Os argumentos quase lógicos e os lugares da argumentação no gênero propaganda oral radiofônica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL40-v14n1a2020-7

Palavras-chave:

Argumentos, Lugares, Propaganda oral

Resumo

Por meio dos estudos retóricos, é possível entender o emprego das técnicas argumentativas utilizadas por oradores para tentar convencer e persuadir determinado auditório social. Diante desse entendimento, este trabalho tem como principal objetivo analisar os argumentos quase lógicos e os lugares da argumentação presentes no gênero propaganda oral radiofônica veiculado na rádio alagoana. Desse modo, o trabalho entende a Retórica como um mecanismo discursivo capaz de verificar como se dá a persuasão nos mais diversos discursos. A partir desse posicionamento, este estudo filia-se, metodologicamente, à perspectiva qualitativa, pois dá ênfase ao processo dos dados e não ao produto final. O olhar descritivo-interpretativista da abordagem qualitativa permite ao pesquisador observar os dados processualmente. Por isso, embasa-se nos referenciais teóricos de Abreu (2009), Aristóteles (2011), Ferreira (2015), Meyer (2007), Perelman e Olbrechts-Tyteca (2014), Santos (2011; 2018), entre outros. O foco da análise é o espaço radiofônico, com destaque para a propaganda oral, que teve como suporte de veiculação uma emissora de rádio do agreste alagoano. Os resultados indicam que os argumentos quase lógicos com a junção dos lugares da argumentação foram utilizados de maneira decisiva pelos oradores, para o acontecimento do gênero propaganda oral radiofônica no rádio alagoano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, A. S. A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. 13. ed. Cotia: Ateliê Editorial, 2009.

ARISTÓTELES. Retórica. São Paulo: Edipro, 2011.

FERREIRA, L. A. Leitura e persuasão: princípios de análise retórica. São Paulo: Contexto, 2015.

FIGUEIREDO, M. F.; SANTOS, M. F. O. Do rádio para a sala de aula: uma análise retórico-conversacional do gênero spot. Filol. Linguíst. Port., São Paulo, v. 17, n. 1, p. 205-225, jan./jun, 2015. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i1p205-225.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

MARCUSCHI, L. A. Análise da Conversação. 5. ed. São Paulo: Editora Ática, 2003.

MEYER, M. A retórica. São Paulo: Ática, 2007.

OLIVEIRA, A. A. Observação e entrevista em pesquisa qualitativa. Revista FACEVV, Vila Velha, n. 4, p. 22-27, 2010.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

PRETI, D. (org.) Análise de textos orais. 4. ed. São Paulo: Humanitas Publicações FFLCH/USP, 1999.

REBOUL, O. Introdução à retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SANTOS, M. F. O. As marcas retórico-críticas no gênero editorial. Maceió: Edufal, 2011.

SANTOS, M. F. O. O gênero spot à luz dos estudos da argumentação e da referenciação. In: SANTOS, M. F. O; ROCHA, M. S. (org.). Teceres diferentes em gêneros orais e escritos. Arapiraca: EDUNEAL, 2018.

SANTOS, M. F. O; DIKSON, D; MORAIS, E. P. Interfaces com a análise da conversação: olhares diversos em teorias imbricadas. Maceió, AL: EDUFAL, 2014.

SOUSA, A. A persuasão. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2001.

Downloads

Publicado

11.02.2020

Como Citar

DA ROCHA, M. S.; OLIVEIRA SANTOS, M. F. Os argumentos quase lógicos e os lugares da argumentação no gênero propaganda oral radiofônica. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 14, n. 1, p. 196–217, 2020. DOI: 10.14393/DL40-v14n1a2020-7. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/47597. Acesso em: 28 nov. 2022.