Jogos digitais para alfabetização

avaliando e reconfigurando o jogo “Batalha Naval”

Autores

  • Regina Cláudia Pinheiro Universidade Estadual do Ceará; Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
  • Graça Rosane Mendes Cavalcante Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP) Universidade Estadual do Ceará (UECE)
  • Nícolas Oliveira Amorim Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP) Instituto Federal do Ceará (IFCE)

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-23

Palavras-chave:

Jogos digitais, Atividades lúdicas, Leitura

Resumo

Neste artigo, propomo-nos a avaliar e reconfigurar o jogo digital “Batalha Naval” e verificar se e como ele se constitui como um instrumento propício para o desenvolvimento da leitura de alunos do Ensino Fundamental I. O referido jogo foi construído no projeto de pesquisa “Práticas Escolares para o Desenvolvimento do Letramento Digital - PREDLED”, que tem como um dos objetivos criar jogos e atividades que contribuam para a ampliação da leitura e da escrita de alunos da Educação Básica. Esta pesquisa caracteriza-se por ter uma abordagem de análise qualitativa e quantitativa, tendo como referências principais os autores Ferreiro (1995), Santos (1997), Tarouco, Roland, Fabre e Konrath (2004), Soares e Batista (2005), Ribeiro e Coscarelli (2009), Pery, Cardoso e Nunes (2010), Prensky (2012) e Luckesi (2014). Para a coleta de dados, utilizamos o jogo digital “Batalha Naval”, expondo-o nas redes sociais para ser jogado e avaliado através de uma enquete que continha perguntas relacionadas a instruções, feedback, funcionalidade, contextualização, leitura, ludicidade, possibilidades e desafios. Os resultados mostraram que o “Batalha Naval” é um jogo propício para ampliação do processo de leitura de alunos, podendo trazer benefícios para a alfabetização de crianças, no entanto, possuía algumas incoerências que foram reconfiguradas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Cláudia Pinheiro, Universidade Estadual do Ceará; Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e professora do Mestrado Interdisciplinar em História e Letras, da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Referências

ABREU, C. N.; KARAM, R. G.; GÓES, D. S.; SPRITZER, D. T. Dependência de Internet e de jogos eletrônicos: uma revisão. Revista Brasileira de Psiquiatria. v. 30, n. 2, 2008, p. 156-167. https://doi.org/10.1590/S1516-44462008000200014

ANTUNES, C. Jogos Para a Estimulação das Múltiplas Inteligências. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1999.

BRASIL, Sistema de Avaliação da Educação Básica – Edição 2015 – Resultados. Brasília: Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais , 2016

FERREIRO, E. Desenvolvimento da alfabetização: psicogênese. In: GOODMAN, Y. M. (org.). Como as crianças constroem a leitura e a escrita: perspectivas piagetianas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

LEMOS, L. L.; SANTANA, S. M. Dependência de jogos eletrônicos: a possibilidade de um novo diagnóstico psiquiátrico. Revista de Psiquiatria Clínica. v. 39, n. 1, 2012, p. 28-33. https://doi.org/10.1590/S0101-60832012000100006

LUCKESI, C. Ludicidade e Formação do Educador. Revista Entre ideias. V. 3, n. 2, p. 13-23, jul./dez, 2014.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 7. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PERY, L. C.; CARDOSO, S. P.; NUNES, W. V. J. S. (Ed.). In: Congresso Ibero-americano de Informática Educativa. Anais... Volume 1, Santiago de Chile, 2010, p. 107-113.

PRENSKY, M. Aprendizagem baseada em jogos digitais. Tradução de Eric Yamagute; São Paulo: Editora SENAC, 2012.

RIBEIRO, A. L; COSCARELLI, C. V. Jogos Online para Alfabetização: o que a Internet oferece hoje. In: III ENCONTRO NACIONAL SOBRE HIPERTEXTO. Anais... Belo Horizonte/MG, outubro de 2009.

SALLES, J. F.; CORSO, H. V. Relação entre leitura de palavras isoladas e compreensão de leitura textual em crianças. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 44, n. 3, jul./set. 2009, p. 28-35.

SANTOS, S. M. P. dos. O Lúdico na Formação do Educador. Vozes: Petrópolis, 1997.

SANTOS, B. F. 48% das escolas não têm computador para uso do aluno. Estadão: São Paulo, 21 de julho de 2014. Disponível em: http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,48-das-escolas-nao-tem-computador-para-uso-do-aluno,1531623. Acesso em: 13/03/2018.

SOARES, M. B. BATISTA, A. A. G. Alfabetização e letramento: caderno do professor. Horizonte: Ceale/FaE/UFMG, 2005.

TAROUCO, L. M. R.; ROLAND, L. C.; FABRE, M. C. J. M.; KONRATH, M. L. P. Jogos Educacionais. Novas Tecnologias na Educação. V. 2, n. 1, Março, 2004.

VILAÇA, M. L. C. Pesquisa e Ensino: Considerações e Reflexões. Revistas Escrita. Volume 1, n. 2, Maio/Ago. de 2010.

Downloads

Publicado

05-04-2018

Como Citar

PINHEIRO, R. C.; CAVALCANTE, G. R. M.; AMORIM, N. O. Jogos digitais para alfabetização: avaliando e reconfigurando o jogo “Batalha Naval”. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 653–680, 2018. DOI: 10.14393/DL33-v12n1a2018-23. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/38614. Acesso em: 19 maio. 2022.