“É trabalhar ou morrer de fome"

Neoliberalismo, pandemia e violência no Twitter

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v38-2022-29

Palavras-chave:

Pandemia, Discurso, Redes sociais, Lockdown, Necropolítica

Resumo

Este artigo visa problematizar discursividades acerca do lockdown engendradas no Twitter por figuras políticas públicas. Com base na Análise do Discurso pecheutiana e nas considerações de Foucault e Mbembe sobre biopoder e necropolítica, buscamos, no corpus, regularidades enunciativas (des)veladas nos efeitos metafóricos produzidos no batimento entre o fio do discurso e a interdiscursividade. Em nossas análises, delineamos três discursos predominantes, a saber: o discurso da rivalidade, o discurso do desamparo e o discurso religioso, os quais são constituídos por uma interdiscursividade neoliberal, que, por sua vez, funciona de modo a desresponsabilizar o Estado perante as mazelas enfrentadas pelos cidadãos e a corroborar o sofrimento daqueles que fazem parte do “sul global”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Carvalho de Paula Brito, UFU

Doutora em Linguística Aplicada. Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Thyago Madeira França, UEG

Doutor em Estudos Linguísticos. Universidade Estadual de Goiás (UEG).

Rogério de Castro Ângelo, IFTM

Professor de português/inglês do Instituto Federal do Triângulo Mineiro. Doutorando em Estudos Linguísticos no PPGEL da Universidade Federal de Uberlândia. Seus interesses de pesquisa incluem: ensino-aprendizagem de línguas, ensino remoto, educação. E-mail: rogerioangelo@iftm.edu.br.

Referências

DARDOT, P. LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

FOUCAULT, M. Aula de 17 de março de 1976. In: FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1996.

LACERDA, G. H.; DI RAIMO, L. C. F. D. Silêncio, ironia e resistência: uma análise discursiva de memes em resposta a Michel Temer via Twitter. Revista DisSoL – Discurso, Sociedade e Linguagem, n. 10, p. 103-123, 2019.

MBEMBE, A. Necropolítica. Arte & Ensaios, n. 32, p. 123-151, 2016.

ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (org.). Papel da memória. Trad. José Horta Nunes. Campinas: Pontes, 1999, p. 49-57.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Puccinelli Orlandi et al. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997.

PÊCHEUX, M. O Discurso: estrutura ou acontecimento. 3. ed. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, 2002.

PÊCHEUX, M. Formações ideológicas, aparelhos ideológicos do Estado, formações discursivas. In: OLIVEIRA, G. A. de; NOGUEIRA, L. Encontros na análise do discurso: efeitos de sentidos entre continentes. Campinas: Editora da Unicamp, 2019.

SANTOS, B. de S. A cruel pedagogia do vírus [recurso eletrônico] / Boaventura de Sousa Santos. São Paulo: Boitempo, 2020.

SANTOS, J. B. C. dos. Uma reflexão metodológica sobre análise de discursos. In: FERNANDES C. A.; SANTOS, J. B. C. dos (org.). Análise do discurso: unidade e dispersão. Uberlândia: Entremeios, 2004. p. 109-118.

VISCARDI, J. Verdade e mentira sob a ótica de Jair Bolsonaro no Twitter. Trab. Ling. Apl., Campinas, v. 59, n. 2, p. 1134-1157, 2020. DOI: 10.1590/01031813715891620200520

Downloads

Publicado

2023-05-08

Como Citar

BRITO, C. C. de P.; FRANÇA, T. M.; ÂNGELO, R. de C. “É trabalhar ou morrer de fome": Neoliberalismo, pandemia e violência no Twitter. Letras & Letras, Uberlândia, v. 38, p. e3829 | p. 1–24, 2023. DOI: 10.14393/LL63-v38-2022-29. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/67914. Acesso em: 19 jul. 2024.