Composteira de história

Literatura em compostagem semiótica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v39-2023-15

Palavras-chave:

Literatura, Ecologia, Cultivo, Modos de viver, Encantamento

Resumo

Baseado no Chthuluceno proposto por Donna Haraway (2016, 2022), que chama atenção para a reflexão sobre recuperação ecológica, o objetivo deste artigo é apresentar uma composteira de história pela reescrita da relação humano e não-humano. A compostagem de histórias usa a ideia de material semiótico do Chthuluceno para investigar a coexistência de humanos, bruxas imaginadas e não-humanos por meio de diferentes linguagens e modos de viver, como, por exemplo, a poesia de Ní Chuilleanáin, a voz de Elza Soares, Medeia, a narrativa sobre as plantas, de Coccia (2018), o saber de Mãe Stella de Ọ̀ṣọ́si. A composteira materializada em artigo contribui para a prática e disseminação da sociobiodiversidade porque a literatura em compostagem borra fronteiras em favor da experiência decolonial com formas vivas várias. Desse modo, a compostagem de histórias oferece algumas percepções sobre nossa relação com a heterogeneidade e questiona nosso entendimento sobre o significado de “humano”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geisa Mueller, Bolsista CNPq/UFPR

Geisa Mueller é doutora em Letras (UFPR, 2019), professora convidada em cursos de pós-graduação de instituições privadas, empreendedora de projetos artístico-culturais e autora de material didático. Realiza pesquisa de pós-doutorado como bolsista CNPq (UFPR, 2023) por meio do projeto “Folha-se: fazer parentes com saberes sensíveis”. Autora de José de Alencar em obra: recepção crítica e diálogos teóricos (InterSaberes, 2022), do capítulo “Bordado e sedição em Semíramis, de Ana Miranda” (Ed. UEPG, 2022) e do artigo “Revisitando Orides Fontela: uma leitura ecocrítica” (Scripta Uniandrade, 2022).

Referências

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. Tradução: Jaime Bruna. 6. ed. São Paulo: Cultrix, 1995.

BUARQUE, C.; PONTES, P. Gota d’água. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

BRITISH MUSEUM. Hydria – Greek pottery collection. Disponível em: https://www.britishmuseum.org/collection/object/G_1867-0508-1048. Acesso em: 08 jul. 2023.

CARMO F. F. et al. Cangas: ilhas de ferro estratégias para conservação. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, n. 295, p. 48-53, ago. 2012. Disponível em: https://cienciahoje.org.br/artigo/ilhas-de-ferro-estrategicas-para-a-conservacao/. Acesso em: 08 jul. 2023.

CARMO F. F.; JACOBI, C. M. A vegetação de canga no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais: caracterização e contexto fitogeográfico. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 64, n. 3, p. 527-541, jul./set. 2013. DOI: 10.1590/S2175-78602013000300005.

CENTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA FLORA (CNCFlora). Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Lista Vermelha da Flora Brasileira. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Vriesea%20minarum. Acesso em: 08 jul. 2023.

COCCIA, E. A vida das plantas: uma metafísica da mistura. Tradução: Fernando Scheibe. Florianópolis, SC: Cultura e Barbárie, 2018.

EURÍPIDES. Medeia; Hipólito; As Troianas. Tradução: Mário da Gama Kury. 6. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

HARAWAY, D. J. Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno: fazendo parentes. 2016a. Tradução: Ana Godoy, Mara Verônica e Susana Dias. ClimaCom, ano 3, n. 5, p. 139-146, abr. 2016a. . Disponível em: http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/antropoceno-capitaloceno-plantationoceno-chthuluceno-fazendo-parentes/. Acesso em: 09 jul. 2023.

HARAWAY, D. J. Staying with the Trouble: Making Kin in the Chthulucene. Durham: Duke University Press, 2016b. https://doi.org/10.1215/9780822373780

HARAWAY, D. J. Ficar com o problema: Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno. In: MOORE, J. Antropoceno ou Capitaloceno? – Natureza, história e a crise do capitalismo. Tradução: Antônio Xerxenesky e Fernando Silva e Silva. São Paulo: Elefante, 2022. p. 67-125.

LE GUIN, U. K. Teoria da bolsa da ficção. Tradução: Luciana Chieregati e Vivian Chieregati. São Paulo: N-1, 2021.

LIMA, J. S.; SANTOS, E. L.; DELLA, A. P. Caracterização morfológica e ecologia de Briófitas. In: CHAN, A. K. et al. (org.). Botânica no inverno 2022. São Paulo: Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, 2022. p. 5-13. Disponível em: https://botanicanoinverno.ib.usp.br/material-did%C3%A1tico. Acesso em: 09 jul. 2023.

MARÇAL, J. In: ALEGRE, L. Releitura da peça de Chico Buarque destaca condição do negro. Jornal da USP, São Paulo, 08 fev. 2019. Disponível em: https://jornal.usp.br/cultura/releitura-de-peca-de-chico-buarque-destaca-condicao-do-negro/. Acesso em: 09 jul. 2023.

MEDEA. Direção: Lars von Trier. Dinamarca: Danmarks Radio, 1988. 1 Filme (75 min), produzido para a TV.

NÍ CHUILLEANÁIN, E. Hábitos do musgo. Tradução e organização: Luci Collin. Curitiba, PR: Kafka, 2010.

RUIZ, T. Banho. Intérprete: Elza Soares. In: SOARES, E. Deus é Mulher. Rio de Janeiro: Deckdisc; Polysom, 2018. Música eletrônica. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Kw9ke8zt7XA. Acesso em: 08 jul. 2023.

SANTOS, M. S. de A.; PEIXOTO, G. D. O que as folhas cantam – para quem as folhas cantam. Brasília: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa, 2014.

SOARES, E. Deus é Mulher. Rio de Janeiro: Deckdisc; Polysom, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Kw9ke8zt7XA. Acesso em: 08 jul. 2023.

Downloads

Publicado

2023-12-12

Como Citar

MUELLER, G. Composteira de história: Literatura em compostagem semiótica. Letras & Letras, Uberlândia, v. 39, n. único, p. e3915 | p. 1–16, 2023. DOI: 10.14393/LL63-v39-2023-15. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/70130. Acesso em: 14 jul. 2024.