METODOLOGIA PARA O MAPEAMENTO DE SOLOS NA ESCALA 1:100.000 USANDO TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO

Conteúdo do artigo principal

Rafael Rodrigues da Silva
Ana Lúcia Bezerra Candeias
José Coelho de Araújo Filho

Resumo

A execução de mapeamento de solos no todo o território nacional é uma demanda permanente das instituições na busca de informações do meio físico para o planejamento da ocupação racional das terras. Desta forma, tem-se buscado novos métodos que tornem estes mapeamentos mais rápidos e menos onerosos. Quanto mais detalhada a escala de trabalho, mais se intensifica o número de exames no campo e, por conseguinte, utiliza-se mais tempo e aumenta-se o custo para execução dos trabalhos de mapeamento de solos. Este trabalho apresenta procedimentos metodológicos para o mapeamento de solos na escala 1:100.000 usando tecnologias da geoinformação para minimizar custos e otimizar o levantamento no campo. Essas informações foram sistematizadas e muitas etapas do mapeamento foram esboçadas e resolvidas ainda no escritório. Com essa estratégia de trabalho, foi possível minimizar as atividades de campo e ao mesmo tempo melhorar a qualidade do produto final cartográfico/pedológico. Como resultados foi obtido um novo mapa de solos na área de estudo no Município do Petrolândia na escala 1:100.000 com um melhor detalhamento do que o mapa disponível na mesma escala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
DA SILVA, R. R.; CANDEIAS, A. L. B.; DE ARAÚJO FILHO, J. C. METODOLOGIA PARA O MAPEAMENTO DE SOLOS NA ESCALA 1:100.000 USANDO TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 67, n. 1, 2015. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/44722. Acesso em: 29 maio. 2022.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Rafael Rodrigues da Silva, Programa Pós-Graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologia da Geoinformação

em experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fertilidade do Solo e Adubação, geoprocessamento e Zoneamento Agrícola.

Ana Lúcia Bezerra Candeias, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

possui graduação em Engenharia Elétrica Modalidade Eletrônica pela Universidade Federal de Pernambuco (1987), mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1992) e doutorado em Computação Aplicada com ênfase em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1997). Atualmente é professor adjunto III da Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência em Sensoriamento Remoto, Geoprocessamento e na área de Ciência da Computação, com ênfase em Processamento de Imagens (Processamento Gráfico - Graphics), atuando principalmente nos seguintes temas: processamento digital de imagens, sensoriamento remoto, geoprocessamento, cartografia, e realidade virtual.

José Coelho de Araújo Filho, 2Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA EMBRAPA

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1983); Mestrado em Agronomia - Ciência do Solo pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1992); Doutorado em Ciências - área de concentração: Geoquímica e Geotectônica - pela Universidade de São Paulo (2003); e Pós-Doutorado pela Universidade Técnica de Berlim - Alemanha (2009). Atualmente é revisor da - Revista Brasileira de Ciência do Solo e pesquisador em ciência do solo (Pedologia) na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Gênese, Morfologia e Classificação dos Solos, atuando principalmente nos seguintes temas: Zoneamento agroecológicos, levantamento de solos, diagnóstico ambiental e classificação de terra para irrigação. Tem realizado pesquisas na área de cimentações pedogenéticas no Ambiente dos Tabuleiros Costeiros e na Depressão Sertaneja.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>