Recursos de Geoprocessamento Aplicados à Análise da Declividade da Malha Cicloviária da Cidade de São Paulo

Conteúdo do artigo principal

João Vitor Penteado Simeão
Gustavo Garcia Manzato
Eliane Viviani

Resumo

A enorme frota de veículos motorizados provoca impactos ambientais, congestionamentos e afeta a mobilidade urbana e a qualidade de vida. Nesse contexto, a mobilidade urbana sustentável sugere utilizar modos não motorizados para alterar tal realidade. Como exemplo tem-se as bicicletas, versáteis e não poluentes. O estímulo para seu uso centra-se em medidas governamentais, onde se insere a oferta de infraestrutura e de condições físicas adequadas, por exemplo a declividade. A literatura técnica recomenda que inclinações superiores a 5% sejam evitadas, pois exigem grande esforço físico dos ciclistas em subidas e podem levar, em descidas, à velocidades elevadas. Objetivando pesquisar a realidade de uma rede cicloviária quanto às suas inclinações, estudou-se a da cidade de São Paulo. Usando recursos de geoprocessamento, duas estratégias foram aplicadas: a primeira centrada na interseção das bases de dados vetoriais da malha cicloviária paulistana com carta de declividade; e a segunda na geração de um modelo digital de elevação a partir de curvas de nível e posterior atribuição de informações altimétricas para as vias da malha. Os resultados obtidos da primeira estratégia apontaram que 47% da malha paulistana é composta por trechos com greides superiores a 5%. A análise a partir das curvas de nível revelou que 17,9% da malha contêm trechos com inclinações maiores que 5%. Concluiu-se que a malha cicloviária paulistana possui grande parte de suas vias com declividades adequadas, as quais não oferecem maiores empecilhos ao uso das vias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
SIMEÃO, J. V. P.; MANZATO, G. G.; VIVIANI, E. Recursos de Geoprocessamento Aplicados à Análise da Declividade da Malha Cicloviária da Cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 71, n. 1, p. 253–273, 2019. DOI: 10.14393/rbcv71n1-2208. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/47617. Acesso em: 26 nov. 2022.
Seção
Artigos Originais