Baltasar do Couto Cardoso

Transgeneridades guerreiras no império colonial português

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v38-2022-01

Palavras-chave:

Donzelas-guerreiras, Transgeneridades guerreiras, Baltasar do Couto Cardoso, Maria Úrsula de Abreu e Lencastro, Gustavo Barroso

Resumo

Neste artigo, após breve apresentação sobre os estudos literários em torno das “donzelas-guerreiras”, e sobre o lugar ocupado por Baltasar do Couto Cardoso/Maria Úrsula de Abreu e Lencastro (1682-1730) dentro dessa perspectiva crítica, examinamos os primeiros textos históricos portugueses, brasileiros e luso-goeses a narrarem a sua vida, com especial interesse às repetições e rupturas entre essas narrativas. Foram lidos e discutidos dezessete textos publicados entre 1718 e 1928. Por fim, analisamos, em diálogo com os documentos históricos, A Senhora de Pangim (1932), de Gustavo Barroso, único romance a narrar a personagem histórica de Baltasar/Maria Úrsula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helder Thiago Maia, Universidade de São Paulo

Doutor em Literatura Comparada (UFF, 2018), pós-doutorando com bolsa FAPESP no. 2018/19521-4, na Universidade de São Paulo.

Referências

BARROSO, Gustavo. A Senhora de Pangim. Rio de Janeiro: Guanabara, 1932.

BARROSO, Gustavo. A Senhora de Pangim. Lisboa: Agência Geral das Colônias, 1940.

BARROSO, Gustavo. Uma heroína brasileira na Índia. O Cruzeiro, ed. 7, pp. 32, 36, 54, 1949.

BRASILEIRAS Illustres - Maria Úrsula de Abreu e Lencastre. Leitura para Todos, n. 102, p. 96, 1928.

COSTA, Luiz Mário Ferreira. Relações intelectuais assimétricas: a “polêmica” histórica entre Alfredo Pimenta e Gustavo Barroso. Oficina do Historiador, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 115-130, 2016. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2016.1.22777

D. MARIA Úrsula d'Abreu e Lencastro. O panorama: jornal litterário e instructivo. Lisboa: Typographia da Sociedade, 1840.

D. MARIA Úrsula D'Abreu e Alencastro. Ostentor Brasileiro, n.4, p. 50, 1845.

D. MARIA Úrsula D'Abreu e Alencastro. A Luz, n.1, p. 103, 1872.

EPHEMERIDES. Commercio de Portugal, n. 4984, p. 3, 1896.

FAZENDA, Vieira; MAGALHÃES, Basílio. Ephemerides brazileiras pelo Barão do Rio Branco. Rio de Janeiro: IHGB, 1917.

FROES PERIM, Damiao. Theatro Heroino, Abcedario das Mulheres Ilustres em Armas, Letras, Acçoens heroicas, e artes liberaes. Tomo I. Lisboa: Officina da Musica de Theotonio Antunes Lima, 1736.

FROES PERIM, Damiao. Theatro Heroino, Abcedario das Mulheres Ilustres em Armas, Letras, Acçoens heroicas, e artes liberaes. Tomo II. Lisboa: Regia Officina Sylviana, 1740.

GARCIA, Rodolfo (org). Efemérides Brasileiras. Rio de Janeiro: Ministério das Relações Exteriores, 1946.

GAZETA DE LISBOA. Lisboa, n. 12, 24 de março 1718, p. 96, 1718.

HERMANN, Jacqueline. D. Sebastião, sebastianismo e “memória sebástica”: as invasões francesas e os impasses da história portuguesa. In: HERMANN, Jacqueline; AZEVEDO, Francisca; CATROGA, Fernando (Org.). Memória, escrita da história e cultura política no mundo luso-brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

MACEDO, Joaquim Manoel. Anno Biographico Brazileiro. v. 3. Rio de Janeiro: Typographia e Lithographia do Imperial, 1876.

MAGALHÃES, Basílio de (org.). Efemérides brasileiras. Rio de Janeiro: IHGB, 1917.

MAIA, Helder Thiago. Retratos da sexualidade: uma análise das obras ‘La Monja Alférez’ de Juan Pérez de Montalbán e ‘Historia de la Monja Alférez, Catalina de Erauso, escrita por ella misma’ de Catalina de Erauso. Revista Feminismos, v. 1, n. 3, p. 72-87, 2013.

MAIA, Helder Thiago. Transgressões canônicas: queerizando a donzela-guerreira. Cadernos de literatura comparada, n. 39, p. 91-108, 2018. https://doi.org/10.21747/21832242/litcomp39a6

OLIVEIRA, Valdeci. Figurações da donzela-guerreira nos romances Luzia-Homem e Dona Guidinha do Poço. 2001. 154f. Dissertação (Mestrado em Teoria e História Literária) – Universidade Estadual de Campinas, 2001.

PEREIRA, Manoel Gomes (org.). Barão de Rio Branco: 100 anos de memória. Brasília: FUNAG, 2012.

PIMENTA, Alfredo. A Senhora de Pangim. Coimbra: Coimbra Editora, 1942.

PIZARRO E ARAUJO, Jozé de Souza Azevedo. Memorias Historicas do Rio de Janeiro e das Provincias Annexas à Jurisdição do Vice-Rei do Estado do Brasil. Tomo VII. Rio de Janeiro: Typografia de Silva Porto, 1822.

RIO BRANCO, Barão do. Ephemerides Brazileiras. Jornal do Brasil, p. 2, 1 set. 1891.

SABINO, Ignez. Mulheres Illustres do Brazil. Rio de Janeiro: Garnier, 1899.

SALDANHA, Manoel Gabriel. História de Goa: política e arqueológica. vol. 1. Goa: Tipografia Rangel, 1898. Versão citada: New Delhi: Asian Educational Services, 1990.

SANTA MARIA, Francisco. Anno historico, diario portuguez, noticia abrevidada de pessoas grandes, e cousas notaveis de Portugal. Tomo 1. Lisboa: Officina, 1744.

SOUZA SILVA, Joaquim Norberto. D. Maria Úrsula de Abreu Lencastre. Revista Trimensal de História e Geografia. Rio de Janeiro: Typographia de D. L. dos Santos, 1841.

SOUZA SILVA, Joaquim Norberto. D. Maria Úrsula de Abreu Lencastre. Ostensor Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 49, p. 387-388, 1845.

SOUZA SILVA, Joaquim Norberto. Dona Maria Úrsula de Abreu Lencastre. Revista Popular. Anno 1 - Tomo 1. Rio de Janeiro: Garnier, 1859.

SOUZA SILVA, Joaquim Norberto. Brasileiras célebres. Rio de Janeiro: Garnier, 1862.

TEIXEIRA DE MELLO, José Alexandre. Ephemerides Nacionaes. Tomo Segundo (Julho-Dezembro). Rio de Janeiro: Typographia da Gazeta de Noticias, 1881.

VILLENEUVE, Henrique de. Efemérides brasileiras. Rio de Janeiro: Biblioteca do Jornal do Brasil, 1892.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

MAIA, H. T. Baltasar do Couto Cardoso: Transgeneridades guerreiras no império colonial português. Letras & Letras, Uberlândia, v. 38, p. e3801 | 1–29, 2022. DOI: 10.14393/LL63-v38-2022-01. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/61236. Acesso em: 14 jul. 2024.