A luta dos povos originários por reconhecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n1-2020-15

Palavras-chave:

Direitos civis, Internacionalização do reconhecimento, Luta por reconhecimento, Povos originários, Racismo ambiental

Resumo

O reconhecimento social e jurídico de direitos e garantias é parte do processo de avanço civilizatório das sociedades contemporâneas e uma forma de combater as desigualdades sociais. A principal estratégia adotada pelos agentes coletivos que buscam a sua afirmação é a construção de estratégias discursivas na esfera pública, o que inclui a articulação identitária de grupos subalternizados na narrativa histórica de seus países. A luta por reconhecimento dos povos originários faz parte deste processo de luta discursiva, com ênfase na proteção da sua cultura e território. Submetidos a um modelo de organização social excludente desde o início da colonização, desde meados da década de 1970 passaram a ter seus direitos reconhecidos formalmente no universo jurídico, em especial pela aproximação do discurso ambientalista e pela internacionalização das suas pautas. Entretanto, a predominância de práticas de racismo ambiental ainda prejudica o avanço material deste reconhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro Ari Andrade de Miranda, Universidade Federal de Pelotas

Advogado, Mestre em Ciências Sociais e Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Integrante do Grupo de Pesquisas em Processos Participativos na Administração Pública da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Michele Neves Meneses, Prefeitura do Rio Grande

Enfermeira e Educadora Popular, Servidora do Município de Rio Grande/RS, Mestre em Educação e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Membro da Associação Nacional de Movimentos e Práticas de Educação Popular em Saúde.

Referências

ADITAL, Agência de Comunicação. Por Conta de Três Taquaras, Procurador Alexandre Collares Denúncia Cinco Avá-Guarani à Justiça Federal. São Leopoldo, Instituto Humanitas UNISINOS, 29 mar. 2019. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/587936-por-conta-de-tres-taquaras-procurador-alexandre-collares-barbosa-denuncia-cinco-ava-guarani-a-justica-federal. Acesso em: 24 set. 2019.

ALIER, Joan Martínez. O ecologismo dos pobres. Trad. de Maurício Weidman. São Paulo: Editora Contexto, 2017.

CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo César da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (Org.). Brasil: questões atuais da reorganização do território. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1996.

DIEGUES, Antônio Carlos Santana. Mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Editora Hucitec, 2001.

FRY, Peter. O que a Cinderela negra tem a dizer sobre a política racial no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 28, p. 122-135, dez./fev. 1996. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i28p122-135.

HEEMANN, Thimotie Aragon. Por uma releitura do direito dos povos indígenas: do integracionismo ao interculturalismo. Revista de Doutrina e Jusrisprudência, Brasília, v. 109, n. 1, p. 05-18, jul.-dez. 2017.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Trad. de Luiz Repa. São Paulo: Editora 34, 2003.

MATOS, Patrícia. O reconhecimento, entre a justiça e a igualdade. Lua Nova, São Paulo, n. 64, p. 143-161, 2004. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-64452004000300006.

OLIVEIRA, Osmarina de. Do Bambu ao Macaco: análise da violência contra as práticas ancestrais Guarani na contemporaneidade. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, Jaguarão, ed. esp. 05, p. 01-15, mai. 2019. Disponível em: http://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1597 . Acesso: 24 set. 2019.

PIERSON, Donald. Brancos e pretos na Bahia. São Paulo: Editora Nacional, 1971.

Downloads

Publicado

2020-06-29

Como Citar

ANDRADE DE MIRANDA, S. A.; NEVES MENESES, M. A luta dos povos originários por reconhecimento. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 277–296, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n1-2020-15. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/50796. Acesso em: 28 maio. 2022.