Semântica de Frames e tradução: um estudo da equivalência de tradução de termos culturalmente marcados

Autores

  • Anderson Bertoldi Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada Universidade do Vale do Rio dos Sinos

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v32n1a2016-8

Palavras-chave:

Marcadores culturais, Equivalência de tradução, Linguística Aplicada

Resumo

Este artigo discute a equivalência de tradução de termos culturalmente marcados sob o viés da Semântica de Frames. Os termos culturalmente marcados, também chamados de marcadores culturais na literatura dos Estudos de Tradução, causam dificuldades aos tradutores devido à falta de um equivalente na língua para a qual a tradução está sendo realizada. Para investigar a equivalência de tradução desses termos, foram selecionados na obra Casa-grande & senzala, de Gilberto Freyre, termos relacionados à estrutura escravocrata da produção açucareira, como senzala, casa-grande, engenho e senhor de engenho, e comparados com os equivalentes de tradução da versão em inglês, The master and the slaves. A metodologia deste trabalho seguiu os princípios da Linguística de corpus. Os textos foram digitalizados, manualmente corrigidos e alinhados com ferramentas de gerenciamento de corpora eletrônicos. Os resultados observados sugerem que a tradução de termos culturalmente marcados se dá por meio de empréstimos interculturais de estruturas conceptuais, que neste trabalho são chamadas de frames semânticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-08-21

Como Citar

BERTOLDI, A. Semântica de Frames e tradução: um estudo da equivalência de tradução de termos culturalmente marcados. Letras & Letras, [S. l.], v. 32, n. 1, p. 149–169, 2016. DOI: 10.14393/LL63-v32n1a2016-8. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/33045. Acesso em: 24 maio. 2022.