Incompreensão e desalinhamento teórico-metodológico como possíveis entraves à prática de análise linguística em sala de aula

Autores

  • Camilla Maria Martins Dutra Universidade Estadual da Paraíba.
  • Laura Dourado Loula Universidade Federal de Campina Grande

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL30-v11n3a2017-4

Palavras-chave:

Concepções de Gramática, Análise Linguística, Formação de professor, Ensino, Desalinhamentos

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar os (des)alinhamentos entre as concepções de gramática e de análise linguística. Teoricamente fundamentados em Possenti (2006), Travaglia (2009), Geraldi (1984,1997), Mendonça (2006), Perfeito (2005), analisamos as concepções de gramática e de análise linguística apresentadas por 21 professores da cidade de Campina Grande-PB. Os resultados apontam contradições teórico-metodológicas nas respostas dos professores em virtude do desconhecimento da proposta de analise linguística. Desse modo, acreditamos que este trabalho pode contribuir para uma reflexão sobre um dos possíveis entraves à operacionalização da prática de análise linguística e, consequentemente, para uma rediscussão da implementação efetiva da proposta em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camilla Maria Martins Dutra, Universidade Estadual da Paraíba.

Professora pela Universidade Estadual da Paraíba, Campus Monteiro, Rua Abelardo Pereira dos Santos, 131, Centro, CEP 58500-000, Monteiro

Referências

ANTUNES, I. Muito além da gramática. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

APARÍCIO, A. S. M. A produção da inovação em aulas de gramática do ensino fundamental II da escola pública estadual paulista. 2006. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.

BEZERRA, M. A.; REINALDO, M. A. Análise linguística, afinal, a que se refere? São Paulo: Cortez, 2013. 95 p.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) - 3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental: Língua Portuguesa. Ministério da Educação e de Desportos Secretaria de Educação Fundamental, Brasília, MEC/SEF, 1998.

COSTA VAL, M. da G. A gramática do texto, no texto. In: Revista de Estudos da Linguagem. v. 10. nº 2. Faculdade de Letras da UFMG, Jul/Dez 2002.

FRANCHI, C. Linguagem: atividade constitutiva. Almanaque. São Paulo: Brasiliense, n. 5, 1977.

GERALDI, J. W. Unidades básicas do ensino de português. In: ______ (org.). O texto na sala de aula: leitura e produção. Cascavel: Assoeste, 1984, p.49-69.

______. No espaço do trabalho discursivo, alternativas. In: ______. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997, p.115-189.

MENDONÇA, M. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um novo objeto. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (orgs.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006, p.199-226.

NEVES, M. H. de M. A gramática: história, teoria, análise e ensino. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

PERFEITO, A. Concepções de linguagem, teorias subjacentes e ensino de língua portuguesa. In: SANTOS, A. R. d.; RITTER, L. C. B. (orgs.). Formação de professores, EAD, nº 18. Maringá: EDUEM, 2005, p.27-79.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. – Campinas, SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil, 1996.

TRAVAGLIA. L.C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. – 14. ed. – São Paulo: Cortez, 2009.

Downloads

Publicado

08.06.2017

Como Citar

DUTRA, C. M. M.; LOULA, L. D. Incompreensão e desalinhamento teórico-metodológico como possíveis entraves à prática de análise linguística em sala de aula. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 11, n. 3, p. 526–547, 2017. DOI: 10.14393/DL30-v11n3a2017-4. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37276. Acesso em: 5 dez. 2022.