Ensino de língua inglesa

conversas com professores da escola pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL40-v14n1a2020-13

Palavras-chave:

Resenha

Resumo

Resenha da obra organizada por Diógenes Cândido de Lima: ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: conversas com professores da escola públicapublicada em 2017.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais. Língua estrangeira. Ensino fundamental. Terceiro e quarto ciclos. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_estrangeira.pdf. Acesso em: 26 nov. 2018.

BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. v. 1. Brasília: MEC/SEF, 2006. 239 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf. Acesso em: 26 nov. 2018.

CARVALHO, M. G.; BASTOS, J. A. de S. L.; KRUGER, E. L. de A. Apropriação do conhecimento tecnológico. Curitiba: CEEFET, 2000. cap. I.

COX, M. I. P.; ASSIS-PETERSON, A. A. O professor de inglês entre a alienação e a emancipação. Linguagem & ensino, v. 4, n. 1, p. 11-36, 2001. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Revista/edicoes/v4n1/c_ana.pdf. Acesso em: 17 nov. 2018.

FERNÁNDEZ, G. E.; CALLEGARI, M. V. Estratégias motivacionais para aulas de língua estrangeira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. ed. 43. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

LEFFA, V. J. Aspectos políticos da formação do professor e línguas estrangeiras. In: LEFFA, V. J. (org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. ed. Pelotas, RS: Educat, 2008. p. 353-376.

LEFFA, V. J. Prefácio. In: SILVA, K. A. da; MASTRELLA-DE-ADRADE, M.; PEREIRA FILHO, C. A. (org.). A Formação de professores de línguas: políticas, projetos e parcerias. Campinas, SP: Pontes, 2015. 277 p.

LIMA, D. C. de. (org.). Ensino de língua inglesa: conversas com professores da escola pública. Campinas, SP: Pontes, 2017. 411 p.

PENNYCOOK, A. The cultural politics of English as an international language. London: Longman, 1994.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. On the horizon, University Press, v. 9, n. 5, p. 1-6, october 2001. DOI https://doi.org/10.1108/10748120110424816.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003. 143 p.

RAJAGOPALAN, K. O ensino de língua como parte da macro-política linguística. In: GERHARDT, A. F. L. M.; AMORIM, M. A.; CARVALHO, A. M. (org.). Linguística aplicada e ensino: língua e literatura. Campinas, SP: Pontes, 2013.

SILVA, K. A. da. Crenças sobre o ensino e aprendizagem de línguas na lingüística aplicada: um panorama histórico dos estudos realizados no contexto. Linguagem & ensino, v. 10, n. 1, p. 235-271, jan./jun. 2007.

SPINK, M. J.; MEDRADO, B. Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: SPINK, M. J. (org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano. São Paulo: Cortez, 2004.

Downloads

Publicado

11-02-2020

Como Citar

MUSACHI, V. R. Ensino de língua inglesa: conversas com professores da escola pública. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 340–352, 2020. DOI: 10.14393/DL40-v14n1a2020-13. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/47340. Acesso em: 25 maio. 2022.

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.