Avaliação do Desmatamento em Assentamentos Rurais e Terras Indígenas na Amazônia Legal em 2015, por meio de Modelagem Espectral de Sequestro de Carbono

Conteúdo do artigo principal

Yuri Roberta Yamaguchi de Paiva
Gustavo Macedo de Mello Baptista

Resumo

Informações acerca de fontes e sumidouros de carbono podem ser inferidas a partir de variações nas concentrações de CO2 atmosférico observadas via modelagem com imagens de satélite multiespectrais. Este estudo utilizou a relação (aqui chamada de CO2flux) entre dois índices normalizados de vegetação, o NDVI (Normalized Difference Vegetation Index) e o PRI (Photochemical Reflectance Index), para estimar as áreas fotossinteticamente ativas, bem como as áreas sem atividade fotossintética, de terras indígenas e assentamentos rurais situados na região da Amazônia Legal conhecida como "Arco do Desflorestamento", considerada crítica para o desmatamento. Os resultados permitiram confirmar a eficiência das terras indígenas, aqui entendidas como áreas protegidas, na conservação da cobertura florestal, em taxas que superam 90% de vegetação fotossinteticamente ativa. As modalidades de assentamento tradicionais apresentaram grande perda de cobertura florestal, não cumprindo os percentuais de preservação estabelecidos na legislação ambiental (a reserva legal é de 80% para a Amazônia) em algumas regiões (apenas 39% de área vegetada em Rondônia, e 52% no Noroeste do Maranhão). No entanto, as modalidades de assentamento com viés sustentável, implantadas mais recentemente na Amazônia, se mostraram como uma alternativa interessante para a região, ao apresentarem altos índices de vegetação fotossinteticamente ativa. No Oeste do Pará e no Sul do Amazonas, onde predominam estes assentamentos, o percentual de área florestada foi de 81,3% e 80%, respectivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
PAIVA, Y. R. Y. de; BAPTISTA, G. M. de M. Avaliação do Desmatamento em Assentamentos Rurais e Terras Indígenas na Amazônia Legal em 2015, por meio de Modelagem Espectral de Sequestro de Carbono. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 69, n. 7, 2018. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/43998. Acesso em: 19 maio. 2022.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Yuri Roberta Yamaguchi de Paiva, Universidade de Brasília

Instituto de Geociências

Gustavo Macedo de Mello Baptista, Universidade de Brasília

Instituto de Geociências

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>