O movimento identitário dos indígenas

cyberbullying e discurso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL35-v12n3a2018-3

Palavras-chave:

Identidade, Discurso, Cyberbullying, Povos indígenas

Resumo

Este trabalho tem por objetivo identificar e problematizar, por meio da Análise do Discurso de origem francesa (CORACINI, 2007; PÊCHEUX, 1988) e de uma perspectiva discursivo-desconstrutiva e transdisciplinar, representações de/sobre sujeitos indígenas incluídos no mercado de trabalho produzidas na rede social Facebook. Partimos do pressuposto de que os discursos postados por indígenas e brancos acerca do indígena no mercado de trabalho estão a inscrever-se em um novo acontecimento discursivo: o cyberbullying. O corpus desta pesquisa reúne regularidades contidas em um recorte de publicações coletadas on-line (posts ou comentários), que estão/foram divulgadas na mídia Facebook, em 8 de novembro de 2012. O processo analítico se dá pelo método arqueogenealógico (FOUCAULT, 1990; 2007), entendendo que, a partir da materialidade, é possível compreender os sentidos, as regularidades enunciativas, as formações discursivas e os interdiscursos que ecoam na memória discursiva dos dizeres inscritos nesse ambiente virtual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vania Maria Lescano Guerra, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

tem doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP de Araraquara, e Pós-doutorado em Linguística Aplicada pelo IEL, UNICAMP. Atualmente é docente permanente do Programa de Pós-graduação em Letras (mestrado e doutorado) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Três Lagoas, e do Programa de Mestrado em Estudos de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Campo Grande. Coordena o Diretório de grupos de pesquisa no CNPq: "O processo identitário do indígena de Mato Grosso do Sul: análise documental e midiática da luta pela terra" (UFMS).

Fabiana Ferrari, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

raduação em psicologia na Faculdades Adamantinenses Integradas- FAI. Tem experiência na área de Psicologia, (clínica, instituições organizacionais, escolares, sociais). Mestranda pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) em Letras (linguística), área de concentração: Estudos Linguísticos. Atua, especialmente, nos seguintes temas: língua(gens); Análise do Discurso; subjetividade(s); discurso; educação; exclusão e inclusão; cidadania. (Texto informado pelo autor

Referências

AUTHIER-RÉVUZ, J. Palavras incertas: as não coincidências do dizer. Trad. Cláudia R. C. Pfeiffer ET. AL. Campinas: Editora da UNICAMP, 1998.

BARBAI, M A. Palavra que pode ferir: O termo Bullying em dicionários de língua inglesa e na imprensa do Brasil. Revista Signo y Sena, número 27, junio de 2015, p. 89-106. Facultad de Filosofia y Letras (UBA). Disponível em: http://revistas.flo.uba.ar/index.php/sys/index. Acesso em 02 fev. 2017 às 23:00hs.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. Trad. Klaus Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

_______ . O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

CORACINI, M. J. Identidade & discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas: Editora da UNICAMP; Chapecó: Argos e Editora Universitária, 2003.

_______. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

______. Aspectos metodológicos e Análise do Discurso: migrantes em situação de rua, entre a Hos (ti) pitalidade e a anulação de si. In: TFOUNI, L. V.; MONTE-SERRAT, D. M.; CHIARETTI, P. (Orgs). A Análise do Discurso e suas interfaces. São Carlos: Pedro & João, 2011, p. 165-175.

COUTO, E. S. Pedagogias das conexões: compartilhar conhecimentos e construir subjetividades nas redes sociais digitais. In: PORTO, C.; SANTOS, E. (orgs). Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Campina Grande: EDUEPB, 2014, p. 47-65.

DEL PRIORE, M. Uma breve história do Brasil. São Paulo: Planeta do Brasil, 2010.

DERRIDA, J. Da hospitalidade. Trad. de Antonio Romane. São Paulo: Escuta, 2003.

DRUCKER, P. Administração lucrativa. Trad. Adolpho José da Silva. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1968.

FERRARI, F. O indígena no mercado de trabalho: o cyberbullying e a (re)produção das identidades. 2017. 117 f. Dissertação (Mestrado em Letras), Faculdade de Letras, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2017.

FERREIRA, A. B. de H. Minidicionário da língua portuguesa. Coordenação de Edição de Marina Baird Ferreira: equipe de lexicografia, Margarida dos Anjos. 7. ed. Curitiba: Positivo; 2009.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Trad. Maria T. da C. Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

________. A microfísica do poder. Trad. Maria T. Albuquerque, Rio de Janeiro: Graal. 1998 [1979].

________. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: _______. Ética, sexualidade e política. Trad. Eliza Monteiro e Inês B. da Motta. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004, p. 264-287.

________. Método. In: FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, [1969], 2007.

________. A ordem do discurso. 24. ed. Trad. Laura F. Sampaio. São Paulo: Loyola, 2014.

FREUD, S. O ego e o id. Obras Completas. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Trad. Jorge Salomão, v. 19. Rio de Janeiro: Imago. [1929], 1976, p. 170.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SOUSA SANTOS, B.; MENEZES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009, p. 115-147.

GUERRA, V. M. L. Indígenas e identidades: um olhar discursivo sobre a luta pela terra. In: ROSA, Andrea, M; MARQUES, Cintia N.; SOUZA, Claudete C. de; DURIGAN, Marlene (Org.). Povos indígenas: reflexões interdisciplinares. São Carlos: Pedro & João, 2012. p. 43-68.

________. Povos indígenas: Identidade e Exclusão Social. Campo Grande: Editora UFMS, 2015.

HENRY, P. A ferramenta imperfeita - Língua, sujeito e discurso. 2 ed. Trad. Maria Fausta Pereira de Castro. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

KUNZLER, F.; CONTE, B. Pensando a Violência. São Paulo: Escuta, 2005.

LACAN, J. (1972-1973). O Seminário, livro 20: Mais, ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

LEVY, P. O que é o virtual. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: 34, 2001.

MALDONADO, M. T. Bullying e Cyberbullying – O que fazemos com o que fazem conosco? São Paulo: Moderna 2011.

MIGNOLO, W. Histórias locais/ Projetos Globais: Colonialidade, Saberes Subalternos e Pensamento Liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003. 505 p.

NEVES, M. H. de M. Gramática de usos de português. São Paulo: Unesp, 2011.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 1999.

________. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas: Editora Unicamp, 2007.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Editora Unicamp, 1988.

QUIJANO, A. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires Lugar CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales Editorial, 2005.

SIBILIA, P. O Show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003.

SILVA, D. Povos Indígenas: mitos, educação escolar e realidade histórico-cultural. Campo Grande, Editora UFMS, 2010. p. 117-130.

SOUSA SANTOS, B. Epistemologias do Sul. Maria Paula Menezes (orgs). In: _______. Para Além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. São Paulo: Cortez, 2010, p. 31-83.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Almeida, Marcos Feitosa, André Feitosa. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

TODOROV, T. A Conquista da América. A Questão do Outro. 2 ed. Trad. Beatriz Perrone Moi São Paulo: Martins Fontes. 1983.

Downloads

Publicado

21-09-2018

Como Citar

GUERRA, V. M. L.; FERRARI, F. O movimento identitário dos indígenas: cyberbullying e discurso. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 1428–1452, 2018. DOI: 10.14393/DL35-v12n3a2018-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40487. Acesso em: 16 ago. 2022.