“Grande eu não iria ser”

A narrativa autobiográfica da editora Maria Mazarello (Mazza Edições)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36nEsp-2020-7

Palavras-chave:

Mazza, Silenciamento, Racismo, Discurso, Autobiografia

Resumo

Buscamos, neste artigo, apresentar a narrativa autobiográfica da editora de livros Maria Mazarello, da Mazza Edições, que foi a primeira editora de registro no Brasil com publicações voltadas à literatura afro-brasileira. Por ser mulher, negra e pobre, enfrentou diversas barreiras para seguir sua caminhada, entre eles, o racismo. Assim, pretendemos identificar e fazer emergir a partir de seu discurso marcas de significação com discursos ora evidenciados, ora silenciados de preconceito racial. Para isso, ressaltamos as contribuições de Eni Orlandi (2007), em As formas do silêncio, que contribuiu para pensar e identificar o silêncio como potência, e não apenas como mero complemento da linguagem. Devemos ressaltar que o silêncio não deve ser entendido como o vazio, pois o silêncio é necessário, sobretudo quando abordamos autobiografias. Como ilustra Orlandi (2017), o silêncio seria o que não é preciso ser dito. Assim, iniciaremos nossos questionamentos pensando: o que é o silêncio? Como ele se exprime? Percebemos que ele não é transparente, tem sua espessura e instaura processos significativos complexos, pois ele tem condição de significar. Dessa forma, quando Mazza nos diz: “a gente não teria o amanhã” e se cala, há uma potência de significação que se instaura. De outro lado, percebemos em seu discurso um evidenciamento, como “a gente não quer ser negro quando menino”. É por esses ditos e silêncios que há um campo de pesquisa ainda incipiente e propício a investigações que a Análise do Discurso e demais áreas se abrem. É por isso também que iremos trazer algumas reflexões. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Santana Gomes, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG

Doutoranda e mestre em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), onde também se bacharelou em Letras (Tecnologias de Edição).

Giani David Silva, CEFET-MG

Professora efetiva no CEFET-MG. Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) .

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

DA MINHA língua vê-se o mar. Direção: Letícia Santana Gomes. Belo Horizonte, 2017. (102 min). Disponível em: https://vimeo.com/250715676. Acesso em: 5 jun. 2019.

DAVID-SILVA, G. A informação televisiva: uma encenação da realidade (Comparação entre telejornais brasileiros e franceses), 2005, 219f. Tese (Doutorado em Letras), Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

GUIMARÃES, S. A. Cor e raça: raça, cor e outros conceitos analíticos. In: SANSONE, L; PINHO, O. A. Raça: novas perspectivas antropológicas. 2.ed. Salvador. Associação Brasileira de Antropologia: EDUFBA, 2008.

MACHADO, I. L.; MENDES, E.; MENEZES, W. (Org.). As emoções no discurso. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

ORLAND, E. As formas do silêncio. São Paulo: Ed. Unicamp, 2007.

PÊCHEUX, M.; DAVALLON, J.; ACHARD, P.; DURRAND, J.; ORLANDI, E. Papel de memória. Trad. José Horta Nunes. Campinas, SP: Pontes, 1999.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

GOMES, L. S.; SILVA, G. D. . “Grande eu não iria ser”: A narrativa autobiográfica da editora Maria Mazarello (Mazza Edições). Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. especial, p. 107–119, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36nEsp-2020-7. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49071. Acesso em: 29 nov. 2022.