Ordem Visográfica - colocando os dicionários de línguas de sinais em ordem

Autores

  • Leandro Andrade Andrade Fernandes Universidade Federal do Tocantins/ docente
  • Mariângela Estelita Barros Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL36-v12n4a2018-19

Palavras-chave:

Dicionário de língua de sinais, Ordem Visográfica, ELiS, Línguas de sinais

Resumo

É comum a utilização de glossários, ou listas de palavras em aulas de Libras (Língua Brasileira de Sinais) como materiais didáticos exclusivos. Além de esse material não ser, a rigor, um livro didático, uma outra questão é mais preocupante e é central neste estudo: a maioria dos dicionários e glossários de línguas de sinais é organizada com entradas em línguas orais, por ordem alfabética dessas línguas. Isso se dá, porque seus autores optam por não utilizarem um sistema de escrita de língua de sinais, ou por utilizarem algum que não permite a ordenação alfabética linear. Nosso objetivo nesse artigo é apresentar uma proposta pioneira de arranjo de entradas em dicionários de línguas de sinais com ordem alfabética linear, a qual denominamos ordem visográfica, por meio do uso do sistema brasileiro de escrita das línguas de sinais, ELiS. Para tanto, baseamo-nos principalmente em Barros (2015) para a identificação dos elementos a serem organizados, e em Welker (2004) para a discussão e a definição de ordem alfabética linear. Como resultado, nesse artigo explicamos os detalhes dessa organização e discutimos seus possíveis impactos para o uso ou aprendizagem de línguas de sinais por surdos ou ouvintes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Andrade Andrade Fernandes, Universidade Federal do Tocantins/ docente

Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Goiás-UFG/Regional Catalão e professor auxiliar de Libras na Universidade Federal do Tocantins - UFT. E-mail: leandroandrade.letras@gmail.com.

Mariângela Estelita Barros, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Linguística, professora na Universidade Federal de Goiás, criadora do sistema brasileiro de escrita das línguas de sinais

Referências

BARBOSA, G. O. A arte de escrever em Libras. 2017. 180f. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC: Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

BARROS, M. E. ELiS – escrita das línguas de sinais: proposta teórica e verificação prática. 2008. 192f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2008.

BARROS, M. E. ELiS – sistema brasileiro de escrita das línguas de sinais. Porto Alegre: Penso, 2015.

BARROS, M. E. Princípios básicos da ELiS. Revista Sinalizar, v.1, n.2, p. 204-210, jul./dez. 2016. Disponível em: www.revistas.ufg.br/revsinal/article/view/38881/22322. Acesso em: 18 dez. 2017.

CAPOVILLA, F. C., RAPHAEL, W. D., MAURICIO, A. C. L. Novo DEIT-Libras: dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da Língua de Sinais Brasileira (Libras) baseado em linguística e neurociências cognitivas. 3. ed. rev. e amp. Vol. I e II. São Paulo: EDUSP, 2013.

FERNANDES, L. A. Bases linguísticas e lexicográficas para a construção de um glossário bilíngue em Libras/ELiS-Português x Português-Libras/ELiS. 2018. 153f. Dissertação (Letras e Linguística), Universidade Federal de Goiás – UFG: Catalão, 2018.

LIRA, G. de A.; SOUZA, T. A. F. Dicionário de Língua Brasileira de Sinais. Versão 3. 2011. Disponível em: www.acessibilidadebrasil.org.br/libras_3/. Acesso em: 27 fev. 2018.

NASCIMENTO, C. B. Terminografia em Língua de Sinais Brasileira: proposta de glossário ilustrado semibilíngue do meio ambiente, em mídia digital. 2016. 222f.. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Brasília: Brasília, 2016.

WELKER, H. A. Dicionários: uma pequena introdução à lexicografia. Brasília: Thesaurus, 2004.

Downloads

Publicado

19-01-2019

Como Citar

ANDRADE FERNANDES, L. A.; BARROS, M. E. Ordem Visográfica - colocando os dicionários de línguas de sinais em ordem. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 4, p. 2440–2465, 2019. DOI: 10.14393/DL36-v12n4a2018-19. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/41435. Acesso em: 16 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)