Letras móveis na alfabetização

percepções docentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2024v26.n.2.73325

Palavras-chave:

Letras móveis, Alfabeto móvel, Alfabetização, Recursos didáticos

Resumo

Este artigo apresenta parte dos resultados de uma pesquisa de mestrado que buscou refletir sobre o uso de letras móveis em turmas de alfabetização, a partir da análise do discurso das professoras e da observação das práticas com esse recurso em turmas de 1º ano do Ensino Fundamental. Neste artigo serão apresentadas análises referentes ao conteúdo das entrevistas realizadas com professoras da rede pública de ensino de Belo Horizonte. A análise das falas das docentes revelaram:  (i)  as motivações para o uso de letras móveis em  sala de aula  de aula;  (ii) reflexões sobre as diferenças na escrita com letras móveis e escrita no papel; (iii) uma variedade de  possibilidades de uso de letras móveis em sala de aula, elencando aspectos referentes à materialidade, à frequência de uso e  à variedade das propostas didáticas com esse recurso; e ainda, (iv) os desafios no uso de letras móveis em sala de aula, que perpassam questões que envolvem o acesso ao material, as tensões na gestão da atividade em sala de aula e dificuldades de realização de um planejamento significativo que equilibre as funções lúdicas e didáticas no uso desse recurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Edijane Pereira de. A fabricação das práticas de ensino na alfabetização e o uso dos recursos didáticos: rotina, atividades, planejamento e princípios norteadores. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2017.

ARAÚJO, Liane Castro de. A dimensão material da ação e formação de alfabetizadores. Rio de Janeiro: Revista Contemporânea de Educação, v. 13, n. 27, maio/ago, 2018. DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v13i26.16617

EITERER, Carmem Lúcia; MEDEIROS, Zulmira. Recursos pedagógicos. In: OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.M.C.; VIEIRA, L.M.F. Dicionário GESTRADO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. Disponível em: < https://gestrado.net.br/verbetes/recursos-pedag-gicos/>. Acesso em: 27/07/22.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Análise de Conteúdo. Campinas: Autores Associados, 2018.

GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

JARDIM, Juliana Mendes Oliveira. Relatos e reflexões de uma alfabetizadora sobre sua prática: trabalho colaborativo e heterogeneidade. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2018.

LEAL, Telma Ferraz; SILVA, Alexandro. (Orgs.). Recursos didáticos e ensino da língua portuguesa: computadores, livros...e muito mais. Curitiba: CRV, 2011. DOI: https://doi.org/10.24824/978856248079.9

MACÊDO, Andressa Camargos. A mediação pedagógica na Escrita Inventada e o uso das letras móveis com crianças de cinco anos. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

MESSIAS, Carla; DOLZ, Joaquim. As noções de gestos e de agir didático para a formação de professores de línguas: interfaces do trabalho docente. São Paulo: CadernosCenpec, v. 5, nº1, 2015. DOI: https://doi.org/10.18676/cadernoscenpec.v5i1.319

MONTESSORI, Maria (1948). A descoberta da criança: pedagogia científica. – Campinas: Kírion, 2017.

MONTUANI, Daniela Freitas Brito e DUTRA, Natália Marcelino. Os usos das letras móveis em um Programa de Escrita Inventada com crianças de cinco anos. In: MONTUANI, Daniela Freitas Brito et al. Grupo de Pesquisa em Alfabetização e o Programa de Escrita Inventada. Belo Horizonte: UFMG/FaE/Ceale, 2021.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, v. 22, n. 37, Porto Alegre, 1999.

MORAIS, Artur Gomes de; LEITE, Tânia Maria Rios. Como promover o desenvolvimento das habilidades de reflexão fonológica dos alfabetizandos? In: MORAIS, Artur Gomes; ALBUQUERQUE, Eliana Borges; LEAL, Telma Ferraz (org.) Alfabetização: apropriação do sistema de escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

MORAIS, Artur Gomes de. Sistema de escrita alfabética. Como eu ensino. São Paulo: Melhoramentos Ltda., 2012.

MORAIS, Artur Gomes de. Consciência Fonológica na Educação Infantil e no Ciclo de Alfabetização. 1° Ed., Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2019.

NETO, Paula Faustino. A percepção de docentes sobre o processo de ensino aprendizagem dos alunos do 1º e 2º anos do ensino fundamental: proposições pedagógicas significativas. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) – Universidade Metropolitana de Santos, São Paulo, 2019.

PAIVA, Maria Aparecida Ferreira de. Escolarização da criança com TEA a partir do uso do alfabeto móvel organizado. Dissertação (Mestrado em Docência para Educação Básica) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru, 2019.

SOARES, Magda Becker. Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo: Contexto, 2020.

STARLING, Cláudia. Recursos Pedagógicos. In: Letra A – O jornal do alfabetizador. Dicionário da Alfabetização, ano 12, nº 46, p. 3. CEALE, Belo Horizonte, mai/ jun, 2016.

VYGOTSKY, Lev Semenovivh. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2024-07-10

Como Citar

MIRANDA, M.; MONTUANI, D. Letras móveis na alfabetização: percepções docentes. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 26, n. 2, p. 1–21, 2024. DOI: 10.14393/OT2024v26.n.2.73325. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/73325. Acesso em: 21 jul. 2024.