Repercussões da metodologia de constituição de amostras sobre a percepção da variação fonética

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL40-v13n4a2019-10

Palavras-chave:

Metodologia, Variação fonética, Percepção

Resumo

Este artigo investiga os efeitos da metodologia de constituição de amostras sobre a percepção fonética das variantes sibilantes [s] e [ʃ] em coda silábica do português brasileiro. Para tanto, 30 falantes da variedade florianopolitana realizaram um teste de classificação por similaridade. Os resultados indicaram que o local de origem dos pais dos informantes não afeta a percepção do grau relativo de similaridade entre as fricativas alveolar e palato-alveolar. Esse resultado sugere que o procedimento de constituição de amostras realizado sob os preceitos da Sociolinguística – a qual prevê que os informantes e seus pais devem ter nascido e crescido na mesma localidade, ou seja, devem compartilhar a mesma variedade linguística – pode ser ampliado no sentido de contemplar informantes cujos pais são falantes de outras variedades dialetais. Entende-se que essa abordagem metodológica é relevante para a pesquisa sobre a percepção da variação fonética, uma vez que permite uma maior aproximação da realidade linguística dos centros urbanos, marcada pela grande mobilidade populacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARANOWSKI, M. Sociophonetics. In: BAYLEY, R.; CAMERON, R.; LUCAS, C. (ed.). The Oxford Handbook of Sociolinguistics. Oxford: Oxford University Press, 2013. p. 403-424. DOI https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199744084.013.0020

BIASIBETTI, A. P. C. S. Produção e percepção das fricativas sibilantes em Porto Alegre/RS e Florianópolis/SC. 2018. 195 f. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-Graduação em Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

BRESCANCINI, C. R. A fricativa palato-alveolar e sua complexidade: uma regra variável. 2002. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

BOERSMA; P.; WEENINK, D. Praat: doing phonetics by computer [Programa de computador]. Versão 6.0.18, 2016.

ECKERT, P.; LABOV, W. Phonetics, phonology and social meaning. Journal of Sociolinguistics, v. 21, n. 4, p. 467–496, 2017. DOI https://doi.org/10.1111/josl.12244

FOULKES, P. Exploring social-indexical variation: a long past but a short history. Laboratory Phonology, v. 1, p. 5–39, 2010. DOI https://doi.org/10.1515/labphon.2010.003

FOULKES, P.; DOCHERTY, G. The social life of phonetics and phonology. Journal of Phonetics, v. 34, n. 4, p. 409–438, 2006. DOI https://doi.org/10.1016/j.wocn.2005.08.002

FOULKES, P.; SCOBBIE, J. M; WATT, D. Sociophonetics. In: HARDCASTLE, W. J; LAVER, J; GIBBON, F. E. (ed.). The Handbook of Phonetic Sciences, 2010. p. 703–754. DOI https://doi.org/10.1002/9781444317251.ch19

GOLDINGER, S. Words and voices: perception and production in an episodic lexicon. In: JOHNSON, K; MULLENNIX, J. (ed.). Talker Variability in Speech Processing. San Diego: Academic Press, 1997. p. 33–66.

JOHNSON, K. Speech perception without speaker normalization. In: JOHNSON, K; MULLENNIX, J. (ed.). Talker Variability in Speech Processing. San Diego: Academic Press, 1997. p. 145-165.

MENDES, R. B.; OUSHIRO, L. O paulistano no mapa sociolinguístico brasileiro. ALFA, v. 56, n. 2, p. 973-1001, 2012. DOI https://doi.org/10.1590/S1981-57942012000300011

OUSHIRO, L. Identidade na pluralidade: avaliação, produção e percepção linguística na cidade de São Paulo. 394 f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Semiótica e Linguística Geral, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

PEIRCE, J. W. PsychoPy: Psychophysics software in Python. Journal of Neuroscience Methods, v. 162, n. 1−2, 2007. DOI https://doi.org/10.1016/j.jneumeth.2006.11.017

PIERREHUMBERT, J. B. Exemplar dynamics: Word frequency, lenition, and contrast. In: BYBEE, J. L.; HOPPER, P. (ed.). Frequency effects and the emergence of lexical structure. John Benjamins, Amsterdam: 2001. p. 137–157. DOI https://doi.org/10.1075/tsl.45.08pie

RSTUDIO TEAM. RStudio: Integrated Development for R. RStudio, Inc., Boston, 2017. Disponível em: http://www.rstudio.com/

THOMAS, E. R. Sociophonetics: an introduction. Basingstoke, UK/New York: Palgrave, 2011. DOI https://doi.org/10.1007/978-1-137-28561-4

Downloads

Publicado

15.12.2019

Como Citar

BIASIBETTI, A. P. C. da S. Repercussões da metodologia de constituição de amostras sobre a percepção da variação fonética. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 13, n. 4, p. 1581–1595, 2019. DOI: 10.14393/DL40-v13n4a2019-10. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/46901. Acesso em: 27 nov. 2022.