A fragmentação da identidade na figura dos retornados de António Lobo Antunes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n2-2020-13

Palavras-chave:

António Lobo Antunes, Identidade, Retornados, Salazarismo

Resumo

António Lobo Antunes, escritor português contemporâneo, tem sido um nome que não se pode ignorar quando a temática é a representação de Portugal e dos portugueses pós Revolução dos Cravos, pois nos apresenta uma escrita que lida com um enfrentamento necessário e fundamental do que se viveu durante os mais de quarenta anos do governo totalitário estabelecido por Salazar dos anos de 1933 a 1974. Lobo Antunes retrata o vazio que emerge nesse contexto a partir de um olhar amargo e irônico, numa espécie de revelação do que, verdadeiramente, restou Pós-Revolução 25 de Abril. No presente estudo, focaremos nesse tema a partir do ponto de vista dos retornados, do seu estigmatismo social e dos seus desajustes identitários que aparecem nas obras que compõem a trilogia inaugural do escritor supracitado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniella Sigoli Pereira, UNESP/IBILCE

Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" desde 2018. Realiza estudos na linha de pesquisa Perspectivas Teóricas no Estudo da Literatura com o projeto intitulado ": A construção do antimito português no romance poético de António Lobo Antunes". Possui Graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". (2013) e Mestrado em Teoria Literária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, câmpus de São José do Rio Preto (2016).

Referências

ANTUNES, A. L. Memória de elefante. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

ANTUNES, A. L. Conhecimento do inferno. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006.

ANTUNES, A. L. Os cus de Judas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

MENESES, M. P.; GOMES, C. Regressos? Os retornados na (des)colonização Portuguesa. In: MENESES, M . P.; MARTINS, B. S. (Org.). As Guerras de Libertação e os sonhos coloniais: alianças secretas, mapas imaginados. Coimbra: Almedina, 2013. p. 59-107.

PIMENTEL, M. C. O Mito de Portugal nas suas raízes culturais. In: LAGES, M.; MATOS, A. T. (Coord.). Portugal: Percursos de Interculturalidade. Lisboa: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, 2008. p. 7-50.

SEIXO, M. A. Os romances de António Lobo Antunes. Lisboa: Dom Quixote, 2002.

SELIGMANN-SILVA, M. Narrar o trauma – A questão do testemunho das catástrofes históricas. Psic. Clin., Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-56652008000100005

SILVA, A. P. Aprendizagem da agonia em Os cus de Judas, de António Lobo Antunes. 2012. 105f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais. Disponível em: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/4855. Acesso em: 10 jan. 2016.

SILVA, T. T. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T.T. (Org.) HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

SIGOLI PEREIRA, D. A fragmentação da identidade na figura dos retornados de António Lobo Antunes. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. 2, p. 231–246, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n2-2020-13. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/50456. Acesso em: 9 ago. 2022.