Critérios empiricamente verificáveis para a avaliação do vocabulário na produção oral do professor de língua estrangeira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL49-v16n1a2022-3

Palavras-chave:

valiação docente. Proficiência oral. Língua Estrangeira. Vocabulário.

Resumo

O EPPLE (Exame de Proficiência para Professores de Línguas Estrangeiras) é um instrumento avaliativo em constante aprimoramento (CONSOLO e TEIXEIRA DA SILVA, 2014; COLOMBO, 2019) que se volta para a avaliação da proficiência do professor de LE no contexto brasileiro. Atualmente, o EPPLE possui apenas uma escala holística para a avaliação do desempenho oral de candidatos, desenvolvida intuitivamente. Dessa forma, é necessário que se construa uma escala de proficiência analítica empiricamente embasada para a produção de um argumento para a validade dos critérios avaliativos que classificam os desempenhos orais no exame. A precisão do vocabulário empregado, entre outros construtos da competência linguística, é de extrema importância para a proficiência oral do professor de LE, uma vez que o professor ensina a LE utilizando a língua-alvo em contextos comunicativos (FREEMAN et al., 2015). O presente estudo apresenta resultados da aplicação dos EBBs (Empirically derived, Binary choice, Boundary definition scales), metodologia empírica para o desenvolvimento de critérios avaliativos e escalas de proficiência linguística desenvolvida por Upshur e Turner (1999), em amostras do banco de dados do EPPLE. A partir da análise, construiu-se de um quadro de critérios empiricamente verificáveis para a avaliação da precisão do vocabulário empregado pelos candidatos do exame, assim como desenvolveu-se uma escala de proficiência analítica que contempla a coerência do vocabulário empregado, o uso preciso de terminologia técnica e o (re)conhecimento de palavras-chave relacionadas à tarefa metalinguística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Fernando de Oliveira, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Graduado em Licenciatura em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP. Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos pela UNESP, campus IBILCE. 

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. O professor de língua estrangeira sabe a língua que ensina? A questão da instrumentalização lingüística. Contexturas. Ensino Crítico de Língua Inglesa. UNICAMP, 1992.

COLOMBO, C. S. Avaliação de Proficiência Oral em Língua Estrangeira: Uma Proposta de Abordagem Avaliativa em um Exame para Professores de Línguas com base em Métodos de Estruturação de Problemas e em Métodos Multicritério de Análise da Decisão. 2019. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. São José do Rio Preto/SP, 2019.

CONSOLO, D. A.; TEIXEIRA DA SILVA, V. L. Em defesa de uma formação linguística de qualidade para professores de línguas estrangeiras: o exame EPPLE. Revista Horizontes de Linguística Aplicada, v. 13, 2014. DOI https://doi.org/10.26512/rhla.v13i1.1334

CONSOLO, D. A; AGUENA, D. M. Pré-testagem ao Exame de Proficiência para professores de língua estrangeira (EPPLE): desenho e desafios tecnológicos para avaliação de proficiência oral em dispositivos tecnológicos móveis. Revista Polifonia, v. 24 n. 32/5, 2017.

CONSOLO, D. A. Assessing EFL teachers’ proficiency: on the development of teacher programmes and testing policies in Brazil. In: DOUGLAS A. C. ET AL (org). Perspectivas em avaliação no ensino e na aprendizagem de línguas: pesquisas e encaminhamentos na formação e na prática docente. Pontes Editores, Campinas, 2017.

COUNCIL OF EUROPE. Common European Framework of Reference for Languages, Learning, Teaching and Assessment. Strasbourg: Council of Europe Publishing. 2020. Disponível em www.coe.int/lang-cefr, acesso em 17/02/2021.

DALLER, H.; MILTON, J.; TREFFERS-DALLER, J. Conventions and terminology. In: DALLER, H.; MILTON, J.; TREFFERS-DALLER, J. (ed.). Modelling and Assessing Vocabulary Knowledge. Cambridge: Cambridge Applied Linguistics. 2007. DOI https://doi.org/10.1017/CBO9780511667268

ELDER, C. Assessing the language proficiency of teachers: are there any border controls? Language Testing, 2001, p. 149-170. DOI https://doi.org/10.1177/026553220101800203

FREEMAN, D.; KATZ, A.; GOMEZ; P. G.; BURNS, A. English-for-teaching: rethinking teacher proficiency in the classroom. Oxford: ELT Journal, Oxford University Press, 2015. DOI https://doi.org/10.1093/elt/ccu074

FULCHER, G.; DAVIDSON F.; KEMP, J. Effective rating scale development for speaking tests: Performance decision trees. Language Testing, 2011. DOI https://doi.org/10.1177/0265532209359514

FULCHER, G. Defining the construct. In: Testing second language speaking. New York: Routledge, 2014. DOI https://doi.org/10.4324/9781315837376

MILTON, J. Measuring Second Language Vocabulary Acquisition. Dublin: Trinity College. 2009. DOI https://doi.org/10.21832/9781847692092

NATION, I. S. P. Learning vocabulary in another language. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. DOI https://doi.org/10.1017/CBO9781139524759

NICHOLLS, S. M. Aspectos pedagógicos e metodológicos do ensino de inglês. Maceió: EdUFAL, 2001.

READ, J. Assessing vocabulary. Cambridge: Cambridge University Press, 2000. DOI https://doi.org/10.1017/CBO9780511732942

RODRIGUES, L. C. B. A formação do professor de língua estrangeira no século XXI: Entre as antigas pressões e os novos desafios. Revista Signum. 2016. DOI https://doi.org/10.5433/2237-4876.2016v19n2p13

SANDEI, M. L. R. Prospecções sobre a abordagem/senso de plausibilidade na ação de ensinar de um professor de língua estrangeira no ensino médio. 2005. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

UPSHUR J. A; TURNER, C. E. Systematic effects in the rating of second-language speaking ability: test method and learner discourse. Language Testing. 1999. DOI https://doi.org/10.1177/026553229901600105

Downloads

Publicado

06-01-2022

Como Citar

OLIVEIRA, D. F. de. Critérios empiricamente verificáveis para a avaliação do vocabulário na produção oral do professor de língua estrangeira. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 70–92, 2022. DOI: 10.14393/DL49-v16n1a2022-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/59444. Acesso em: 8 ago. 2022.