O uso da autoavaliação no desenvolvimento da expertise em interpretação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v35n2-2019-6

Palavras-chave:

Interpretação, Autoavaliação, Expertise, Prática deliberada, Aprendizagem autônoma

Resumo

A adoção de um modelo baseado no desenvolvimento da expertise e na capacitação para a aprendizagem autônoma e a educação continuada geram a necessidade de os alunos serem capazes de se autoavaliar, de forma a determinar em que elementos investir. O uso de ficha de autoavaliação proposto pela Formação de Intérpretes da PUC-Rio é apresentado, após uma reflexão teórica, e seus efeitos são discutidos. A ferramenta de autoavaliação mostrou-se eficaz não somente no tocante à avaliação em si, mas na consolidação de uma linguagem comum clara e objetiva que estrutura a relação entre alunos e professores e entre os próprios alunos, além de oferecer outros benefícios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christiano Sanches do Valle Silva, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Letras / Estudos da Interpretação

Referências

ANDRADE, H. L. A Critical Review of Research on Student Self-Assessment. Frontiers in Education, v. 4, n. 87, p. 1-7, 2019. https://doi.org/10.3389/feduc.2019.00087

BASNET, B. Is self-assessment effective in enhancing student learning? In: AAEE. Proceedings of the 2011 AAEE Conference, Fremantle, Western Australia, 2011.

BOUD, D.; LAWSON, R.; THOMPSON, D. The calibration of student judgement through self-assessment: disruptive effects of assessment patterns. Higher Education Research and Development, v. 34, n. 1, p. 45-59, 2015. https://doi.org/10.1080/07294360.2014.934328

ERICSSON, K. A. Expertise in interpreting: An expert-performance perspective. Interpreting, v. 5, n. 2, p. 187-220, 2000/01. https://doi.org/10.1075/intp.5.2.08eri

LIU, M. How do experts interpret? Implications from research in Interpreting Studies and cognitive science. In: HANSEN, G.; CHESTERMAN, A.; GERZYMISCH-ARBOGAST, H. (Ed.). Effort models in interpreting and translation research. A tribute to Daniel Gile. John Benjamins, 2009. p. 159-177. https://doi.org/10.1075/btl.80.14liu

MOSER-MERCER, B. et al. Searching to define expertise in interpreting. In: ENGLUND DIMITROVA, B.; HYLTENSTAM, K. Language processing and simultaneous interpreting: interdisciplinary perspectives. John Benjamins, 2000. p. 107-131. https://doi.org/10.1075/btl.40.09mos

PINAZO, E. P. Self-assessment in teaching interpreting. TTR, v. 21, n. 1, p. 173-209, 2008. https://doi.org/10.7202/029690ar

QUENTAL, Raffaella. Formação de Intérpretes da PUC-Rio: meio século de história. Tradução em Revista, v. 24, n. 1, 2018. https://doi.org/10.17771/PUCRio.TradRev.34532

SAWYER, David. Fundamental aspects of interpreter education: Curriculum and assessment. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2004. https://doi.org/10.1075/btl.47

TISELIUS, E. Expertise without deliberate practice? The case of simultaneous interpreters. The Interpreters’ Newsletter, v. 18, p. 1-15, 2013.

Publicado

2019-12-30

Como Citar

SANCHES DO VALLE SILVA, C. O uso da autoavaliação no desenvolvimento da expertise em interpretação. Letras & Letras, [S. l.], v. 35, n. 2, p. 104–117, 2019. DOI: 10.14393/LL63-v35n2-2019-6. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/51786. Acesso em: 8 ago. 2022.