Auscultação Geodésica em Torres Eólicas Onshore: Definição do Sistema de Referência e de Medição para o Monitoramento

Conteúdo do artigo principal

Luiz Filipe Campos do Canto
https://orcid.org/0000-0002-2439-9429
Andréa de Seixas
https://orcid.org/0000-0002-5879-4902

Resumo

A auscultação geodésica em torres eólicas onshore e a escassez de metodologias geodésicas/topográficas de medição, nestas estruturas, incentivou a elaboração deste trabalho. O monitoramento geodésico pode indicar o risco de movimentos nos componentes estruturais da torre, que de acordo com a indicação do projetista ultrapassem as tolerâncias preestabelecidas em projetos, podendo assim, minimizar acidentes e danos à torre e seu entorno. Este trabalho foi realizado nas torres eólicas Gravatá 01 e 02 do Parque Eólica Gravatá Geradora de Energia S.A., localizado no município brasileiro de Gravatá-PE, para definir uma metodologia para averiguar deslocamentos de pontos-objeto localizados na torre e na base da fundação. Para avaliar possíveis movimentos horizontais na torre foram implantados marcos de concreto, hastes metálicas e folhas refletivas, observados por meio dos métodos de posicionamento GNSS, poligonação com centragem forçada, irradiação tridimensional e método de medição das bordas, que por meio de uma configuração geométrica apropriada e discutida neste trabalho, permitiu a detecção do centro virtual das seções transversais circulares ao longo da torre, possibilitando o cálculo do ângulo de deflexão da mesma. Para avaliar possíveis movimentos verticais foram implantados pinos, nas bases das torres, medidos por meio de nivelamento geométrico de altíssima precisão, estabelecendo-se neste trabalho a medição zero de referência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
CANTO, L. F. C. do; SEIXAS, A. de. Auscultação Geodésica em Torres Eólicas Onshore: Definição do Sistema de Referência e de Medição para o Monitoramento. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 72, n. 2, p. 294–311, 2020. DOI: 10.14393/rbcv72n2-50539. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/50539. Acesso em: 9 dez. 2022.
Seção
Artigos de Revisão