Rola um d20, Pedro Bala!

Criação literária usando RPG de mesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n1-2021-13

Palavras-chave:

Literatura, Ensino, Role-playing games, Jorge Amado, Capitães da Areia

Resumo

Este trabalho apresenta uma proposta de roteiro pedagógico que faz uso de role-playing games (RPGs) de mesa no ensino de literatura. Nesse tipo de jogo, se faz fundamental o processo de criação de personagens, considerando que o aventureiro criado reagirá a diversos tipos de situação. Ou seja, RPGs facilitam o exercício de pensar como um outro (no caso, o personagem criado), trabalhando assim questões relacionadas à criatividade e à empatia. Nossa proposta traz como exemplo a adaptação do romance Capitães da Areia para o formato de RPG de mesa, pedindo aos alunos que imaginem quais tipos de personagens e situações fariam sentido no contexto da obra. De tal maneira, os estudantes respondem ao texto lido, passando por um processo de retextualização e ocupando o espaço protagonista de autores. Os aportes teóricos incluem a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) e estudos anteriores envolvendo o uso de RPGs no ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Ruas Machado Gomes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

ROSANA RUAS MACHADO GOMES é licenciada em Letras - Português/Inglês pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016) e mestra em Literatura pela mesma instituição (2019). Atualmente é doutoranda pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) na linha de pesquisa Sociedade, (Inter)Textos Literários e Tradução nas Literaturas Estrangeiras Modernas. Além disso, atua como professora de língua inglesa na Rede Municipal de Canoas. Dentre suas publicações estão os artigos "Healing in Life is Strange: the Possibilities of Dual-Witnessing as a Player" (Darandina Revisteletrônica, 2019) e "A voz de Kambili: hibridismo cultural em Hibisco Roxo de Chimamanda Ngozi Adichie" (Sociopoética Online, 2019).

Murilo Ariel de Araujo Quevedo, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduado em Letras - Português e Inglês (UFRGS), Especialista em Histórias em Quadrinhos (Faculdades EST), Mestrando em Literatura (UFSC).

Gabriela Pirotti Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mestranda em Estudos de Literatura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Sua pesquisa
atual se centra em literatura galesa medieval, trabalhando junto ao projeto Sociedade, História e Memória nas
Literaturas de Língua Inglesa.

Referências

AMADO, J. Capitães da areia. São Paulo: Editora Schwarcz S.A, 2012.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

BRAUNER, G.; CALDELA, L.; CASSARO, M.; SALADINO, R. DEI SVALDI, G.; TREVISAN, J. M. Tormenta RPG. Porto Alegre: Jambô Editora, 2013.

CRAWFORD, J. Livro do Jogador: Dungeons & Dragons. 5. ed. Renton: Wizards of the Coast, LLC. 2014. Disponível em: https://ordempendragon.files.wordpress.com/2017/04/dd-5e-livro-do-jogador-fundo-branco-biblioteca-c3a9lfica.pdf. Acesso em: 21 set. 2020.

CRITICAL ROLE. Direção: Critical Role. Websérie, Youtube. 2015-. Disponível em https://www.youtube.com/channel/UCpXBGqwsBkpvcYjsJBQ7LEQ/about. Acesso em: 21 set. 2020.

DOMSCH, S. Storyplaying: agency and narrative in video games. Berlin: Walter de Gruyter GmbH, 2013. DOI: https://doi.org/10.1515/9783110272451

FRADE, I.; VAL, M.; BREGUNCI, M. (Org). Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2014.

FRICKER, P.; MASON, M. Chamado de Cthulhu: livro do guardião. 7. ed. Rio de Janeiro: New Order Editora, 2020.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2000.

KASTENSMIDT, C. A Bandeira do Elefante e da Arara. São Paulo: Devir, 2010-2014.

KASTENSMIDT, C. A Bandeira do Elefante e da Arara: livro de interpretação de papéis. São Paulo: Devir, 2017.

LOVECRAFT, H. P. O Chamado de Cthulhu e outros contos. Traduzido por G. Braga. São Paulo: Hedra, 2009.

MARTIN, G. R. R. As Crônicas de Gelo e Fogo. Traduzido por CANDEIAS, J. Rio de Janeiro, LeYa: 2010-2019.

OLIVEIRA LIMA, S.; SILVA ZAMARIAM, F. RPG e literatura na escola: leitura, afeto e negociações de sentido. Revista Graphos, v. 22, n. 2, p. 301-321, 15 out. 2020. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1516-1536.2020v22n2.52178

PRIETTO, T. G. Jogos de RPG de mesa, Literatura e ensino: possíveis correlações. In: MACHADO, J.; LEDUR, R.; SILVA, G. (org). Saberes em diálogos: educação básica, universidade e pesquisa. Canoas: Editora Unilasalle, 2018. Disponível em https://www.canoas.rs.gov.br/wp-content/uploads/2019/11/Ebook-Saberes-em-dialogo-2017.pdf. Acesso em: 21 set. 2020.

SCHWALB, R. J. Guerra dos Tronos RPG. Traduzido por CALDELA, L. Porto Alegre: Jambô, 2013.

STRANGER THINGS. 1ª temporada. Direção: Matt Duffer, Ross Duffer, Shawn Levy. NETFLIX, 2016.

VAL, M. Produção escrita: trabalhando com gêneros textuais. Belo Horizonte: CEALE/FAE/UFMG, 2007.

VALÉRIO, A. Ensino e imaginação: o uso do RPG como ferramenta didática no ensino de História. Anais da I Jornada de Didática – O Ensino como Foco / I Fórum de Professores de Didática do Estado do Paraná. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/jornadadidatica/pages/arquivos/ENSINO%20E%20IMAGINACAO%20O%20USO%20DO%20RPG.pdf. Acesso em: 21 set. 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

RUAS MACHADO GOMES, R.; QUEVEDO, M. A. de A.; PEREIRA, G. P. Rola um d20, Pedro Bala! Criação literária usando RPG de mesa. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 1, p. 218–236, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n1-2021-13. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/57565. Acesso em: 22 maio. 2022.