Formação e estilização ortográfica de nomes sociais de pessoas transgêneros

questões de identidade linguística e de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL47-v15n3a2021-2

Palavras-chave:

Processos morfológicos, Estilização ortográfica, Nomes sociais

Resumo

Este trabalho objetiva investigar os processos de formação de nomes sociais de pessoas trans, observando sua relação com os prenomes desses sujeitos. Como objetivos secundários, pretende-se investigar se ocorre estilização ortográfica das renomeações e se os nomes adotados são usuais do Português Brasileiro.  O estudo tem uma abordagem quali-quantitativa e foi realizado a partir de um corpus constituído de 50 nomes sociais de transgêneros que responderam questionário na plataforma Google.doc. Constatamos que, majoritariamente, as pessoas transgêneros preferem nome social sem identidade morfológica com o nome que lhe fora atribuído ao nascimento. Dentre os nomes com identidade morfológica, observou-se que os processos de formação mais utilizados são: derivação, flexão e braquissemia. Constatou-se que 82% dos nomes sociais são usuais do Português Brasileiro e, desses, 58% são dicionarizados, 14% são variantes dicionarizadas e 43% apresentam ortografia estilizada por duplicação consonantal, inserção ou troca de grafemas. Em relação aos aspectos identitários e às renomeações, as pessoas transgêneros que colaboraram com esta pesquisa marcam, no seu nome social, um distanciamento entre a primeira e a sua nova identidade de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josy Maria Alves de Souza, Fundação Universidade Federal de Rondônia

Mestre em Letras/Fundação Universidade Federal de Rondônia.

Natália Cristine Prado, Fundação Universidade Federal de Rondônia

Doutora em Linguística/UNESP, Professora de Linguística/Mestrado em Letras, Fundação Universidade Federal de Rondônia/UNIR.

Referências

AMARAL, E. T. R. Nomes próprios: análise de antropônimos do espanhol escrito, 2008, 196 f. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2008.

AMARAL, E. T. R. O nome social como uma categoria antroponímica para a garantia do princípio da dignidade da pessoa humana. Caligrama, v. 24, n. 3, p. 25-46: Belo Horizonte, 2019. Disponível em: http://periodicos.letras.ufmg.br/index.php/caligrama/article/view/14989. Acesso em: 08 jan. 2021. DOI https://doi.org/10.17851/2238-3824.24.3.25-46

AMARAL, E. T. R. Contribuições para uma tipologia de antropônimos do Português Brasileiro. Alfa Revista de Linguística, São Paulo, 55 (1): 63-82, 2011. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/4168. Acesso em: 08 jan. 2021.

BEAUVOIR, S. de. O segundo sexo: fatos e mitos. Trad. Sergio Milliet. 4ª. ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 1970.

BRASIL. Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm. Acesso em : 10 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.820, de 13 de agosto de 2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Brasília, 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/MatrizesConsolidacao/comum/5724.html. Acesso em: 26 jun.2019.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Portaria 233, de 18 de maio de 2010. Fica assegurado aos servidores públicos, no âmbito da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, o uso do nome social adotado por travestis e transexuais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 de maio de 2010. Disponível em: https://legis.sigepe.planejamento.gov.br/legis/detalhar/7796. Acesso em: 26 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria 1612, de 18 de novembro de 2011. Disponível em: https://arpen-sp.jusbrasil.com.br/noticias/2933591/portaria-assegura-uso-de-nome-social-de-transexuais-e-travestis-em-orgaos-do-mec. Acesso em: 26 jun. 2019.

BRASIL. Decreto 8727, de 28 de abril de 2016. Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 abril 2016.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-018/2016/decreto/D8727.htm. Acesso em: 09.02.2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário 670.422, Relator(a): Min. Dias Toffoli, julgado em 15/08/2018, publicado em DJe-169, divulg. 17/08/2018, public. 20/08/2018. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudenciaRepercussao/verAndamentoProcesso.asp?incidente=4192182&numeroProcesso=670422&classeProcesso=RE&numeroTema=761. Acesso em: 02 ago. 2019.

BRITO SILVA, B. de Identidade social e autoestima de travestis, homens e mulheres trans e transgêneros: a influência do apoio social. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2016.

BRUNS, M. A. T.; PINTO, M. J. C. Vivência transexual: o corpo desvela seu drama. Campinas: Átomo, 2003. (Coleção Sexualidade e Vida).

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

BUTLER, J. Actos performativos e constituição de género. Um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. In: MACEDO, A, G.; RAYNER, F. (org.). Gênero, cultura visual e performance: antologia crítica. CEHUM. Húmus, 2011.

CAGLIARI, L. C. Alfabetizando sem o bá-bé-bi-bó-bu. São Paulo: Scipione, 1999.

CAMARA JR. J. M. Estrutura da Língua Portuguesa. 43ª ed. Petrópolis: Vozes, 2011a.

CAMARA JR., J. M. Dicionário de linguística e gramática. 28ª ed. Petrópolis: Vozes, 2011b.

CANDAU, V. M. (org). Sociedade, Educação e cultura(s): questões e propostas. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

CARVALHO, D. O traço de gênero na morfossintaxe do português. DELTA [online], vol. 34, n. 2, p.635-660, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-445008104720040323.

DICIONÁRIO Aurélio de Língua Portuguesa. Disponível em: https://www.dicio.com.br/aurelio-2/. Acesso em : 10 jan. 2019.

DUBOIS, J. [et al.]. Dicionário de linguística. 2ª ed. São Paulo: Cultrix, 2014.

GUÉRIOS, R. F. M. Dicionário etimológico de nomes e sobrenomes. 2ª ed. São Paulo: Ave Maria, 1981.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Nomes no Brasil. Disponível em: www.censo2010.ibge.gov.br/nomes. Acesso em: 24 maio 2019.

JESUS, J. G. de. Orientações sobre identidade de gênero: Conceitos e termos - Guia técnico sobre pessoas transexuais, travestis e demais transgêneros, para formadores de opinião. Brasília. 2012. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/16/o/ORIENTA%C3%87%C3%95ES_POPULA%C3%87%C3%83O_TRANS.pdf?1334065989 . Acesso em: 04 jan. 2021.

JESUS, J. G. de. Transfeminismo: teorias e práticas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Metanoia, 2015.

KEHDI, V. Formação de palavras em português. 3ª ed. São Paulo: Ática, 2003. (Série Princípios).

KRAMER, R. The location of gender feature in the syntax. Language and linguistics. Compass 10, n. 11, p. 661-677, 2016. DOI https://doi.org/10.1111/lnc3.12226

LAROCA, M. N. de C. Manual de morfologia do português. 5ª ed. rev. Minas Gerais: UFJF, 2011.

LOURO, G. L. F., JANE. G., SILVANA V. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9ª ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

MACEDO, N. Z. Análise fonológica de nomes próprios de origem estrangeira e novas criações em Português Brasileiro. 2015, 160 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) - Universidade Estadual Paulista: Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Araraquara.

MASSINI-CAGLIARI, G. Adaptação de nomes próprios de origem estrangeira: comparação entre português arcaico e português brasileiro. Estudos Linguísticos, São Paulo, 40 (2), pp. 795-807, 2011. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/1340. Acesso em: 08 jan. 2021.

MASSINI-CAGLIARI, G. Escrita ideográfica e escrita fonográfica. In: MASSINI--CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. Diante das letras: a escrita na alfabetização. Campinas: Mercado das Letras, 1999.

MEXIAS-SIMON, M. L., OLIVEIRA, A. de M. O nome do homem: reflexões em torno dos nomes próprios. Rio de Janeiro: H.P. Comunicações, 2004.

MIRA MATEUS, M. H. et al. Gramática da língua portuguesa. 5ª ed. Lisboa: Caminho, 2003.

MONTEIRO, J. L. Morfologia portuguesa. 4ª ed. Campinas: Pontes, 2002.

OLIVER, N. Dicionário de nomes: todos os nomes do Brasil. 4ª ed. Rio de Janeiro: BesBolso, 2013.

PASQUES, L. Teorias do escrito na ortografia da Academia. In: CATACH ; N. (org.). Para uma teoria da língua escrita. São Paulo: Ática, 1996.

PRECIADO, P. B. Manifesto contrassexual. Políticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

REIS, N.; PINTO. R. Gêneros não-binários: identidades, expressões e educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 7-25. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/7045. Acesso em: 08 jan. 2021. DOI https://doi.org/10.17058/rea.v24i1.7045

SEIDE, M. S. Toponomástica e antroponomástica: paradigma e métodos. Confluência. Revista do Instituto de Língua Portuguesa. nº. 43 e 44, p. 165-184, 2013. Disponível em: http://llp.bibliopolis.info/confluencia/wp/?cat=32. Acesso em: 08 jan. 2021.

SILVA, T. T. Da. Identidade e diferença. A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2017.

SIMÕES NETO, N. A. Perdidas no nome: um estudo onomástico sobre a renomeação de travestis, mulheres transexuais e transformistas brasileiras. Revista Portuguesa de Humanidades - Estudos Linguísticos, v. 18, n. 2, p. 67-90. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/ejemplar/404241. Acesso em: 17 jun. 2020.

SOUZA E SILVA, M. C. P. de; KOCH, I. V. Linguística aplicada ao português: morfologia. 18ª ed. São Paulo. Cortez, 2012

SOUZA, J. M. A. de. Nomes sociais de pessoas transgêneros e nomes artísticos de drag queens do Estado de Rondônia: questões de identidade linguística e de gênero. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Rondônia, 2019.

SOUZA, M. D. de. Variantes ortográficas propriamente ditas. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) - Universidade Federal do Mato Grosso, 2006.

SPARGO, T. Foucault e a teoria queer: seguido de ágape e êxtase: orientações pós-seculares. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

TRASK, R. L. Dicionário de linguagem e linguística. Trad. e adapt. Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2011.

VARGAS, F. O. O nome social numa perspectiva polifônica: signo linguístico, direito linguístico e direito humano fundamental. Universo. n. 3, Juiz de Fora. Disponível em: http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=1JUIZDEFORA2&page=issue&op=view&path%5B%5D=178&path%5B%5D=showToc. Acesso em: 07 Jan 2021.

VASCONCELOS, J. L. de. Antroponímia portuguesa: tratado comparativo da origem, significação, classificação e vida do conjunto dos nomes próprios, sobrenomes ou apelidos usados por nos desde a Idade Média até hoje. Lisboa: Imprensa Nacional, 1928.

WOODWARD. K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. (org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2017.

ZANOTTO, N. Estrutura mórfica de língua portuguesa. 5ª ed. Rio de Janeiro: Educs, 2006.

Downloads

Publicado

13.08.2021

Como Citar

SOUZA, J. M. A. de .; PRADO, N. C. Formação e estilização ortográfica de nomes sociais de pessoas transgêneros: questões de identidade linguística e de gênero. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 15, n. 3, p. 637–677, 2021. DOI: 10.14393/DL47-v15n3a2021-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/56528. Acesso em: 30 nov. 2022.