Do Português Clássico ao Português Europeu Moderno

O mapeamento do artigo

Autores

  • Simone Floripi Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL60-v30n2a2014-7

Palavras-chave:

Mudança linguística, língua portuguesa, artigo definido, pronome possessivo, Corpus

Resumo

No decorrer dos séculos os padrões de aplicação do artigo na língua portuguesa foram sendo modificados, demonstrando ter havido uma mudança na gramática dessa língua. Tal mudança culmina na obrigatoriedade de utilização do artigo frente a sintagmas nominais possessivos, como observado atualmente no português europeu moderno. Diante deste panorama, buscamos investigar o uso do determinante em DPs possessivos desde o século 16 ao século 19 (Português Clássico) e demonstrar sua evolução no tempo. Foi realizado um estudo abrangente que considera fatores sintáticos e estruturais capazes de indicar o início da variação na colocação de determinantes e quando esta deixou de existir, momento no qual, o uso do artigo diante de possessivo passou a ser obrigatório no português europeu (cf. Floripi, 2008 e Castro, 2000). Apresentaremos os resultados do mapeamento geral dos contextos capazes de evidenciar a mudança sintática ocorrida e os fatores estruturais responsáveis pelo desencadeamento dessa mudança na gramática da língua portuguesa. Para tanto, foi realizada uma investigação diacrônica dos dados, por meio da quantificação destes, analisando-os sob uma abordagem minimalista (Chomsky (1995) e Kayne (1994)), tendo como pressupostos teóricos o Modelo de Princípios e Parâmetros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Floripi, Universidade Federal de Uberlândia

Fez mestrado e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP e pós- doutorado pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP. Atualmente é professora em dedicação exclusiva da Universidade Federal de Uberlândia – UFU. Dentre seus interesses de pesquisa estão: sintaxe das línguas naturais, linguística histórica, estudos das tradições discursivas, estudos do texto e formação de professores de língua portuguesa.

Pesquisa financiada pela FAPEMIG: APQ-03968-10 - A sintaxe do sintagma nominal no Português Brasileiro: uma abordagem diacrônica.

Referências

ABNEY, S. P. The English noun phrase in sentential aspects, Ph.D. dissertation,

Massachusetts: MIT, 1987.

BRITO, A. Presença / ausência de artigo antes de possessivo no Português do Brasil. In. Actas do XVI Encontro da Associação Portuguesa de Linguística. Faculdade de Letras do Porto. Centro e Linguística da Universidade do Porto, 551-575, 2001.

BRITO, A. Os possessivos em Português numa perspectiva de Sintaxe Comparada. Revista da Faculdade de Letras – Línguas e Literaturas XX:495-522, 2003.

BRITO, A. European Portuguese possessives and the structures of DP. Cuadernos de Linguística del I.U.I Ortega y Gasset, vol. 14, PP.27-50, 2007.

CASTRO, A. O Sistema dos Possessivos em Francês e em Português. In Revista da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (número especial em homenagem a Henriqueta Costa Campos), 1999.

CASTRO, A. Os Possessivos em Português Europeu e Português Brasileiro: Unidade e Diversidade. Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística de Coimbra, Lisboa, APL, 599-613, 2000.

CASTRO, A. On Possessives in Portuguese. Ph.D. Diss, Universidade Nova de Lisboa - FCSH and Université Paris 8 –CLI, 2006.

CHOMSKY, N. The minimalist Program. Cambridge: MIT Press, 1995.

CORREIA, C. N. Estudos de Determinação: A Operação de quantificação-qualificação em

sintagmas nominais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

COSTA, I. O uso do artigo definido diante de nome próprio de pessoa e de possessivo do século XIII ao século XVI. In Mattos e Silva & Machado Filho, A. V. L. (ed.) O Português Quinhentista – Estudos Linguísticos. EDUFBA/UEFS, 2002. p. 285-306,

FLORIPI, S. O determinante em sintagmas nominais possessivos na história do português. Universidade Estadual de Campinas. Tese de doutorado, 2008.

GARY-PRIEUR, M. N. Gramaire du Nom Propre. Paris: PUF, 1994.

LONGOBARDI, G. Reference and Proper Names: A Theory of N-Movement in Syntax and

Logical Form. Linguistic Inquiry 25,4 : 609-665, 1994.

LOPES, O. Gramática Simbólica do Português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian,

MAGALHÃES, T. O Uso de Artigo Definido diante de Pronome Possessivo em Textos

Portugueses do Século XVI a XIX. DELTA, 2004.

SCHOORLEMMER, M. Possessors, Articles and Definiteness In: Possessors, Predicates and Movement in The Determiner Phrase , Artemis Alexiadou & Chris Wilder (eds), 56- 86, John Benjamins Publishing Company, 1998. http://dx.doi.org/10.1075/la.22.04sch

MIGUEL SARMENTO, M. “O estatuto categorial dos possessivos: possessivos e adjetivos”. In: Actas do Encontro comemorativo dos 25 anos do CLUP, 191-202. Porto, 2002a.

MIGUEL SARMENTO, M. Para uma tipologia dos possessivos. In: Actas do XVII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística. 287-299, 2002b.

MIGUEL SARMENTO, M. Possessive pronouns in European Portuguese and Old French. Journal of Portuguese Linguistics 1:215-240, 2002c.

MIGUEL SARMENTO, M. O Sintagma Nominal em Português Europeu: posições de sujeito. Tese de doutorado. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2004.

SILVA, G. M. O. Estudo da Regularidade na Variação dos Possessivos no Português do Rio de Janeiro. UFRJ. Tese de Doutorado, 1982.

SILVA, G. M. O. Variação no sistema de Possessivo de Terceira Pessoa. Tempo Brasileiro (78/79): 54-72, 1994.

SILVA, G. M. de O.; CALLOU, D. O uso do artigo definido diante de possessivo. In: DUARTE, I. & LEIRIA, I. (orgs.) Congresso Internacional sobre o Português, Colibri/APL, Lisboa, Vol. III. p. 115-125, 1996.

SZABOLSCI, A. The Noun Phrase. In: KIEFER, N. F.; KISS, K. (eds) Syntax and Semantics 27 The Syntactic Structure of Hungarian. Academic Press, pp. 179-274, 1994.

Downloads

Publicado

2014-12-18

Como Citar

FLORIPI, S. Do Português Clássico ao Português Europeu Moderno: O mapeamento do artigo. Letras & Letras, Uberlândia, v. 30, n. 2, p. 122–138, 2014. DOI: 10.14393/LL60-v30n2a2014-7. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/27944. Acesso em: 2 mar. 2024.