Gêneros digitais e alfabetização

propostas com as histórias em quadrinho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL43-v14n3a2020-2

Palavras-chave:

Alfabetização, Histórias em quadrinhos, Gêneros digitais

Resumo

Este trabalho busca refletir acerca do ensino da produção de textos na alfabetização com base no trabalho com gêneros textuais digitais. Em específico, tenta demonstrar como gêneros do tipo história em quadrinhos, transmutados ou produzidos em softwares digitais, podem ser trabalhados como objetos de ensino e de aprendizagem da língua em turmas de alunos em fase de alfabetização. Para isso, encontra respaldo na noção de gênero de Bakhtin (1992, 2006), na discussão acerca dos gêneros da história em quadrinhos de Mendonça (2005), Vergueiro (2009, 2014) e Ramos (2009), além de estudos de Koch (1998), Marcuschi (2008) e Silva (2018) que tratam do ensino de produção de textos.  Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa cuja abordagem é qualitativa, com viés descritivo. Por fim, enfatiza-se a produtividade de propostas com o gênero discutido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, M. M. Estética da Criação Verbal. Tradução do russo por Paulo Bezerra. 4ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2006.

BRANDÃO, A. C. P.; LEAL, T. F. Alfabetizar e letrar na Educação Infantil: o que isso significa? In: BRANDÃO, A. C. P.; ROSA, E. C. S. (org.). Ler e escrever na Educação Infantil: Discutindo práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

CRYSTAL, D. A revolução da linguagem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Edições, 2001.

KOCH, I. G. V. O texto e a construção dos sentidos. 2 ed. São Paulo: Contexto, 1998.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MENDONÇA, M. R. S. Um gênero quadro a quadro: a história em quadrinhos. In: DIONÍSIO, Â. P.; MACHADO, R. A.; BEZERRA, M. A. (org.). Gêneros textuais & ensino. 4. ed. Rio de Janeiro: Lucena, 2005.

MORETTI, F. Qual a diferença entre charge, Cartum e quadrinhos? Disponível em: http://oblogderedacao.blogspot.com/2013/01/qual-diferenca-entre-charge-cartoons-e.html. Publicado em junho/2001. Acesso em: 02 dezembro/2018.

NEVES, M. H. M. A Gramática: Conhecimento e Ensino. São Paulo: UNESP, 2000.

RAMOS, P. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2009.

SANTOS, R. E. Para Reler os Quadrinhos Disney: Linguagem, evolução e análise de HQs. São Paulo: Paulinas, 2002.

SANTOS, R. E.; VERGUEIRO, W. Histórias em quadrinhos no processo de aprendizado: da teoria à prática. EccoS – Revista Científica. São Paulo, n. 27, p. 81-95, jan./abr. 2012. DOI https://doi.org/10.5585/eccos.n27.3498

SMOLKA, A. L. B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, A. A. Linguística Textual e Ensino: coesão e coerência na alfabetização. Claraboia, Jacarezinho, Paraná, v.10, jul./dez., p. 95-118.

VERGUEIRO, W. Quadrinhos e educação popular no Brasil: considerações à luz de algumas produções nacionais. In: VERGUEIRO, W.; RAMOS, P. (org.). Muito além dos quadrinhos: análises e reflexões sobre a 9ª Arte. São Paulo: Devir, 2009. p. 83-102.

VERGUEIRO, W.; RAMOS, P. (org.). Quadrinhos na educação: da rejeição à prática. São Paulo: Contexto, 2009.

VERGUEIRO, W. Uso das HQS no ensino. In: RAMA, Â.; VERGUEIRO, W. (org.). Como usar as histórias em quadrinhos em sala de aula. São Paulo: Contexto, 2014. p. 7-30.

Downloads

Publicado

09.04.2020

Como Citar

DA SILVA, A. A. Gêneros digitais e alfabetização: propostas com as histórias em quadrinho. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 14, n. 3, p. 763–789, 2020. DOI: 10.14393/DL43-v14n3a2020-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/47588. Acesso em: 6 dez. 2022.