O valor das línguas na realidade de ensino-aprendizagem em Cabo Verde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL44-v14n4a2020-3

Palavras-chave:

Valor das línguas, Interpenetração cultural, Segunda língua, Identidade social, Ensino-aprendizagem

Resumo

Este artigo registra um panorama a propósito de algumas das medidas político-educacionais empreendidas no que toca ao ensino do português enquanto língua oficial e não-materna na realidade africana. Atenta especificamente à situação sociolinguística de Cabo Verde, cuja língua materna é um fator de diversidade a ser incluído nessa conjuntura. O reconhecimento jurídico ou o não reconhecimento das línguas faladas numa nação orienta seus estatutos na sociedade, contribuindo para valorações positivas ou negativas. Considera-se que a língua permite o desenvolvimento psíquico e permeia os relacionamentos interacionais. Ao ser alfabetizado num idioma não-materno, questiona-se o processo de construção da identidade social do aprendiz, na relação com o ambiente escolar, com sua própria língua e com a língua do outro. O artigo objetiva demonstrar, para a realidade em estudo, que a interpenetração da língua e da cultura na sociedade dá-se diferentemente em cada um dos idiomas, o cabo-verdiano e o português.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gildaris Ferreira Pandim, Université Sorbonne nouvelle Paris III

Possui Doutorado em Estudos Linguísticos pelas Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Université Paris III - Sorbonne Nouvelle (2014 - em cotutela). Tem experiência profissional no ensino de português língua estrangeira (PLE), francês língua estrangeira (FLE), tradução francês-português e terminologia. Atua como pesquisadora em Linguística, nos subdomínios Terminologia, Terminografia, Estudos da Tradução e Lexicologia.

Referências

BAGNO, M.; OLIVEIRA RANGEL, E. Tarefas da educação linguística no Brasil. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 5, n. 1, p. 63–81, 2005. DOI https://doi.org/10.1590/S1984-63982005000100004

BENVENISTE, É. Problèmes de linguistique générale. Paris: Gallimard, 1966.

BRITO-SEMEDO, M. A contribuição do escritor para o enriquecimento da língua. In: Interpenetração da Língua e Culturas de/em Língua Portuguesa na CPLP. [s.l.] IILP/AULP, 2010. p. 171–176.

CABO VERDE. Constituição (2010). Constituição da República de Cabo Verde. 4.a ed. 2.a revisão ordinária. Praia, Santiago: Assembleia Nacional, 2010.

CALVET, L.-J. Sociolinguística. Uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

CASSIRER, E. La Philosophie des formes symboliques. Tradução: Claude Fronty. Paris: Éditions de Minuit, 1972.

FARACO, C. A. História sociopolítica da língua portuguesa. São Paulo: Parábola, 2016.

FLORY, E. V.; DE SOUZA, M. T. C. C. Bilinguismo: diferentes definições, diversas implicações. Revista Intercâmbio. Revista Intercâmbio, v. XIX, p. 23–40, 2009.

KRAMSCH, C. Context and culture in language teaching. Oxford: Oxford University Press, 1996.

LÉVI-STRAUSS, C. Anthropologie structurale. Paris: Plon, 1958.

LÉVI-STRAUSS, C. Tristes tropiques. Paris: Union générale d’éditions, 1962.

LÉVI-STRAUSS, C. Anthropologie structurale deux. Paris: Plon, 1973.

LINTON, R. Le Fondement culturel de la personnalité. Tradução: Andrée Lyotard. Paris: Dunod, 1977.

LOMBARD, J. Introduction à l’ethnologie. Paris: Armand Colin, 1994.

LOPES, A. M. As línguas de Cabo Verde. Uma radiografia sociolinguística. Praia, Santiago: Edições UniCV, 2016.

LOPES, F. J. O bilinguismo e a problemática da diglossia no processo do letramento: o caso de Cabo Verde e suas diásporas. Papia 21, v. 1, p. 123–136, 2011.

PEREIRA, D. Crioulos de base portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho, 2006.

PEREIRA, D. O cabo-verdiano na educação: implicações no desenvolvimento da língua portuguesa. Atas Jornadas de Língua Portuguesa Investigação e Ensino, p. 183–202, 2018.

POIRIER, J. Ethnologie générale. Paris: Gallimard, 1968.

POIRIER, J. Ethnologie régionale. Paris: Gallimard, 1978.

REVUZ, C. A língua estrangeira entre o desejo de um outro lugar e o risco do exílio. Tradução de Silvana Serrani-Infante. In: SIGNORINI, I. (ed.). Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas, SP; São Paulo: Mercado de Letras; FAPESP, 1998. p. 213–230.

SERRANI-INFANTE, S. O contexto-fonte e o ensino de línguas. Scripta, p. 54–63, 2002.

SEVERO, C. G. A invenção colonial das línguas da América. Alfa, v. 60, n. 1, p. 11–28, 2016. DOI https://doi.org/10.1590/1981-5794-1604-1

SIBILLE, J. La reconnaissance de la valeur culturelle des langues. La Charte européenne des langues régionales ou minoritaires et la France. Conseil de l’Europe, abr. 2002.

VEIGA, M. Ensino e Aprendizagem das Línguas em meio plurilíngue. Atas do Colóquio Internacional "Ensino/aprendizagem do francês e do português no contexto plurilíngue africano, p. 39–50, 2007.

ZIMMER, M.; FINGER, I.; SCHERER, L. Do bilinguismo ao multilinguismo: intersecções entre a Psicolinguística e a Neurolinguística. ReVEL, v. 6, n. 11, p. 28, 2008.

Downloads

Publicado

05-05-2020

Como Citar

PANDIM, G. F. O valor das línguas na realidade de ensino-aprendizagem em Cabo Verde. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 14, n. 4, p. 1087–1110, 2020. DOI: 10.14393/DL44-v14n4a2020-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/51771. Acesso em: 15 ago. 2022.