Programas Sociais

o processo de nominalização em uma perspectiva articulatório-enunciativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL45-v15n1a2021-4

Palavras-chave:

Formação Nominal, Processo articulatório, Programas Sociais, Semântica da Enunciação

Resumo

O presente artigo teve por finalidade analisar as nomeações de Programas Sociais realizadas por meio de formações nominais (FN), a fim de verificar como tais formações se constituem interna e externamente e, uma vez constituídas, em qual(is) domínio(s) discursivo(s) elas se ancoram, ou seja, quais traços histórico-sociais atuam na enunciação dessas formas. Para tanto, nosso trabalho ancorou-se nos pressupostos teóricos estabelecidos pela Semântica da Enunciação. Nessa direção, tomamos como objeto específico de análise as nomeações dos Programas Amigos da Escola; Bolsa Família; Ciência sem Fronteiras; Fome Zero e Minha Casa, Minha Vida. De posse dessas FNs, analisamos como se manifesta o processo articulatório entre os nomes-núcleos e os determinantes, enquanto elementos de perspectivação. Como resultado de nossa análise, constatamos que as FNs em observação se articulam de forma sub e internominal, conforme postulados de Dias (2018). Além disso, observamos, também, que a significação dos elementos das formações nominais ocorre em “bloco”, não isoladamente, tampouco somente por um processo de composicionalidade. Dito de outro modo: a construção dos efeitos de sentido desses elementos é, antes de tudo, social, histórica e, portanto, enunciativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edna Silveira, Universidade Federal de São João del-Rei

Mestra em Letras (UFSJ).

Luciani Dalmaschio , Universidade Federal de São João-del Rei

Doutora em Letras (UFMG). Professora Adjunta da UFSJ.

Referências

BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral II. Campinas: Pontes, 2. ed., 2006.

BRASIL. Lei nº 11.977, de julho de 2009. Dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida – PMCMV e a regularização fundiária de assentamentos localizados em áreas urbanas. Planalto: 2009a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20072010/2009/lei/l11977.htm. Acesso em: 01 jun. 2018.

CEGALLA, D. P. Dicionário escolar da língua português. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005.

CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48. ed. revisada. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

CHIERCHIA, G. Semântica. Campinas: UNICAMP/ EDUEL, 2003.

DALMASCHIO, L.; LACERDA, P. B. G.; DIAS, L. F. Nomeações da Copa do Mundo no Brasil: Enunciação e Direções Argumentativas. Revista da Anpoll. nº 39, p. 49-61, Florianópolis, jul./ago. 2015. DOI https://doi.org/10.18309/anp.v1i39.918

DIAS, L. F. Os sentidos da liberdade no mundo wiki. In: SCHONS, C. R.; CAZARIN, E. A. (org.) Língua, escola e mídia – en(tre)laçando teorias, conceitos e metodologias. Passo Fundo: Editora Universitária de Passo Fundo, 2011, p. 272-287.

DIAS, L. F. O adjetivo na formação nominal: uma abordagem enunciativa. Web Revista Discursividade, Campo Grande, v. 9, p. 1-10, 2012.

DIAS, L. F. Formações nominais designativas da língua do Brasil: uma abordagem enunciativa. Letras, Santa Maria, v. 23, n. 46, p. 11-22, jan./jun. 2013a. DOI https://doi.org/10.5902/2176148511723

DIAS, L. F. Pertinência enunciativa e sustentação referencial: nos limites do sintático e do semântico. Desenredo, Passo Fundo, v. 9, n. 2, p. 389-398, 2013b. DOI https://doi.org/10.5335/rdes.v9i2.3855

DIAS, L. F. A "linguagem cidadã" em questão: uma abordagem enunciativa. In: BRESSANIN, J. A.; ZATTAR, N.; KARIM, T. M.; DI RENZO, A. M. (org.). Linguagem e interpretação: a institucionalização dos dizeres na história. Campinas: Editora RG, 2013c. p. 211-222.

DIAS, L. F. Enunciação e relações linguísticas. Campinas: Pontes, 2018.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento. Campinas: Pontes, 4. ed., 2017.

GUIMARÃES, E. Semântica Enunciação e Sentido. Campinas: Pontes, 2018.

GUIMARÃES, I. C. T. O conceito de substantivo em uma perspectiva enunciativa. In: DIAS, L. F.; LACERDA, P. B. G.; DALMASCHIO, L. Enunciação e Materialidade Linguística. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2015.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

ROJO, R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagem na escola. In: ROJO, R.; MOURA, E. (org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012. p. 11-31.

Publicado

27.04.2020

Como Citar

SILVEIRA, E.; DALMASCHIO , L. Programas Sociais: o processo de nominalização em uma perspectiva articulatório-enunciativa. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 15, n. 1, p. 101–153, 2020. DOI: 10.14393/DL45-v15n1a2021-4. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/52933. Acesso em: 30 nov. 2022.