O papel do progenitor não brasileiro na transmissão do PLH

suas práticas linguísticas e o impacto na proficiência dos filhos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL34-v12n2a2018-21

Palavras-chave:

Catalunha, Português como Língua de Herança, Políticas linguísticas familiares, Progenitores não brasileiros, Afetividade

Resumo

Este artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa qualitativa realizada na Catalunha, Espanha, entre 2013 e 2017, com adultos vinculados a uma associação de famílias que promove o Português como Língua de Herança (PLH). Nele, a partir principalmente de entrevistas semiestruturadas, analisa-se o papel dos progenitores não brasileiros no projeto de transmissão do PLH em famílias mistas (nas quais um progenitor é brasileiro, o outro, não) em três situações: 1) o progenitor não brasileiro adota o português como sua principal língua de interação com os filhos; 2) o progenitor não brasileiro não fala, mas entende o português, o que permite que a língua seja usada em interações com os outros membros da família; e 3) o progenitor não brasileiro não fala nem entende português. São apresentadas algumas informações sobre o contexto bilíngue catalão-castelhano da Catalunha, pois se acredita que as ideologias linguísticas da sociedade podem influenciar no modo como as famílias se posicionam em relação ao PLH. Os resultados ajudam a desmistificar duas ideias: que as mães seriam as principais responsáveis pela transmissão linguística intergeracional e que o papel dos “falantes nativos” seria mais importante que o dos “não nativos” nesse projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreia Sanchez Moroni, Universidade de Barcelona, Unicamp

Doutora em Linguística Aplicada (Unicamp) e Sociolinguística (Universidade de Barcelona), mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada (Universidade Autônoma de Barcelona). Pesquisa temas relacionados ao Português Língua de Herança.

Referências

ADICHIE, C. N. The danger of a single story. TED - Ideas worth spreading, 2009. Disponível em: https://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_ story. Acesso em: 28 Setembro 2017.

BAUMAN, Z. Identidade: Entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BLOMMAERT, J. Ethnography, Superdiversity and Linguistic Landscapes: Chronicles of Complexity. Bristol: Multilingual Matters, 2013. https://doi.org/10.21832/9781783090419

BOIX-FUSTER, E. Català o castellà amb els fills? La transmissió de la llengua en famílies bilíngües a Barcelona. Sant Cugat del Vallès: Rourich, 2009.

BOIX-FUSTER, E.; TORRENS GUERINI, R. M. (Eds.). Les llengües al sofà: El plurilingüisme familiar als països de llengua catalana. Lleida: Pagès, 2011.

BOURDIEU, P. Ce que parler veut dire. Paris: Fayard, 1982.

CATALUNHA. Anàlisi de l'Enquesta d'usos lingüístics de la població 2013. Resum dels factors clau. Barcelona: Departament de Cultura de la Generalitat de Catalunya, 2015.

CATALUNHA. Padró municipal d'habitants. Lloc de naixement. Institut d'Estadística de Catalunya, 2016. Disponivel em: https://www.idescat.cat/pub/?id=pmh&n=674. Acesso em: 25 Setembro 2017.

CURDT-CHRISTIANSEN, X. L. Invisible and visible language planning: ideological factors in the family language policy of Chinese immigrant families in Quebec. Language Policy, n. 8, p. 351-375, 2009.

DANTAS, H. A afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon. In: LA TAILLE, Y.; OLIVEIRA, M. K.; DANTAS, H. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992. p. 85-99.

DEL PRIORE, M. (Ed.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

DOMINGO, A. Catalunya al mirall de la immigració: Demografia i identitat nacional. Barcelona: l'Avenç, 2014.

DÖRNYEI, Z. Research Methods in Applied Linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2007.

ENGEL, M. Psiquiaria e feminilidade. In: DEL PRIORE, M. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2015. p. 322-361.

FALKOWSKI, A. Ação bilígue: perfil curricular – comunidade para o mundo. In: ORTIZ ALVAREZ, M. L.; GONÇALVES, L. O mundo do português e o português do mundo: especificidades, implicações e ações. Campinas: Pontes, 2016. p. 117-136.

FUKUDA, M. Els usos ligüístics de les famílies nipocatalanes. In: BOIX-FUSTER, E.; TORRENS, R. M. Les llengües al sofà: El plurilingüisme familiar als països de llengua catalana. Lleida: Pagès, 2011. p. 227-250.

GOMES, J. A. A criatividade como meio para as aulas de PLH. In: JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. Português como língua de herança: A filosofia do começo, meio e fim. Nova York: Brasil em Mente, 2015. Cap. 8, p. 176-191.

HALL, S. Cultural Representations and Signifying Practices. London: SAGE, 1997.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

HE, A. W. The Heart of Heritage: Sociocultural Dimensions of Heritage Language Learning. Annual Review of Applied Linguistics, v. 30, p. 66-82, 2010. https://doi.org/10.1017/S0267190510000073

HEATH, A. M. O portal mágico no ensino do PLH: O livro como meio. In: JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. Português como língua de herança: A filosofia do começo, meio e fim. Nova York: Brasil em Mente, 2015. Cap. 9, p. 194-211.

JAFFE, A. Multilingual citizenship and minority languages. In: MARTIN-JONES, M.; BLACKLEDGE, A.; CREESE, A. The Routledge Handbook of Multilingualism. Londres: Routledge, 2012. Cap. 4, p. 83-99.

LEMOS, C. T. G. Das vicissitudes da fala da criança e de sua investigação. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 42, p. 41-69, Janeiro-Junho 2002.

LICO, A. L. C. Família, escola e comunidade no no processo de ensino-aprendizagem de PLH: Do começo ao fim. In: JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. Português como língua de herança: A filosofia do começo, meio e fim. Nova York: Brasil em Mente, 2015. Cap. 10, p. 214-226.

LYNCH, A. The linguistic similarities of Spanish heritage and second language learners. Foreign Language Annals, v. 41, n. 2, p. 252-281, 2008. https://doi.org/10.1111/j.1944-9720.2008.tb03292.x

MASSIP, À.; BASTARDAS, A. (Eds.). Complèxica: Cervell, societat i llengua des de la transdisciplinarietat. Barcelona: Publicacions i Edicions de la Universitat de Barcelona, 2015.

MCROBERTS, K. Catalonia: Nation Building Without a State. Oxford: Oxford University Press, 2001.

MELCHOR, V. D.; BRANCHADELL, A. El catalán: Una lengua de Europa para compartir. Bellaterra: Universitat Autònoma de Barcelona, 2002.

MELO-PFEIFER, S. (Ed.). Didática do Português Língua de Herança. Lidel, 2016.

MORONI, A. Português como língua de herança: O começo de um movimento. In: JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. Português como língua de herança: A filosofia do começo, meio e fim. Nova York: Brasil em Mente, 2015. Cap. 1, p. 28-55.

MUNNÉ, F. La complexitat borrosa del llenguage. In: MASSIP, À.; BASTARDAS, A. Complèxica: Cervell, societat i llengua des de la transdisciplinarietat. Barcelona: Publicacions i Edicions de la Universitat de Barcelona, 2015. Cap. 9, p. 159-183.

PAVLENKO, A. Emotions and Multilingualism. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

PIIPO, J. As línguas de herança no contexto finlandês: O caso do português na área metropolitana de Helsínquia. In: CHULATA, K. D. A. Português como língua de herança: A filosofia do começo, meio e fim. Lecce: Pensa Multimedia, 2015. Cap. 2, p. 35-57.

PIIPO, J. Línguas maternas no ensino básico: espanhol e português na área metropolitana de Helsínquia. Helsínquia: Faculdade de Letras da Universidade de Helsínquia. Tese de doutorado, 2016.

SOUZA, A. How linguistic and cultural identities are affected by migration. Language Issues, 19, n. 1, 2008. 36-42.

SOUZA, A. Migrant Languages in a Multi-Ethinic Scenario: Brazilian Portuguese Speakers in London. Portuguese Studies, Cambridge, v. 26, n. 1, p. 79-93, 2010a.

SOUZA, A. Language choice and identity negotiations in a Brazilian Portuguese community school. In: LYTRA, V.; MARTIN, P. Sites of Multilingualism: Complementary Schools in Britain. Londres: Trentham, 2010b. p. 97-107.

SOUZA, A. Motherhood in migration: A focus on family language planning. Women's Studies International Forum, v. 52, n. 92-98, 2015. https://doi.org/10.1016/j.wsif.2015.06.001

SPRAGUE, J.; ZIMMERMAN, M. K. Overcoming Dualisms: A Feminist Agenda for Sociological Methodology. In: HESSE-BIBER, S. N.; LEAVY, P. Approaches to Qualitative Research. Oxford: Oxford University Press, 2004. p. 39-61.

VALDÉS, G. Introduction. In: SANDSTEDT, L. A. Spanish for Native Speakers: AATSP professional Development Series Handbook. Nova York: Harcourt College, v. 1, 2000.

VALDÉS, G. Heritage language students: Profiles and possibilities. In: PEYTON, J. K.; RANARD, D.; MCGINNIS, S. Heritage Languages in America: Preserving a National Resource. McHenry, IL; Whasington, DC: Delta Systems; Center for Applied Linguistics, 2001. p. 37-77.

VAN DEUSEN-SCHOLL, N. Towards a Definition of Heritage Language: Sociopolitical and Pedagogical Considerations. Journal of Language, Identity and Education, Nova York, v. 2, n. 3, p. 211-230, 2003.

VAN DIJK, T. A. Ideología y discurso. Barcelona: Ariel, 2003.

VILA I MORENO, F. X.; SOROLLA VIDAL, N. Els coneixements i els usos del català: una anàlisi sintètica. In: CATALUNYA, G. D.; CULTURA, D. D.; LINGÜÍSTIQUES, D. G. D. P. II Jornada sobre Llengua i Societat als Territoris de Parla Catalana. Calaceit: Departament de Cultura de la Generalitat de Catalunya, 2013. p. 185-191.

WALLON, H. Psicología y educación del niño. Madrid: Visor Libros, 1987.

WOOLARD, K. A. Las ideologías lingüísticas como campo de investigación. In: SCHIEFFELIN, B. B.; WOOLARD, K. A.; KROSKRITY, P. V. Ideologías lingüísticas: Práctica y teoría. Madri: Los Libros de la Catarata, 2012. p. 19-69.

YONAHA, T. Q.; MUKAI, Y. O português língua de herança (PLH) no contexto de emigrantes brasileiros no Japão: Breve descrição das crenças e ações de mães brasileiras. In: ORTIZ ALVAREZ, M. L.; GONÇALVES, L. O Mundo do Português e o Português no Mundo afora: especificidades, implicações e ações. Campinas: Pontes, 2016. p. 201-229.

ZURIQUE. Rahmenlehrplan für Heimatlich Sprache und Kultur (HSK) [Quado de Referência para o Ensino de Língua e Cultura de Herança]. Zurique: Volksschulamt Kanton Zürich, 2011.

Downloads

Publicado

29-06-2018

Como Citar

SANCHEZ MORONI, A. O papel do progenitor não brasileiro na transmissão do PLH: suas práticas linguísticas e o impacto na proficiência dos filhos. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 1233–1266, 2018. DOI: 10.14393/DL34-v12n2a2018-21. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40039. Acesso em: 26 maio. 2022.