(Des)alinhavando a(o)s ponta(o)s de contato epistemológicos entre os estudos da tradução e dos letramentos na pós-modernidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v35nEsp2019-12

Palavras-chave:

Tradução, Letramentos, Pós-modernidade, Diferença, Pluralidade

Resumo

Os estudos da tradução e dos letramentos são espectadores e, simultaneamente, protagonistas, das transições, crises e reformulações promovidas pela pós-modernidade. Um novo paradigma epistemológico surge, neste cenário, como uma necessidade de repensar o modelo de racionalidade tradicional das ciências, as quais mostravam sinais de exaustão (SOUSA SANTOS, 2008). Nosso objetivo é, assim, analisar possíveis pontos de contatos epistemológicos entre as teorias de tradução e as de letramentos, levando em consideração essa ruptura paradigmática pós-moderna. Nessa visada, partindo de uma perspectiva crítica dos estudos de letramentos (LANKSHEAR; KNOBEL, 2006), e contestadora (DERRIDA, 2001, 2002 2005) dos estudos da tradução, muitos pontos se entrecruzam na descontinuidade, na fragmentação e na diferença em que os sujeitos significam e traduzem, não apenas a palavra, mas o mundo, pelas lentes da alteridade, da heterogeneidade e da pluralidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliam Cristina Marins, Universidade Estadual de Maringá

Liliam Cristina Marins é mestre e doutora em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá, com pesquisa sobre tradução, literatura e multiletramentos. Docente adjunta na Universidade Estadual de Maringá, atua como professora no Departamento de Letras Modernas, no curso de Graduação em Letras – Inglês, licenciatura e bacharelado em tradução. É professora permanente no Programa de Pós-graduação em Letras da mesma instituição. Faz parte dos Grupos de Pesquisa “Projeto Nacional de Letramentos: Linguagem, Cultura, Educação e Tecnologia – USP”, “Literatura e multiletramentos: diferentes epistemologias para uma proposta de educação pluralista – UEM” e “Tradução e Multidisciplinaridade: da torre de Babel à sociedade tecnológica – UEM”, certificados pelo CNPq. E-mail: liliamchris@hotmail.com

Vera Helena Gomes Wielewicki, UEM

Vera Helena Gomes Wielewicki é mestre em Letras – Inglês e Literatura Correspondente pela UFSC, doutora e pós doutora em Letras – Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela USP. Docente associado na Universidade Estadual de Maringá, atua como professora no Departamento de Letras Modernas, no curso de Graduação em Letras – Inglês , licenciatura e bacharelado em   tradução. É professora permanente no Programa de Pós-graduação em Letras da mesma instituição. Faz parte do Grupo de Pesquisa “Projeto Nacional de Letramentos: Linguagem, Cultura, Educação e Tecnologia – USP” e coordena o Projeto de Pesquisa institucional “Literatura e multiletramentos: diferentes epistemologias para uma proposta de educação pluralista – UEM”, certificados pelo CNPq. Suas áreas de interesse são multiletramentos, educação inclusiva, literatura e ensino. E-mail: vhgwielewicki@gmail.com

Referências

BERMAN, A. A tradução e a letras ou o albergue do longínquo. Tradução de Marie-Hélene C. Torres, Mauri Furlan e Andreia Guerini. Florianópolis: Copiart Editora, 1999.

BRZOZOWSKI, J. A teoria da tradução dentro do sistema das ciências humanas. Claritas, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 85-102, 2006.

CAMPOS, H. Da transcriacão: poética e semiótica da operação tradutora. Belo Horizonte: Viva Voz, 2011.

DERRIDA, J. Posições: Jacques Derrida. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

DERRIDA, J. A estrutura, o signo e o jogo no discurso das ciências humanas. Tradução de Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. In: DERRIDA, J. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2002.

DERRIDA, J. Torres de Babel. Tradução de Junia Barreto. Minas Gerais: Ed. da UFMG, 2005.

DERRIDA, J. O que é uma tradução “relevante”? Alfa, São Paulo, v. 44, p. 13-44, 2000.

ESTEVES, L. M. R. Atos de tradução: éticas, intervenções, mediações. São Paulo, Humanitas, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Saberes Necessários à Prática Educativa. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GEERTZ, C. Nova luz sobre a antropologia. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

HERMANS, T. Translation’s other: Inaugural Lecture. London: University College London, 1996.

JAKOBSON, R. Aspectos linguísticos da tradução. In: JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1995. p. 63-72.

KALANTZIS, M.; COPE, B. Literacies. Cambridge: Cambridge University Press, 2012. https://doi.org/10.1017/CBO9781139196581

LANHAM, R. A. Digital literacy. Scientific American, v. 273, n. 3, p. 160-161, 1995. https://doi.org/10.1038/scientificamerican1095-160

LANKSHEAR, C., KNOBEL, M. New literacies: everyday practices and classroom learning. New York: Open University Press, 2006.

PYM, A. Why translation studies should learn to be homeless. Tradução e multidisciplinaridade. Rio de Janeiro: Ed. Lucerna, 1999. p. 35-51.

RODRIGUES, C. C. Tradução e diferença. São Paulo: Ed. da UNESP, 2000.

SANTOS, B. S. Do pós-moderno ao pós-colonial. E para além de um e de outro. Travessias, Coimbra, n. 6-7, p. 15-36, 2008.

TRIGOS-CARRILLO, L.; ROGERS, R. Latin American Influences on Multiliteracies: From Epistemological Diversity to Cognitive Justice. Literacy Research: Theory, Method, and Practice, v. 66, n. 1, 373-388, 2017. https://doi.org/10.1177/2381336917718500

VERMEER, H. Esboço de uma teoria da tradução. Lisboa: ASA, 1986.

Downloads

Publicado

2019-10-23

Como Citar

MARINS, L. C.; GOMES WIELEWICKI, V. H. (Des)alinhavando a(o)s ponta(o)s de contato epistemológicos entre os estudos da tradução e dos letramentos na pós-modernidade. Letras & Letras, [S. l.], v. 35, n. especial, p. 246–260, 2019. DOI: 10.14393/LL63-v35nEsp2019-12. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49388. Acesso em: 26 nov. 2022.