Thinking (and doing) otherwise com a língua dos hermanos

O Espanhol na pesquisa e nas políticas linguísticas do Brasil

Autores

  • Marcia Paraquett Universidade Federal da Bahia e CNPQ

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v35nEsp2019-6

Palavras-chave:

Espanhol, Interculturalidade, Imigração, Afro-hispânicos

Resumo

Pensar (e fazer) de outro modo foi sempre a opção que tivemos os pesquisadores que se dedicam à Língua Espanhola no Brasil, porque essa língua não ocupa lugar de prestígio no cenário acadêmico, apesar de ser a língua oficial majoritária da América Latina. Ademais, a Língua Espanhola tem uma representação de ser língua de brancos, quando também é expressão de povos indígenas e negros. Dessa forma, o artigo problematiza a representação de discursos e de ações que estejam no Norte ou no Sul, entendidos como espaços de poder que nomeiam pessoas e línguas, mas fecha a discussão afirmando que o Espanhol não é uma língua homogênea nem hegemônica. A Interculturalidade é a base epistemológica da discussão, mas da maneira como está sendo debatida em espaços literalmente do Sul, subsidiando pesquisas em Linguística Aplicada que se afinem com projetos decoloniais. Para dar visibilidade à proposta, o artigo apresenta alguns resultados de pesquisas interculturais, que tomam como referência dois aspectos que comprovam a forma de pensar (e fazer) de outro modo: o Espanhol como língua de imigrantes e de pessoas negras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBAN, M. D. R. S. Ser galego na Bahia: ontem e hoje. In: ALBAN, M. D. R. S. Língua e Imigração Galegas na América Latina. Salvador: EDUFBA, 1998. v. 1, p. 235-246.

AULA INAUGURAL. El pueblo gitano y la educación. Revista Bimestral de la Asociación Secretariado General Gitano, n. 7/8, p. 1-9, dez. 2000. Disponível em: http://www.aulaintercultural.org/print.php3?id_article=237. Acesso em: 10 abr. 2019.

BRASIL. Lei 10.639. Estabelece a obrigatoriedade do Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ministério da Educação: Brasília, 2003.

BRASIL. Resolução CNE 02/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial e continuada de professores. Ministério da Educação: Brasília, 2015.

CANDAU, V. M. Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009

CANEN, A.; CANEN, A. Rompendo fronteiras curriculares: o multiculturalismo na educação e outros campos do saber. Currículo sem Fronteiras, v. 5, n. 2, p. 40-49, jul.-dez. 2005.

CUSICANQUI, S R. Violencia (re)encubiertas en Bolivia. [s.l.]: Editor La Mirada Salvaje, 2012.

FERREIRA, A de J. Letramento racial crítico através de narrativas autobiográficas: com atividades reflexivas. Ponta Grossa, PR: Editora Estúdio Texto, 2015.

FERREIRA, D. V. O Espanhol e a Afrolatinidade: “senderos de la diáspora negra”. 2016. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) –Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

GARCIA MARTÍNEZ, A.; SÁNCHEZ LÁZARO, M. A. Retorno a las bases de la exclusión: las diferencias raciales como pretexto. (La comunicación y el aprendizaje de las supuestas diferencias raciales). Nómadas. Revista Crítica de Ciencias Sociales y Jurídicas, v. 35, n. 3, p. 159-178, 2013. http://dx.doi.org/10.5209/rev_NOMA.2012.v35.n3.42200

HALL, S.. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A 2004

MIGNOLO, W. Histórias locais/saberes globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2003

NASCIMENTO M. A. do. Imigração venezuelana no Brasil como tema para o ensino de espanhol. Relatório Final do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

OGANDO L. T. M. M. Relatório Final do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

OLIVEIRA, G. L. B. A representação da identidade negra no livro didático de Espanhol do Ensino Fundamental II. 2017. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

PARAQUETT, M. A América Latina e materiais didáticos de espanhol como língua estrangeira. In: SCHEYERL, D; SIQUEIRA, S. Materiais didáticos de língua estrangeira: contestações e proposições. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 379-404.

PARAQUETT, M. A língua espanhola e a linguística aplicada no Brasil. In: Abehache, Revista da Associação Brasileira de Hispanistas, ano 2, n. 2, p. 225-239, 2012.

PARAQUETT, M. A mesma água que glorifica, mata: representações do mar como espaço de glória e de morte. In: ATAÍDE, C. (Org.). Gelne 40. Vivências teóricas e práticas nas pesquisas em Linguística e Literatura. São Paulo: Pá de Palavra, 2018b. v. 2, cap. 7, p. 104-112.

PARAQUETT, M. Epistemologia da Interculturalidade e a Formação Inicial de Professores: o caso de imigrantes latino-americanos. Revista Línguas & Letras, v. 19, n. 44, p. 25/39, 2018a. https://doi.org/10.5935/1981-4755.20180023

PARAQUETT, M. Perspectivas interculturais e relações internacionais na aprendizagem de Espanhol. In: BARBOSA, M.; MORAIS, C. F.; VIDAL, M. E. B. (Org.). Teorias de linguagens: pesquisa e ensino. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2017. p. 151-167.

PARAQUETT, M. Projetos e ações na formação de professores de Espanhol. In: LIMA, L. M. (Org.). A (in)visibilidade da América Latina na formação do professor de Espanhol. Campinas, SP: Pontes Editores, 2014. p. 127-140.

PARAQUETT, M. Uma integração interdisciplinar: artes plásticas e ensino de línguas estrangeiras. In: MOTA, K.; SCHEYERL, D. Recortes Interculturais na Sala de Aula de Línguas Estrangeiras. Salvador: EDUFBA, 2004. p.193-220.

PATRICIO NETO, A. M. Imigração venezuelana no Brasil como tema para o ensino de espanhol. Relatório Final do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

PEDRAZA, F. del R. La representación de los gitanos en la prensa española. Historia Actual Online (HAOL), n. 26, p. 191-202, outono 2011.

PIZARRO, A. El sur y los trópicos. Ensayos de cultura latinoamericana. Murcia/ES: Compobell, 2004.

SANTOS, B. Descolonizar el saber. Reinventar el poder. Montevideo: TRILCE, 2010

SILVA, T. T. da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T.T. (Org.). Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOUZA, J. da S. Identidades negras no livro didático de Espanhol. 2016. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

WALSH, C. Interculturalidad y colonialidad del poder. Un pensamiento y posicionamiento otro desde la diferencia colonial. In: WALSH, C.; GARCÍA LINERA, A.; MIGNOLO, W. Interculturalidad, descolonización del estado y del conocimiento. Buenos Aires: Del Signo, 2006. p. 21-70.

Downloads

Publicado

2019-10-23

Como Citar

PARAQUETT, M. Thinking (and doing) otherwise com a língua dos hermanos: O Espanhol na pesquisa e nas políticas linguísticas do Brasil. Letras & Letras, [S. l.], v. 35, n. especial, p. 109–136, 2019. DOI: 10.14393/LL63-v35nEsp2019-6. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/48988. Acesso em: 5 dez. 2022.