Diálogos interculturais

o mal-entendido em uma sala de PLE

Autores

  • Mariana de Camargo Bessa Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL34-v12n2a2018-12

Palavras-chave:

Mal-entendido, Interculturalidade, Português como Língua Estrangeira.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar ocorrências de mal-entendidos observadas em uma sala de aula de Português como Língua Estrangeira em ambiente de imersão. Com base nos conceitos de interculturalidade (BYRAM; GRIBKOVA STARKEY, 2002; CANDAU, 2008), face (GOFFMAN, 1980) e mal-entendido (LODER, 2008; SCHEGLOFF; JEFFERSON; SACKS, 1977), este estudo de cunho qualitativo apresenta transcrições de registros de áudio, analisadas a partir dos princípios da Análise da Conversa Etnometodológica. A partir dos resultados obtidos na análise, conclui-se que essas ocorrências de mal-entendidos e estranhamentos estão relacionadas às interpretações divergentes de uma expressão e de uma situação, e às diferenças culturais entre os estudantes. Assim, é papel do professor transformar tais estranhamentos em momentos de aprendizagem, mediando o diálogo e facilitando a troca organizada de expressões conflitantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana de Camargo Bessa, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestre na área de Linguística e Ensino de Língua pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. Possui graduação em Linguística/Língua Portuguesa pela UFJF. Graduanda do curso de Letras com ênfase em Inglês e suas respectivas literaturas. Tem experiência na área de Português como Língua Estrangeira, com interesse em temas relacionados ao ensino de português como língua estrangeira e português como língua materna, língua inglesa, multiculturalismo, interculturalidade.

Referências

BESSA, M. C. "Somos estrangeiros e isso marca a diferença": olhares sobre cultura em uma sala de PLE. 2017. 156 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017.

BOUSQUET, S. Malentendus en situation d’enseignement/apprendissage. Le cas d’enfants asiatiques. Les Carnets du CEDISCOR. 4. 1996. Disponível online. http://cediscor.revues.org/414. Consultado em 28 de setembro de 2017.

BROWN, P.; LEVINSON, S. Politness: some universals in language usage. Cambridge: Cambridge University Press, 1987. https://doi.org/10.1017/CBO9780511813085

BYRAM, M; GRIBKOVA, B; STARKEY, H. Developing the intercultural dimension in language teaching: a practical introduction for teachers. Modern Languages, Council of Europe: Strasbourg, 2002.

CANAGARAJAH, S. Postmodernism and Intercultural Discourse: World Englishes. In: PAULSTON, C. B.; KIESLING, S. F.; RANGEL, E. S. The Handbook of Intercultural Discourse and Communication. Blackwell Publishing Ltd., 2012, p. 110-130. https://doi.org/10.1002/9781118247273.ch7

CANDAU, V. M. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, RJ, v. 13, n. 37, p. 45-56, jan/abr, 2008. https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000100005

CARNEIRO, M. Relevância e mal-entendido. Veredas: revista de estudos lingüísticos, Juiz de Fora, v. 3, n. 2, p. 63-77, 1999.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: O planejamento da pesquisa qualitativa. Teorias e abordagens. Trad. Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, 2006, p. 15-41.

GAGO, P. C. Questões de transcrição em Análise da Conversa. Veredas, Juiz de Fora, v. 6, n. 2, 2002. p. 89-113.

GARCEZ, P. M.; LODER, L. L. Reparo iniciado e levado a cabo pelo outro na conversa cotidiana em Português do Brasil. Delta, p. 279- 312, 2005.

GOFFMAN, E. Interactional ritual: essays in face-to-face behaviour. England: Penguin Books Ltd, 1967.

______. A elaboração da face: uma análise dos elementos rituais na interação social. Trad. Russo J. In: FIGUEIRA, S. (Org.). Psicanálise e Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980. p. 76-114.

______. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. de Maria Célia S. Raposo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.

GORDON, C. Conversation and interaction. In: MESTHRIE, R. (Ed). The Cambridge handbook of Sociolinguistics. Cambridge: Cambridge University Press, 2011, p. 105- 121. https://doi.org/10.1017/CBO9780511997068.011

GUMPERZ. J. J. Convenções de Contextualização. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. Sociolinguística Interacional. São Paulo: Loyola. [1982] 2002. P. 149-182.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Os atos de Linguagem no Discurso: teoria e funcionamento. Trad.de Fernando A. de Almeida e Irene E. Dias. Niterói: EDUFF, 2005.

_____. Análise da conversação: princípios e métodos. Trad. Carlos Provezani Filho. São Paulo: Parábola, 2006.

LODER, L. L. Noções fundamentais: a organização de reparo. In: LODER, L. L.; JUNG, N. M. Fala-Em-Interação Social: Introdução à Análise da Conversa Etnometodológica. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008, p. 95-126.

SCHEGLOFF, E, A.; JEFFERSON, G.; SACKS, H. The preference for self-correction in the organization of repair in conversation. Language, p. 361-383.

WAITE, J. C. N. A. Mal-entendidos sobre o mal-entendido: interpretações divergentes nas interações entre brasileiros e franceses. 2008. 502 f. Dissertação (Mestrado em Letras). Programa de Pós-Graduação em Letras Neolatinas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

WEISS, D. B. Conversação em aula de Português para estrangeiros. 2007. 232 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2007.

Downloads

Publicado

29-06-2018

Como Citar

BESSA, M. de C. Diálogos interculturais: o mal-entendido em uma sala de PLE. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 1021–1042, 2018. DOI: 10.14393/DL34-v12n2a2018-12. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40364. Acesso em: 20 maio. 2022.