Sujeitos, Tópicos e Tópicos-Sujeito no Português Brasileiro Contemporâneo

uma nova perspectiva de análise a partir da fatoração de EPP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-1

Palavras-chave:

Sujeito Preenchido, Fatoração de EPP, Língua de sujeito nulo parcial

Resumo

Neste trabalho, analisamos sintaticamente construções do português brasileiro contemporâneo com a posição à esquerda do verbo preenchida lexicalmente por sujeitos, tópicos ou tópicos-sujeito. Segundo variados estudos, essa língua tem deixado de autorizar sujeitos nulos, diferentemente do português europeu. Seguindo pressupostos da teoria gerativa (CHOMSKY, 1995, 2005), a partir da investigação descritiva e qualitativa de dados de oralidade, propomos a fatoração do traço ininterpretável EPP, responsável pela ocupação lexical do sujeito – Spec-TP –, em quatro traços: [uP], [uD], [uFoc] e [uTop]. A subdivisão de EPP permite explicar a emergência e a variação de XPs “juntados” à posição de sujeito no PB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christiane Miranda Buthers, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduada em Letras pela UEMG (Carangola)

Especialista em Língua Portuguesa pela UNIGRANRIO.

Mestre em Linguística Teórica e Descritiva pela UFMG.

Doutoranda em Linguística Teórica e Descritiva pela UFMG.

Referências

ALEXIADOU, A.; ANAGNOSTOPOULOU, E. Parametrizing AGR: word order, V-movement, and EPP-checking. Natural Language & Linguistic Theory, vol.16, n.3, p. 491-539, 1998. https://doi.org/10.1023/A:1006090432389

AVELAR, J. O.; CYRINO, S. Locativos preposicionados em posição de sujeito: uma possível contribuição das línguas Bantu à sintaxe do português brasileiro. Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, v. 3, p. 49-65, 2009.

_____; GALVES, C. Tópico e concordância em português brasileiro e português europeu. Textos Seleccionados, XXVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, p. 49-65, 2011.

ARAÚJO, E. As construções de tópico. In: LUCCHESI, D; BAXTER, A; RIBEIRO, I. (Ed.). O português afro-brasileiro. Salvador: UFBA, p. 231-250, 2009.

BENVENISTE, E. Subjectivity in language. In: Problems in general linguistics 1, 1971.

BERLINCK, R. A.; DUARTE, E.; OLIVEIRA, M. Predicação. In: KATO, M. A. (Org.) Gramática do português culto falado no Brasil – Vol. 3: A construção da sentença. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

BHAT, D. N. S. Pronouns. Oxford: Oxford University Press, 2004.

BUTHERS, C. M.; DUARTE, F.B. Português Brasileiro: uma língua de sujeito nulo ou de sujeito obrigatório? Revista Diacrítica, v. 26, n. 1, p. 64-88, 2012.

_____. Emergência da ordem [XP V (DP)] no Português Brasileiro Contemporâneo e o Parâmetro do Sujeito Nulo: uma abordagem minimalista. Belo Horizonte, MG, 2009. 163f. Dissertação (Mestrado em Linguística Teórica e Descritiva). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2009.

CHOMSKY, N. Lectures on government and binding. Dordrecht: Foris, 1981.

______. The Minimalist Program. Cambridge: The MIT Press, 1995.

______. On Phases. Ms. MIT, Cambridge, MA. 2005. https://doi.org/10.7551/mitpress/9780262062787.003.0007

______. Derivation by phase. In: KENSTOWICZ, M. A life in language, 1–52. Cambridge, Mass.: MIT Press, 2001.

______. On phases. In: FREIDIN, R.; OTERO, C.; ZUBIZARRETA, M. L., eds., Foundational issues in linguistic theory, 133–166. Cambridge, Mass.: MIT Press, 2008.

COSTA, J.; GALVES, C. Peripheral subjects in two varieties of Portuguese: evidence for a non-unified analysis. 2001. Disponível em: http://www.tycho.iel.unicamp.br/~tycho/pesquisa/artigos/COSTA_Jetal-Fase1a.pdf. Acesso em: 23 mar. 2010.

COSTA, J. Variação PE-PB sem configuracionalidade discursiva: argumentos adicionais para a primazia da sintaxe. In LOBO, T.; CARNEIRO, Z.; SOLEDADE, J.; ALMEIDA, A.; RIBEIRO, S. (orgs.). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias [online]. Salvador: EDUFBA, pp. 109-122, 2012.

COSTA, I. O.; RODRIGUES, E. S.; AUGUSTO, M. R. A. Concordância com tópico: o caso dos verbos meteorológicos em relativas cortadoras. ReVEL, edição especial n. 6, 2012.

DUARTE, M. E. L. Do pronome nulo ao pronome pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil. In: ROBERTS, I.; KATO, M. A. (orgs.). Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. p. 107-128. Editora da Unicamp: Unicamp, 1993.

______. A Perda do Princípio “Evite Pronome” no Português Brasileiro. Campinas: UNICAMP. Tese de Doutorado, 1995.

_____. O sujeito expletivo e as construções existenciais. Português brasileiro-contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: Viveiros de Castro, p. 123-131, 2003.

FIGUEIREDO SILVA, M. C. A Posição Sujeito no Português Brasileiro: frases finitas e infinitivas. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.

GALVES, C. M. C. “O Enfraquecimento da Concordância no Português Brasileiro”. In: ROBERTS, I.; KATO, M.A. Português Brasileiro: Uma viagem diacrônica. 2ª ed. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1993.

HOLMBERG, A. Scandinavian stylistic fronting: How any category can become an expletive. Linguistic inquiry, v. 31, n. 3, p. 445-483, 2000. https://doi.org/10.1162/002438900554406

_____. Null subject parameters. Parametric variation: Null subjects in minimalist theory. P. 88-124, 2010.

KATO, M. A. Strong and weak pronominals in the null subject parameter. Probus, v. 11, n. 1, p. 1-37, 1999. https://doi.org/10.1515/prbs.1999.11.1.1

______; DUARTE, M. E. L. Mudança paramétrica e orientação para o discurso. In: Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, 24. Braga: Universidade do Minho. (Comunicação oral), 2008.

KISS, K. É. Two subject positions in English. Linguistic Review, v. 13, p. 119-142, 1996. https://doi.org/10.1515/tlir.1996.13.2.119

KISS, K. É. Two positions in English. The Linguistic Review 13, 1996. P. 119-142. https://doi.org/10.1515/tlir.1996.13.2.119

KOIZUMI, M. Nominative object. In: MIYAGAWA, S.; SAITO, M. (eds.). The Oxford handbook of Japanese linguistics, 141–164. Oxford: Oxford University Press, 2008. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780195307344.013.0006

KUNO, S. The structure of the Japanese language. Cambridge, Mass.: MIT Press., 1973.

KURODA, S.-Y. Generative grammatical studies in the Japanese language. Doctoral dissertation, MIT, 1965.

LYONS, J. Semantics. Cambridge: CUP, 1977.

MIYAGAWA, S. EPP and Semantically Vacuous Scrambling. SABEL, J.; SAITO, M., (eds.). The Free Word Order Phenomenon: Its Syntactic Sources and Diversity, pp. 181-220. Mouton de Gruyter. 2005. p. 181-220, 2005.

______. Why Agree? Why Move? Unifying Agreement-Based and Discourse-Configurational Languages. Linguistic Inquiry. Monograph Fifty-Four, 2010.

MODESTO, M. Sujeitos Nulos em Línguas de Tópico Proeminente. São Paulo: Revista da Abralin, vol. III, n. 1 e 2, pp. 121-148, 2004.

MUNHOZ, A. T. M.; NAVES, R. R. Construções de tópico-sujeito: uma proposta em termos de estrutura argumental e de transferência de traços de C. SIGNUM: Estudos Linguísticos, n° 15/1, p. 245-265, Londrina, 2012.

NEGRÃO, E. V. O português brasileiro: uma língua voltada para o discurso. São Paulo: USP. Tese de Doutorado, 1999.

NICOLAU, E. M. D. As Propriedades de Sujeito Nulo e Ordem V-S no Português Brasileiro. Campinas: UNICAMP. Tese de Doutorado, 1995.

NOMURA, M. Nominative Case and AGREE(ment). Doctoral dissertation, University of Connecticut, Storrs, 2005.

OTHERO, G. Revisitando o status do pronome cê no português brasileiro. Revista de Estudos da Linguagem. 21.1. p.135-156, 2013.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 2007.

PILATI, E.; NAVES, R. Cisão da categoria pronominal, transferência de traços de C para T e a expressão do sujeito no Português Brasileiro. In: MOURA, D.; SIBALDO, D. M. Estudos e pesquisas em Teoria da Gramática. Alagoas: Editora da UFAL (EDUFAL), 2013.

PONTES, E. O tópico no português do Brasil. São Paulo: Pontes Editores, 1987.

RAMOS, J. O uso das formas Você, Ocê e Cê no dialeto mineiro. In: DA HORA, D. (Org). Diversidade Linguística no Brasil. João Pessoa, PB, 2006.

RAPOSO, E. P. Teoria da gramática: a faculdade da linguagem. Lisboa: Caminho, 1982.

RIZZI, L. Null Subjects in Italian end the Theory of pro. Linguistic Inquiry: 17:3, 501-558, 1986.

______. The fine structure of the left periphery. In: Elements of grammar. Springer Netherlands, p. 281-337, 1997. https://doi.org/10.1007/978-94-011-5420-8_7

RODRIGUES, C. Impoverished morphology and A-movement out of Case domains. Tese de Doutorado, Universidade de Maryland, 2004.

SOUZA, E. M. O uso do pronome ‘eles’ como recurso de indeterminação do sujeito. Belo Horizonte, MG, 2007. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2007.

______. Sujeitos de Referência Arbitrária: uma classe homogênea? Belo Horizonte, MG, 2013. Tese (Doutorado em Linguística Teórica e Descritiva) – Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2013.

VASCO, S. Construções de tópico na fala popular. 216f. Tese de Doutorado. Faculdade de Letras. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2006.

Downloads

Publicado

29-03-2018

Como Citar

BUTHERS, C. M. Sujeitos, Tópicos e Tópicos-Sujeito no Português Brasileiro Contemporâneo: uma nova perspectiva de análise a partir da fatoração de EPP. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 8–43, 2018. DOI: 10.14393/DL33-v12n1a2018-1. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/38356. Acesso em: 16 ago. 2022.