A língua portuguesa como recurso da política externa brasileira à luz da diplomacia cultural

Autores

  • Alex Sandro Beckhauser Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL34-v12n2a2018-2

Palavras-chave:

Diplomacia Cultural, Centros Culturais Brasileiros, Língua Portuguesa, Política Externa

Resumo

O presente trabalho busca estabelecer um diálogo entre o campo das relações internacionais e da política linguística como forma de compreender a importância da língua portuguesa para a diplomacia cultural a fim de obter vantagens para a política externa brasileira e de promover uma boa imagem do Brasil. Buscar-se–á discutir por que o país priorizou a criação de Centros Culturais Brasileiros (CCBs) em países da América Latina e da África em vez de expandi-los para novas potências emergentes. Consideramos que a diplomacia brasileira tem apostado na divulgação de sua imagem para as aspirações internacionais, dentre elas: conquistar votos dos países em desenvolvimento para uma futura reforma do Conselho de Segurança da ONU.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUILAR, S. Diplomacia brasileira para a Paz. In: BRIGAGÃO, C.; FERNANDES, F. Uma cultura brasileira de missões de paz. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2012, p. 215-241.

BARBA, F. R. La diplomacia cultural de México. Real Instituto El Cano. Disponível em: http://www.realinstitutoelcano.org/wps/wcm/connect/f3d637804f0198e48e22ee3170baead1/ARI78_2008_Rodriguez_diplomacia_cultural_Mexico.pdf?MOD=AJPERES Acesso em: 05 maio 2017.

BIJOS, L.; ARRUDA, V. Diplomacia cultural como instrumento de política externa brasileira. Revista Diálogos: a cultura como dispositivo de inclusão, Brasília, v. 13, n., 1, 2010, p. 33-53,.

CALVET, L.-J. As políticas Linguísticas. Tradução: Isabel de Oliveira Duarte; Jonas Tenfen; Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editoria, 2007.

DINIZ, E. O Brasil e as Operações de Paz. In: ALTEMANI, H.; LESSA, A. C. (org). Relações Internacionais do Brasil - Temas e Agendas. Volume 2. São Paulo: Saraiva, 2006, p: 303-337.

DINIZ, L. R. A. Política lingüística do Estado brasileiro na contemporaneidade: a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior. 2012. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas: Campinas. 2012.

DUMONT, J.; FLÉCHET, A. “Pelo que é nosso!”: a diplomacia cultural brasileira no século XX. Revista Brasileira de História. São Paulo, V. 34, nº 67, 2014, p. 203-221,.

FRANCO, S. de B. A língua age: política externa brasileira e a difusão da língua portuguesa no governo lula (2003-2010). Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, 2015

FERREIRA, R. M. L. A política brasileira de expansão cultural no Estado Novo (1937-45). 2006. Dissertação de Mestrado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2006.

G. SANTOS, L. C. Vi. América do Sul no discurso diplomático brasileiro. Brasília: Fundação Alexandre de Guzmão, 2014.

GARCIA, M. A. Prefácio. In: BRIGAGÃO, C.; FERNANDES, F. Uma cultura brasileira de missões de paz. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2012, p. 15-18.

GIL, G. Cultura, diversidade e acesso. In: BRIGAGÃO, C.; FERNANDES, F. Uma cultura brasileira de missões de paz. Fundação Alexandre de Guzmão: Brasília, 2012.

ITAMARATY. O Brasil e o Conselho de Segurança da ONU. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/politica-externa/paz-e-segurancainternacionais/137-o-brasil-e-o-conselho-de-seguranca-das-nacoes-unidas. Acesso em: 10 jul. 2017.

KURLATZICK, J. Charm offensive: how China’s soft power is transforming the world. New York: Yale University, 2007.

LIMA, A. C. de. Copa da Cultura: o campeonato mundial de futebol como instrumento para a promoção da cultura brasileira no exterior. Brasília: Fundação Alexandre de Guzmão, 2013.

MIYAMOTO, S. O Brasil e a comunidade dos países de língua portuguesa. Revista Brasileira de Política Internacional. 52 (2), 2009, p. 22-42. https://doi.org/10.1590/S0034-73292009000200002

NYE JR., J. S. O paradoxo do poder americano: por que a única superpotência do mundo não pode prosseguir isolada. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 2002.

OLIVEIRA, G. M. Política linguística e internacionalização: a língua portuguesa no mundo globalizado do século XXI. In: Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, n. 52(2), 2013, p. 409-433. https://doi.org/10.1590/S0103-18132013000200010

RIBEIRO, E. T. Diplomacia Cultural: seu papel na política externa brasileira. Brasília: Fundação Alexandre de Guzmão. 2011 [1989].

ROCHA, R. Quantas línguas falas - plurilinguismo e economia das línguas: o caso da língua portuguesa na China. Administração. N. 101, V. XXVI, 2013, p. 781-789.

SARDEMBERG, R. M. O Brasil e as Nações Unidas. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2013.

VEKLITCH, A. Estudantes Russos celebram língua portuguesa. Gazeta Russa. Disponível em: https://gazetarussa.com.br/arte/2014/05/01/estudantes_russos_celebram_lingua_portuguesa_25409 Acesso em: 30 mar2017.

Downloads

Publicado

29-06-2018

Como Citar

BECKHAUSER, A. S. A língua portuguesa como recurso da política externa brasileira à luz da diplomacia cultural. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 784–802, 2018. DOI: 10.14393/DL34-v12n2a2018-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40322. Acesso em: 16 ago. 2022.