Resultados iniciais de uma abordagem investigativa sociocultural pedagógica ao PHL

educadores e as iniciativas

Autores

  • Felicia Jennings-Winterle Brasil em Mente (NYC-EUA).
  • Natalia Coimbra de Sá Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
  • Priscilla de Almeida Nogueira Universidade de São Paulo (USP).

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL34-v12n2a2018-19

Palavras-chave:

Português como Língua de Herança, Vitalidade de Línguas de Herança, Perspectiva sócio-cultural-pedagógica

Resumo

Um número crescente de programas educacionais que promovem o Português como Língua de Herança (PLH) pode ser encontrado em todo o mundo. Com uma relevância relativamente nova para o campo das Línguas de Herança (LH), ainda de modo incomparável aos movimentos de espanhol, coreano ou mandarim, essa expansão mostra o nível de conscientização sobre a importância da transmissão intergeracional das línguas minoritárias entre membros da comunidade brasileira. Esse desenvolvimento traz à luz questões fundamentais: como esse movimento tem se desenvolvido e há quanto tempo? O que está sendo ensinado pelas instituições envolvidas e quais métodos têm sido aplicados? Qual o nível de comprometimento delas? Estão preparadas para ensinar e cultivar a língua e a cultura do Brasil? Os educadores entendem a interconectividade entre língua, cultura, identidade, hibridização e bilinguismo. Um estudo longitudinal-latitudinal em andamento, conduzido por membros de um grupo de estudo vem mapeando programas de PLH, pesquisando, entrevistando educadores e observando o desenvolvimento de seus projetos. O objetivo deste trabalho é discutir resultados iniciais e responder a algumas das questões mencionadas por meio de uma perspectiva sociocultural pedagógica. Descreveremos como os educadores têm desenvolvido suas práticas e como podem contribuir com o campo de estudos das Línguas de Herança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felicia Jennings-Winterle, Brasil em Mente (NYC-EUA).

MA in Music Education, New York University

Founder and Educational Director at Brasil em Mente

Grupo de estudos sobre a linguagem, USP (Brazil)

Natalia Coimbra de Sá, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Professora Adjunta no Departamento de Ciências Humanas (DCH-I) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Campus Salvador. Pós-doutora pelo PDE/CAPES no Institute of Latin American Studies (ILAS) da Columbia University em Nova Iorque (EUA). Doutora pelo Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal da Bahia (2011). Estágio de doutorado no exterior (doutorado sanduíche) na Columbia University de Nova Iorque (Estados Unidos). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Urbano (PPDRU/Análise Regional) da Universidade Salvador (2007). Especialista em Gerenciamento Ambiental pela Universidade Católica do Salvador (2004). Possui graduação em Turismo pela Universidade Salvador (2002). Vice-líder do Grupo Multidisciplinar Sociedade Solidária, Espaço, Educação e Turismo - SSEETU (UNEB/CNPq). Membro do grupo de pesquisa Espetáculos Culturais e Sociedade - ECUS (UFBA/CNPq). Membro do grupo de pesquisa Turismo e Meio Ambiente - GPTURIS (UNIFACS/CNPq).

Priscilla de Almeida Nogueira, Universidade de São Paulo (USP).

MA in Linguistics, University of São Paulo (USP)

PhD student at University of São Paulo (USP)

PhD Researcher, FAPESP

Referências

BAKER, C.; JONES, S. P. Encyclopedia of bilingual education and bilingualism. Clevedon, UK: Multilingual Matters, 1998.

BESSERA, B. Brasileiros nos Estados Unidos: Hollywood e outros sonhos. Fortaleza/São Paulo/Santa Cruz: Editora UFC/UNISC/HUCITEC, 2005.

BORUCHOWSKY, I. Curriculum development in a heritage language community-based school: a qualitative inquiry regarding a Brazilian-Portuguese program in south Florida. Master’s Thesis. Miami, Florida International University, 2014.

BORUCHOWSKY, I. D.; LICO, A. L. Como Manter e Desenvolver o Português Língua de Herança. Brasil em Mente, 2014. Dia do Português como Língua de Herança. Disponível em: http://www.brasilemmente.org/dia-do-portuguecircs-como-liacutengua-de-heranccedila.html. Acesso em: 12 ago. 2016.

BRASIL EM MENTE. Mapeamento de iniciativas pelo português como língua de herança. Pelo Mundo. Brasil em Mente, 2015. Disponível em: http://www.brasilemmente.org/pelo-mundo.html. Acesso em: 12 ago. 2016.

BRASIL EM MENTE. 4a Conferência sobre o ensino, promoção e manutenção do PLH. 2015. Disponível em: http://www.brasilemmente.org/4cplh---conferecircncia-sobre-o-ensino-do-portuguecircs-como-liacutengua-de-heranccedila.html. Acesso em: 14 ago. 2016.

BRASILEIRO, I. The effects of Bilingualism on Children's Perception of Speech Sounds. Utrecht: LOT, 2009.

BRINTON, D.; KAGAN, O.; BAUCKUS, S. (Eds.). Heritage language education. A new field emerging. New York: Routledge, 2008.

CORSON, D. Community-based education for indigenous cultures. In: MAY, S. (Ed.). Indigenous community-based education. Clevedon, UK: Multilingual Matters, 1999, p. 8-19.

CHULATA, K. A. (Org.). Português como Língua de Herança: Discursos e percursos. Lecce: Pensa, 2015.

FALKOWSKI, A. Fundação Movimento Educacionista dos E.U.A/Educationist Movement Foundation USA: A Preservação da Língua Portuguesa e da Cultura Brasileira. Portuguese Language Journal, Vol 5, 2011, Fall.

FANECA, R. M. Aprendizagem e Representações da Língua Portuguesa por Lusodescendentes. Aveiro: Edição da Universidade, 2011. Disponível em: https://www.academia.edu/21569862/Aprendizagem_e_representa%C3%A7%C3%B5es_do_portugu%C3%AAs_l%C3%ADngua_de_heran%C3%A7a_por_lusodescendentes_em_Fran%C3%A7a_em_contextos_n%C3%A3o_formais. Acesso em: 20 set. 2016.

FANECA, R. M. Aprendizagem e representações do português como língua de herança por lusodescendentes em França em contextos não formais. Indagatio Didactica, 5 (3), 2013. p. 29-49.

FANECA, R. M. Aprendizagem e representações do Português Língua de Herança em França. In: MELO-PFEIFER, S. Didática do Português como Língua de Herança. Lisboa: Lidel, 2016. p. 132-153

FLEISCHER, S. R. Passando a América a limpo: O trabalho de housecleaners brasileiras em Boston. São Paulo: Annablume, 2002.

FLORES, C.; MELO-PFEIFER, S. O conceito “Língua de Herança” na perspectiva da Linguísica e da Didática de Línguas: considerações pluridisciplinares em torno do perfil linguístico das crianças lusodescendentes na Alemanha. Domínios de Lingu@gem, v. 8, n. 3, 2014, p. 16-45.

FUNIBER. A importância da formação para o ensino da língua de herança. FuniBlogs, 2015. Disponível em: http://blogs.funiber.org/pt/formacao-professores/2015/10/28/funiber-importancia-formacao-ensino-lingua-de-heranca#more-8233. Acesso em: 20 set. 2016.

GOMES, J. A criatividade como meio para as aulas de PLH: O trabalho com brasileirinhos na região da Catalunha, Espanha. In: JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C.(Orgs.). Português como Língua de Herança: a filosofia do começo, meio e fim. New York: BeM, 2015, p. 176-192.

GONÇALVES, L. Português como Língua Estrangeira, de Herança e Materna: abordagens, contextos e práticas. New Jersey: Boa Vista Press, 2016.

GONTIJO, V.; SILVA, G. V.A ansiedade no aprendizado de PLE e PLH. In: DA SILVA, K. A.; DOS SANTOS, D. T. (Eds.). Português como língua (inter)nacional: as suas faces e interfaces. São Paulo: Pontes, 2013, p. 47-67.

HAINO, S. O recurso linguístico da segunda geração dos brasileiros na sociedade japonesa. Portuguese Language Journal, (6), Fall, p. 47 – 67, 2012.

HATANO, L. T. Brazilan Children Education in Japan - Challenges for the next 10 years, ‘A Educação de Crianças Brasileiras no Japão - Desafios para os Próximos 10 anos’ “20 Anos dos Brasileiros no Japão”, Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG), 2010.

INSTITUTO CAMÕES. Associated Schools and Centers. 2017. Disponível em: http://www.instituto-camoes.pt/en/activity-camoes/what-we-do/teach-portuguese/associated-schools-and-centres. Acesso em: 20 set. 2017.

JENNINGS-WINTERLE, F. Brasil em Mente: O Brasil para os brasileirinhos e suas famílias multiculturais. Portuguese Language Journal, (5), Fall, 2011.

JENNINGS-WINTERLE, F. Quem são e quais são os envolvidos no Português como Língua de Herança. Plataforma Brasileirinhos. 2013. Disponível em: https://brasileirinhos.wordpress.com/2012/05/11/o-papel-da-mae-no-bilinguismo/. Acesso em: 06 mai. 2017.

JENNINGS-WINTERLE, F. A musicalização: um meio para o ensino e desenvolvimento do português como língua de herança. In: CHULATA, K. A. (Org.). Português como Língua de Herança: discursos e percursos. Lecce: Pensa, 2015, p. 101-119.

JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. (Orgs.). Português como Língua de Herança: a filosofia do começo, meio e fim. New York: BeM, 2015.

JENNINGS-WINTERLE, F. Uma luta. Plataforma Brasileirinhos. 2016. Disponível em: https://brasileirinhos.wordpress.com/2016/03/08/umaluta/. Acesso em: 06 mai. 2017.

JOUËT-PASTRÉ, C. Mapping the World of the Heritage Language Learners of Portuguese: Results from a National Survey at the College Level. Portuguese Language Journal, (5), Fall, 2011.

LICO, A. L. Ensino do Português como Língua de Herança: Prática e Fundamentos. Revista SIPLE, 2 (1). 2011a. Disponível em: http://www.siple.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=177:2-ensino-do-portugues-como-lingua-de-heranca-pratica-e-fundamentos&catid=57:edicao-2&Itemid=92. Acesso em: 12 ago. 2016.

LICO, A. L. Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Portuguese Language Journal, (5), Fall, 2001b.

LIMA-HERNANDES, M. C. Sociolinguística e Línguas de Herança. In: FERRAREZI JÚNIOR, C.; MOLLICA, M. C. (orgs.). Sociolinguística, Sociolinguísticas: Uma introdução. São Paulo: Editora Contexto, 2016.

LO BIANCO, J.; PEYTON, J. Vitality of Heritage Languages in the United States: The Role of Capacity, Opportunity, and Desire. Heritage Language Journal, 10 (3), i—viii, 2013.

MACHADO, A. M. Em casa, na minha língua. In: II Conferência sobre o ensino, promoção e manutenção do Português como Língua de Herança. Brasil em Mente. New York, 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=AcuqDXoVMDA. Acesso em: 14 ago. 2016.

MARGOLIS, M. L. Little Brazil: Imigrantes brasileiros em Nova York. (L. A. Araújo & T. Bugel, Trans.). Campinas: Papirus, 1994.

MARGOLIS, M. L. Na virada do milênio: A emigração brasileira para os Estados Unidos. In: MARTES, C. B.; FLEISCHER, S. R. (Orgs.). Fronteiras cruzadas: etnicidade, gênero e redes sociais. São Paulo: Paz e Terra, 2003, p. 51-72.

MARGOLIS, M. L. Brazilian immigration to the United States: research and issues for the new millennium. In: JOUËT-PASTRÉ, C. & BRAGA, L. J. (Eds.). Becoming Brazuca: Brazilian immigration to the United States. Cambridge; London: Harvard University David Rockefeller Center for Latin American Studies, 2008, p. 339-363.

MARGOLIS, M. L. An invisible minority: Brazilians in New York City. Gainesville: University Press Florida, 2009.

MARGOLIS, M. L. Goodbye, Brazil: Emigrantes brasileiros no mundo. São Paulo: Contexto, 2013.

MARTES, A. C. B. Brasileiros nos Estados Unidos: Um estudo sobre imigrantes em Massachusetts. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

MELO-PFEIFER, S.; SCHMIDT, A. Linking Heritage Language Education and Multilingual Repertoires Development: a Case Study with Portuguese Pupils in Germany. In: PIEPER, I.; BYRAM, M.; FLEMING, M. (Eds.). L1 Education Studies on Language and Literature, 12, 2012, p. 1-30.

MELO-PFEIFER, S. The role of the family in heritage language use and learning: Impact on Heritage Language Policies. International Journal of Bilingual Education and Bilingualism, 1, p. 1-19, 2014.

MELO-PFEIFER, S. Didática do Português como Língua de Herança. Lisboa: Lidel, 2016.

MENDES, E. Vidas em português: perspectivas culturais e identitárias em contexto de Português Língua de Herança. Revista do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (Platô), Vol 1, (2), 2012.

MENDES, E. Ensino e formação de professores de português como língua de herança: Revisitando ideias, projetando ações. In: CHULATA, K. A. (Org.). Português como Língua de Herança: discursos e percursos. Lecce: Pensa, 2015, p. 79-100.

MILLERET, M.; RISNER, M. (Eds.). A handbook for Portuguese instructors in the US. New Jersey: Boa Vista, 2017.

MORONI, A. Planejamento Linguístico + Políticas Linguísticas: muito prazer. Plataforma Brasileirinhos, 2013. Disponível em: https://brasileirinhos.wordpress.com/2013/09/02/planejamento-linguistico-politicas-linguisticas-familiares-muito-prazer/. Acesso em: 14 ago. 2016.

MORONI, A. PLH: o começo de um movimento? In: JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. (Orgs.). Português como Língua de Herança: a filosofia do começo, meio e fim. New York: BeM, 2015, p. 28-55.

MORONI, A. S. Português como língua de herança na Catalunha: representações sobre identificação, proficiência e afetividade. Doctoral Dissertation. Campinas: Unicamp, 2017.

MORONI, A.; GOMES, J. A. El Português como Lengua de Herencia hoy y el trabajo de la Associação de Pais de Brasileirinhos na Catalunha. Revista de Estudios Brasileños, Vol 2, (2), p. 21 – 36, 2015.

MOTA, K. Aulas de português fora da escola: famílias imigrantes brasileiras, esforços de preservação da língua maternal. Cad. CEDES, 24, (63), 2004.

MOTA, K. Imigrantes, bilinguismos e identidades: Narrativas auto-biográficas. Salvador: Eduneb, 2010.

National Heritage Language Resource Center. Second International Conference on Heritage / Community Languages. 2014. Disponível em: http://international.ucla.edu/nhlrc/events/conference/2nd/home. Acesso em: 06 mai. 2017.

NOGUEIRA, P. Portuguese as heritage language and the imprecision syntactic encoding. Theory and Practice of Second Language Acquisition (TPSLA). (in press)

PIIPO, J. As línguas de herança no contexto finlandês: o caso do português na área metropolitana de Helsínquia. In: CHULATA, K. A. (ed.) Português como língua de herança: Discursos e percursos. Lecce: Pensa Multimedia Editore, 2015, p. 35-58.

PIIPO, J. Línguas Maternas no Ensino Básico Finlandês: Práticas Didáticas dos Professores de Português. In: MELO-PFEIFER, S. Didática do Português como Língua de Herança. Lisboa: Lidel, 2016, p. 176-203.

RIBEIRO, G. L. O que faz o Brasil, Brazil: jogos identitários em São Francisco. In: REIS, R. R.; SALES, T.(Org.). Cenas do Brasil migrante. São Paulo: Boitempo Editorial, 1999, p. 45-85.

ROCHA, C. O papel dos pais na transmissão de Língua de Herança: planejamento e prática. In: JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. (Orgs.). Português como Língua de Herança: a filosofia do começo, meio e fim. New York: BeM, 2015, p. 82-100.

PEYTON, J. K.; RANARD, D. A.; McGINNIS, S. (Eds.). Heritage languages in America: Preserving a national resource. Washington, DC & McHenry, IL: Center for Applied Linguistics & Delta Systems, 2001.

POLINSKY, M. Heritage language and their speakers: state of the field, challenges, perspectives for future work and methodologies. Zeitschrift fuer Fremdsprachwissenschaft, 26, p. 7-27, 2015.

SÁ, N. C. Espetáculos culturais brasileiros na cidade de Nova York: múltiplas perspectivas. Doctoral Dissertation. Salvador: UFBA, 2011.

SALES, T. Brasileiros longe de casa. São Paulo: Cortez, 1999a.

SALES, T. Identidade étnica entre os imigrantes brasileiros na região de Boston, EUA. In: REIS, R. R.; SALES, T. (Orgs.). Cenas do Brasil migrante. São Paulo: Boitempo Editorial, 1999b, p. 17-44.

SARTIN, E. B. G. O português de herança em território fronteiriço: a LH em Olivença como arma para preservação de um grupo minoritário. Doctoral Dissertation. São Paulo: USP, 2016.

SEPOLH. Simpósio Europeu sobre o Ensino de Português como Língua de Herança. 2017. Disponível em: http://www.sepolh.eu. Acesso em: 20 set. 2017.

SHIN, S. Bilingualism in Schools and Society: Language, Identity, and Policy. New York: Routledge, 2013.

SERPA, M. L; LIRA, S. A. Portuguese as Heritage Language in Public and Private K-12 Schools. Portuguese Language Journal, Massachusetts, (5), Fall. 2011.

SILVA, G. V. On Starting a Course Sequence for Heritage Learners of Portuguese. Portuguese Language Journal, (4), Fall, 2010.

SILVA, G. V. O fim é apenas o começo: o ensino de português língua de herança para adultos e adolescentes. In: JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. (Eds.). Português como língua de herança: A filosofia do começo, meio e fim. New York: Brasil em Mente, 2015, p. 234-247.

SILVA, G. V. O ensino de gramática para aprendizes de português como língua de herança. In: GONÇALVES, L. (Ed.). Fundamentos do ensino de português como língua estrangeira. Roosevelt, NJ: Boavista Press, 2016, p. 345-360.

SILVA-SASSER, V. Projeto Contadores de Estórias: Uma história de sucesso. Portuguese Language Journal, (5), Fall, 2011.

SOARES, S. C. Português como Língua de Herança: da Teoria à Prática. Master’s Thesis. Porto: Faculdade de Letras, Universidade do Porto, 2012.

SOUZA, A. “Should I speak Portuguese or English?” Ethnic and social identity construction in the language choices of Brazilian mothers and their mixed-heritage children at home and in a community language school in UK. Doctoral Dissertation. Universidade de Southampton, 2006.

SOUZA, A.; BARRADAS, O. Português como língua de herança: políticas linguísticas na Inglaterra. Revista SiPLE, 2013.

SOUZA, A. How linguistic and cultural identities are affected by migration. Language Issues, 19 (1), p. 36-42, 2008.

SOUZA, A. Language choice ad identity negotiations in a Brazilian Portuguese community school. In: LYTRA, V.; MARTIN, P.(Eds.). Sites of Multilingualism: Complementary schools in Britain today, 2010a, p. 97 – 107.

SOUZA, A. Migrant Languages in a multi-ethnic scenario: Brazilian Portuguese-speakers in London. Portuguese Studies, 26 (1), p. 79-93, 2010b.

SOUZA, A. Facebook: a medium for the language planning of migrant churches. Tilburg Papers in Culture Studies, paper 145, 2015a.

SOUZA, A. Motherhood in migration: A focus on family language planning. Women's Studies International Forum. 2015b.

SOUZA, A. Português Como Língua de Herança em Londres: Recortes em Casa, na Igreja e na Escola. Campinas, São Paulo: Pontes, 2015c.

SOUZA, A. Is Brazilian Portuguese being taught as a community or heritage language? Language Issues, 27 (1), p. 21-28, 2016.

UCLA International Institute. Community-Based Heritage Language Schools. 2017. Disponível em: http://www.international.ucla.edu/institute/event/12505. Acesso em: 20 set. 2017.

VAN DEUSEN-SHOLL, N. Towards a definition of Heritage Language: Sociopolitical and Pedagogical Considerations. Journal of Language, Identity, and Education, 2 (3), New York: Routledge, p. 211-230, 2003.

VAN DEUSEN-SHOLL, N.; MAY, S. Introduction to Volume “Second and Foreign Language Education”. In: VAN DEUSEN-SHOLL, N.; MAY, S. Encyclopedia of Language and Education, Cham, Switzerland, Springer, pp. ix – xxii, 2017.

WILEY, T. G. On defining heritage languages and their speakers. In: PEYTON, J. K.; RANARD, D. A. & McGINNIS, S. (Eds.). Heritage languages in America: Preserving a national resource. Washington, DC & McHenry, IL: Center for Applied Linguistics & Delta Systems, 2011, p. 29-36.

WILEY, T. G. Literacy and language diversity in the United States. (2nd ed.). Washington, DC: Center for Applied Linguistics, 2005.

ZORZELLA, K. Criando memórias brasileiras - Falantes de herança que aprendem brincando. Portuguese Language Journal, 5, Fall, 2011.

Downloads

Publicado

29-06-2018

Como Citar

JENNINGS-WINTERLE, F.; COIMBRA DE SÁ, N.; DE ALMEIDA NOGUEIRA, P. Resultados iniciais de uma abordagem investigativa sociocultural pedagógica ao PHL: educadores e as iniciativas. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 1180–1209, 2018. DOI: 10.14393/DL34-v12n2a2018-19. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40067. Acesso em: 16 ago. 2022.