Mídia, raça e a construção do suspeito

análise discursiva de notícia da Folha de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-21

Palavras-chave:

Produção da suspeita, Linguagem intervenção, Relações Étnico-Raciais, Gênero notícia, Análise do Discurso

Resumo

O presente artigo tem por objetivo refletir, desde uma visão enunciativa de linguagem (MAINGUENEAU, 2013) e de seu viés de intervenção (ROCHA, 2006; 2014), acerca da produção discursiva do processo de suspeição da pessoa negra e de sua condução à condição de “fora de lugar”, a partir de construções discursivas que a mídia tem feito desta população em diálogo com discursos que circulam em outras esferas como a das práticas policiais e da justiça. Partimos de compreensão da linguagem como prática social (BAKHTIN, 1995; 1997) que, situada sociohistoricamente e atravessada por relações de saber e poder (FOUCAULT, 2013; 2013a), não apenas representa, mas intervém em uma dada realidade. Com relação à questão racial, entendemos como Guimarães (2006; 2009), que esse processo resulta da colonização que expropriou o africano de sua humanidade e é reforçado nos discursos que visam a manter os privilégios do grupo hegemônico. Para tal, dialogando com pesquisa realizada por Paiva (2015), no acervo do jornal Folha de São Paulo, procedemos a uma análise discursiva de notícia selecionada. Os resultados indicam que, em nome da neutralidade e imparcialidade que tende a ser vista como característica do gênero notícia, ao apresentar os fatos, o jornal constrói e reafirma, seu posicionamento político alinhado a discursos hegemônicos enunciados por grupos dominantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Giorgi, CEFET/RJ

Concluiu o DOUTORADO em Estudos da linguagem (Letras) pela Universidade Federal Fluminense em 2012 e MESTRADO em Linguística (Letras) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 2005.

Fabio Sampaio de Almeida, CEFET/RJ

Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre em Letras, na área de concentração em Lingüística, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e bacharel e licenciado em Português/ Espanhol e respectivas literaturas pela mesma instituição. Atualmente é professor de língua portuguesa e espanhola do CEFET/RJ Petrópolis e Docente pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Relações

Maria Vitória Silva Paiva

Formação em Psicologia pela Universidade Paulistana (2001), Mestrado em Relações Etnicorraciais pelo CEFET-RJ(2015). Atua como Psicóloga com familiares impactados pelo uso abusivo de drogas de um ente no CRATOD - Centro de Referência de Tratamento de Álcool, Tabaco e outras Drogas. Psicóloga de casal e Família. Professora no Curso de Formação em Terapia Comunitária "Afinando a Vida"

Referências

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Editora HUCITEC, 1995.

_____. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARROS, J. da S. Racismo institucional: a cor da pele como principal fator de suspeição. 2006. 133 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política). Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes Editores, 1987.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2013.

_____. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2013a.

GUIMARÃES, A. S. A. Racismo e antirracismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2009. https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000200014

_____. (2006). Depois da democracia racial. Tempo Social, revista de sociologia da USP, 18(2), 269-287. Disponível em:

http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/12525/14302. Acesso em: 10 de abril de 2016.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2013.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona., 2014.

PAIVA, M. V. S. Se é negro é suspeito, se é suspeito é negro: uma análise discursiva da produção de suspeita em notícias da Folha de S. Paulo. 2014. 106 f. Dissertação (Mestrado em Relações Étnico-Raciais). Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, 2014.

RAMOS, S.; MUSUMECI, L. Elemento suspeito: abordagem policial e discriminação na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

ROCHA, D. Representação e intervenção: produção de subjetividade na linguagem. Gragoatá, Niterói, n. 21, p. 355-372, jul. 2006. Disponível em: http://www.gragoata.uff.br/index.php/gragoata/article/view/317/318. Acesso em: 05 de março de 2016.

_____. Representar e intervir: linguagem, prática discursiva e performatividade. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, n. 3, p. 619-632, set./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-76322014000300619&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 05 de março de 2016.

SANT´ANNA, V. L. de A. Mercosul em notícia: uma abordagem discursiva do mundo do trabalho. 2000. 276 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) LAEL-PUC/SP, São Paulo, 2000.

SANTOS. I. A. A. dos. Direitos humanos e as práticas de racismo. Brasília: Edições Câmara, 2013.

SCHUCMAN, L. V. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2013.

Downloads

Publicado

29.03.2018

Como Citar

GIORGI, M. C.; SAMPAIO DE ALMEIDA, F.; SILVA PAIVA, M. V. Mídia, raça e a construção do suspeito: análise discursiva de notícia da Folha de São Paulo. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 12, n. 1, p. 604–624, 2018. DOI: 10.14393/DL33-v12n1a2018-21. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/38761. Acesso em: 27 maio. 2024.