.], 2005. Disponível em: https://www.erudit.org/en/journals/meta/2005-v50-n4-meta1024/019917ar/. Acesso em: 13 set. 2020.

JATOBÁ, J. R. Políticas linguística e externa chinesa: um breve panorama do ensino de LEs e do PLE na China. Revista SIPLE, Brasília, v. 5, n. 1, p. 55-72, 2015. Disponível em: https://75594e48-8adc-4b90-bea7-68134515f6e2.filesusr.com/ugd/aa72b0_02a55192d0fd48fb84677c235e0b3a37.pdf. Acesso em: 13 set. 2020.

KRIEGER, M. G.; FINATTO, M. J. B. Introdução à terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

MALAGUTI, S. Bilinguismo e o aprendizado do português no exterior: vantagens, desvantagens e mitos. Revista SIPLE, Brasília, v. 5, n. 1, p. 40-47, 2015. Disponível em: https://75594e48-8adc-4b90-bea7-68134515f6e2.filesusr.com/ugd/aa72b0_02a55192d0fd48fb84677c235e0b3a37.pdf. Acesso em: 13 set. 2020.

MOITA LOPES, L. P. (org.). O português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

O’KEEFFE, A.; McCARTHY, M. (ed.). The Routledge Handbook of Corpus Linguistics. Abingdon: Routledge, 2010. DOI https://doi.org/10.4324/9780203856949.

PARODI, G. Lingüística de Corpus: de la teoría a la empiria. Madrid: Iberoamericana, 2010. DOI https://doi.org/10.31819/9783865278715

RETO, L. A. et al. Novo atlas da língua portuguesa. Lisboa: INCM, 2016.

REY, A. Essays on Terminology. Tradução e edição de Juan Carlos Sager. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1995. DOI https://doi.org/10.1075/btl.9.

SCOTT, M. WordSmith Tools version 6. Stroud: Lexical Analysis Software, 2012. Disponível em: https://www.lexically.net/wordsmith/downloads/. Acesso em: 13 set. 2020.

SHEPHERD, T. M. G. O estatuto da Linguística de Corpus: metodologia ou área da Linguística? Matraga, Rio de Janeiro, v. 16, n. 24, p. 150-172, 2009. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/matraga/article/view/27801/19922. Acesso em: 17 set. 2020.

Downloads

Publicado

22-12-2020

Como Citar

Lisboa, J. V. R. (2020). Reflexões iniciais sobre a terminologia designativa de área e subáreas do Português para Falantes de Outras Línguas: um estudo exploratório. Revista GTLex, 5(2), 283–311. https://doi.org/10.14393/Lex9-v5n2a2020-5

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)