A bruxa e o barão

Reminiscências da heresia e da Inquisição na novela A Feiticeira, de Antônio Joaquim da Rosa, o Barão de Piratininga

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v39-2023-23

Palavras-chave:

Feiticeira, Barão de Piratininga, Heresia, Inquisição, Antônio Joaquim da Rosa

Resumo

Este artigo apresenta como principal objetivo uma análise do livro A feiticeira, do escritor romântico do século XIX, Antônio Joaquim da Rosa, mais conhecido como O Barão de Piratininga. Essa narrativa dialoga tanto com a tradição clássica literária como com histórias orais de matrizes populares, fazendo parte do “tecido fáustico”, que, nos dizeres de Jerusa Pires Ferreira, está calcado principalmente nos pactos diabólicos. Os inúmeros castigos destinados à personagem Cora Mendes, considerada bruxa e herege, podem ser interpretados como alegorias da Inquisição portuguesa, cujos mecanismos mais cruéis para controlar ou eliminar suas vítimas eram a tortura e o terror.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kenia Maria de Almeida Pereira, Universidade Federal de Uberlândia

Professora de literatura da Universidade Federal de Uberlândia- UFU. Doutora em Literatura Brasileira pela UNESP/ São José do Rio Preto/SP. Atualmente pesquisa o teatro do autor barroco luso-brasileiro Antônio José da Silva, o Judeu.

Emanuelle Amaral Almeida Marçal, Universidade Federal de Uberlândia

Graduanda em Letras Língua Portuguesa e Literatura na Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolve Iniciação científica no Laboratório de Estudos Judaicos (LEJ), orientada pela professora Kenia Maria de Almeida Pereira.

Referências

A BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2013.

ACADEMIA Paulista de Letras. Patronos: Cadeira nº. 19: Antônio Joaquim da Rosa. [20--]. Disponível em: http://www.academiapaulistadeletras.org.br/patronos.asp?materia=153. Acesso em: 21 set. 2023.

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Imaginaribooks; Folha de São Paulo, 2023.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Iara Frateschi. São Paulo: Hucitec; Brasília: EDUNB, 1993.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. v. 2. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.

CASCUDO, Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1988.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente. Tradução de Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

EURÍPIDES. Medeia. In: EURÍPIDES et al. O melhor do teatro grego. Tradução de Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Zahar, 2013. p. 193-271

FEDERICI, Silvia. Mulheres e caça às bruxas. Tradução de Heci Regina Candiane. São Paulo: Boitempo, 2019.

FERREIRA, Jerusa Pires. Fausto no horizonte. São Paulo: EDUC; HUCITEC, 1995.

FERREIRA, Jerusa Pires. Cultura das bordas. São Paulo: Ateliê, 2010.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. Tradução de Maria Betania Amoroso. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GOETHE, Johann Wolfgang. Fausto: Uma tragédia: Primeira parte. Tradução de Jenny Klabin Segall. São Paulo: Editora 34, 2004.

GORENSTEIN, Lina. A inquisição contra as mulheres. São Paulo: Humanitas; FAPESP, 2005.

KRAMER; Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras. Tradução de Paulo Fróes. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 1997.

LEVACK, Brian P. A caça às bruxas na Europa moderna. Tradução de Ivo Korytowski. Rio de Janeiro: Campus, 1988.

LOPES, Hélio. Letras de Minas e outros ensaios. São Paulo: EDUSP, 1997.

MUCHEMBLED, Robert. Uma história do diabo. Tradução de Maria Helena Kuhner. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2001.

NOVINSKY, Anita. A Inquisição. São Paulo: Brasiliense, 1994.

ROSA, Antônio Joaquim da. A feiticeira: novela são-roquense. São Roque: José Hypólito da Silva, 1919. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/3803/1/016197_COMPLETO.pdf. Acesso em: 21 set. 2023.

ROSA, Antônio Joaquim da. A feiticeira: novela são-roquense. Rio de Janeiro: Vermelho Marinho, 2019.

ROSENTHAL, Erwin Theodor. Discurso de Posse. Academia Paulista de Letras. [20--]. Disponível em: http://www.academiapaulistadeletras.org.br/discursos.asp?materia=998. Acesso em: 21 set. 2023.

RUSSELL, Jeffrey; ALEXANDER, Brookes. História da bruxaria. Tradução de Álvaro Cabral e Willian Lagos. São Paulo: Aleph, 2019.

SALLMANN, Jean-Michel. As bruxas noivas de Satã. Tradução de Ana Luiza Dantas Borges. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

SANTOS, Joaquim Silveira dos. São Roque de outrora. São Roque: Merlot comunicações, 2010.

SÃO CIPRIANO. O livro de São Cipriano: capa preta. Rio de Janeiro: Pallas, 2003.

SHAKESPEARE, Willian. Macbeth. In: SHAKESPEARE, Willian. Obras completas. V. 1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995. p. 476-528.

SILVA, Antonio José da. Obras do diabinho da mão furada. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Oficina do Livro Rubens Borba de Moraes, 2006.

SOUZA, Inglês de. Contos amazônicos. 2. ed. Jundiaí: Cadernos do Mundo Inteiro, 2018.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

Downloads

Publicado

2023-12-21

Como Citar

PEREIRA, K. M. de A.; MARÇAL, E. A. A. A bruxa e o barão: Reminiscências da heresia e da Inquisição na novela A Feiticeira, de Antônio Joaquim da Rosa, o Barão de Piratininga. Letras & Letras, Uberlândia, v. 39, n. único, p. e3923 | p. 1–17, 2023. DOI: 10.14393/LL63-v39-2023-23. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/70947. Acesso em: 24 jul. 2024.