Vida judaica em tempos de ditadura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n2-2020-11

Palavras-chave:

Refugiados, Imigração judaica, Antissemitismo na Era Vargas, “Polacas”, Ficção judaico-brasileira

Resumo

Em Traduzindo Hannah, de Ronaldo Wrobel, a ação se ambienta no governo ditatorial de Getúlio Vargas, com sua obsessão por estabelecer vigilância estrita sobre todos os atos da população, inclusive a troca de correspondências, principalmente em língua estrangeira, em busca de mensagens cifradas. Para isso, é necessário convocar um especialista em ídiche. A leitura das cartas trocadas entre as irmãs Hannah e Guita leva o protagonista, ele mesmo imigrante fugido das péssimas condições impostas pela Polônia aos judeus, a aprofundar-se nas relações entre os membros da comunidade judaica do Rio de Janeiro. O artigo aborda o fluxo migratório de judeus da Europa para o Brasil nos anos 1920 e 1930, o clima de antissemitismo vigente durante a Era Vargas, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, e seus efeitos sobre a vida judaica, tais como as dificuldades criadas para a liberdade feminina, como o tráfico de escravas brancas, as “polacas”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saul Kirschbaum, Pesquisador independente

Doutor em Letras pela FFLCH/USP, Programa de pós-graduação em Língua Hebraica, Literatura e Cultura Judaicas; pós-doutorado pela UNICAMP. Pesquisador independente. Interesses de pesquisa: estudos judaicos. Autor de Viagens de um caminhante solitário: ética e estética na obra de Samuel Rawet (São Paulo: Humanitas, 2011) e Presença judaica na Idade Média ibérica: a poesia laica e o idioma hebraico (São Paulo: Targumim, 2008), entre outros livros e artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais indexados

Referências

CARNEIRO, M. L. T. O anti-semitismo na Era Vargas: fantasmas de uma geração (1930-1945). São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

ETTINGER, S. The modern period. In: BEN-SASSON, H. H. (Org.) A History of the Jewish People. Cambridge: Harvard University Press, 1997.

GARTENBERG, A. O J vermelho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1976.

GRÜN, R. Construindo um Lugar ao Sol: os Judeus no Brasil. In: FAUSTO, B. (Org.) Fazer a América. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

GUINSBURG, J. (Org.). Nova e velha pátria. São Paulo: Editora Perspectiva, 1966.

LESSER, J. O Brasil e a questão judaica: imigração, diplomacia e preconceito. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

LESSER, J. A negociação da identidade nacional: imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

MOOG, C. V. Um rio imita o Reno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

NICHTHAUSER, J. Quero viver… Memórias de um ex-morto. São Paulo: Ricla, 1976.

RIBEIRO, M. C. Venha o decreto de expulsão: a legitimação da ordem autoritária no governo Vargas. São Paulo: Humanitas: Fapesp, 2012.

SILVA, H. A ameaça vermelha: o Plano Cohen. Porto Alegre: L&PM, 1980.

WIAZOVSKI, T. Bolchevismo e judaísmo: a comunidade judaica sob o olhar do Deops. São Paulo: Arquivo do Estado: Imprensa Oficial, 2001.

WIAZOVSKI, T. O mito do complô judaico-comunista no Brasil: gênese, difusão e desdobramentos (1907-1954). São Paulo: Humanitas, 2008.

WROBEL, R. Traduzindo Hannah. Rio de Janeiro: Record, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

KIRSCHBAUM, S. Vida judaica em tempos de ditadura. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. 2, p. 218–230, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n2-2020-11. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/51342. Acesso em: 23 maio. 2022.