Análise do discurso de Mário de Andrade acerca da legitimação de uma identidade linguística nacional

Autores

  • Rogéria da Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Heloisa Mara Mendes Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL30-v11n3a2017-21

Palavras-chave:

Análise do Discurso, Mário de Andrade, Identidade linguística

Resumo

O objetivo deste trabalho consiste em descrever e analisar o funcionamento de parte da prática discursiva de Mário de Andrade a respeito da legitimação de uma identidade linguística genuinamente brasileira, a partir da noção de semântica global, desenvolvida por Dominique Maingueneau (2008). Visto que Mário de Andrade teve uma participação significativa no projeto de construção de uma identidade linguística nacional, sua prática discursiva será tomada como representante dos ideais defendidos pelo Modernismo brasileiro. Para atingir o objetivo proposto, procuramos apreender seu discurso a partir da questão da colocação pronominal na Gramatiquinha da fala brasileira e em cartas escritas por ele e endereçadas a Manuel Bandeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogéria da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Uberlândia. Graduada em Letras/Português pela Universidade Federal de Uberlândia e pela Universidade de Coimbra (dupla titulação). Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia.

Heloisa Mara Mendes, Universidade Federal de Uberlândia

Possui doutorado em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ALÉONG, St. Normas linguísticas, normas sociais: uma perspectiva antropológica. In: BAGNO, M. (Org.). Norma linguística. São Paulo: Loyola, 2001. p. 145-174.

ANDRADE, M. Aspectos da literatura brasileira. 6. ed. São Paulo: Martins, 1978.

ANDRADE, M. Cartas a Manuel Bandeira. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2012.

BECHARA, E. Gramática escolar da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

COX, M. I. P.; BORNEMANN, N. B. de O.; ALBUQUERQUE, J. G. de. Gramatiquinha da fala brasileira: o ethos do enunciador modernista Mário de Andrade. Revista da ABRALIN, v. 14, n. 3, 2015.

MATTOSO CÂMARA JR., J. História e estrutura da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Padrão, 1975.

HELENA, L. Modernismo brasileiro e vanguarda. São Paulo: Ática, 1986.

HENRIQUES, Claudio. C. O cânone linguístico-literário na moderna gramática portuguesa, de Evanildo Bechara. S/d. Disponível em: http://migre.me/sMmxe. Último acesso: 23/01/2016.

JUNQUEIRA, F. A gramática em questão: conceitos, história e ensino. 2003. Disponível em: http://migre.me/sMnLp. Último acesso: 23/01/2016.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Tradução: Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MATTOS E SILVA, R. V. O português brasileiro. 2002. Disponível em: http://cvc.instituto-camoes.pt/hlp/hlpbrasil/. Último acesso em: 21/12/2015.

MENOTTI DEL PICCHIA. A “Semana” revolucionaria. (Org.). Jácomo Manddatto. Campinas, São Paulo: Pontes, 1992.

MENDES, H. M. A língua do Museu da Língua Portuguesa. 2013. 221 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Letras e Linguística, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, MG, 2013.

MIRA MATEUS, M. H.; CARDEIRA, E. Norma e variação. Lisboa: Caminho, 2007.

MIRA MATEUS, M. H. et ali. Gramática da língua portuguesa. 7. ed. Lisboa: Caminho, 2003.

MUSSALIM, F. Processos de constituição e legitimação de uma identidade linguística brasileira. In: FERNANDES, C. A.; BERTOLDO, E. S.; MUSSALIM, F.; SANTOS, J. B. C. dos (Org.). Sujeito, identidade e memória. 2. ed. Uberlândia: EDUFU, 2013, v. 1, p. 63-82.

MUSSALIM, F. A constituição de identidades como efeito discursivo:

em pauta as reflexões dos primeiros modernistas sobre a constituição de

uma identidade nacional. In: NAVARRO, P. (Org.). Estudos do texto e

discurso: mapeando conceitos e métodos. São Carlos: Claraluz, 2006, v.

, p. 271-278.

PAGOTTO, E. Norma e condescendência; ciência e pureza. In: Línguas e instrumentos linguísticos. Campinas: Pontes, 1998.

PINTO, E. P. A Gramatiquinha de Mário de Andrade: texto e contexto. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

RIBEIRO, M. O Modernismo brasileiro: arte e política. Revista ArtCultura, Uberlândia, v. 9, n. 14, p. 115-125, jan.-jun. 2007. Disponível em: http://migre.me/pwboL. Acesso em: 29 abr. 2015.

ROCHA, N. da S. Clíticos: ingrediente na cozinha portuguesa do século XVII. 2009. 163 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Histórica) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia. Salvador, BA, 2009. Disponível em: http://migre.me/u0Hp3. Último acesso em: 03/06/2016.

Downloads

Publicado

08-08-2017

Como Citar

DA SILVA, . R.; MENDES, H. M. Análise do discurso de Mário de Andrade acerca da legitimação de uma identidade linguística nacional. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 11, n. 3, p. 908–928, 2017. DOI: 10.14393/DL30-v11n3a2017-21. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37285. Acesso em: 7 ago. 2022.