O jogo memorialístico na obra Leite Derramado de Chico Buarque

Autores

  • Eliene Alves dos Santos Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Vânia Lúcia Menezes Torga Universidade Estadual de Santa Cruz

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL30-v11n3a2017-10

Palavras-chave:

Gênero do discurso, Memória-trabalho, Memória-sonho

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o funcionamento discursivo da memória no romance memorialístico Leite Derramado, de Chico Buarque, bem como o imbricamento entre memória-sonho e memória-trabalho na constituição do jogo memorialístico. Para alcançar o objetivo proposto, trazemos como orientação metodológica a teoria da alusão (TORGA, 2001, 2006, 2007), a qual legitima e licencia a análise do corpus. Nosso empreendimento pauta-se nas ideias de teóricos como Bakhtin (1999, 2010), Bosi (1994), Halbwachs (2006), Rossi (2010), entre outros. É importante dizer que situamos a memória dentro do processo interacional, entendendo-a como constituidora do jogo memorialístico de um gênero discursivo, considerando que o sujeito assume um posicionamento enunciativo para narrar suas lembranças, suas interpretações do passado. Ela impõe ao narrador-personagem a ilusão de uma autonomia do ato de lembrar, de modo que o velho narrador ao invés de escrever suas memórias acaba sendo escrito por elas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliene Alves dos Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz

Possui gradução em Letras, pela Universidade Estadual de Santa Cruz, Especialização em Leitura e Produção Textual e Mestrado em Letras: Linguagens e Representações, pela mesma instituição.

Vânia Lúcia Menezes Torga, Universidade Estadual de Santa Cruz

Possui graduação em Letras, Mestrado em Linguística Aplicada e Doutorado em Linguistica, pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ASSUMPÇÃO. In: DICIONÁRIO de Sobrenomes. Disponível em: www.benzisobrenomes.com/nomes/princ.html. Acesso em: 18 jul. 2016.

BAKHTIN, M. (VOLOCHINOV). Marxismo e Filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BOSI, E. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BUARQUE, C. Leite Derramado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

CALVINO, I. Rapidez. In: Seis propostas para o próximo milênio: lições americanas. Trad. Ivo Barroso. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. Cap. 2, p. 43-67.

CHAUÍ, M. Os trabalhos da memória. In: BOSI, E. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos. 6. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. p. 17-33.

ECO, U. Seis passeios pelos bosques da ficção. Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

EULÁLIO. In: DICIONÁRIO de Nomes Próprios. Disponível em: http://www.dicionariodenomesproprios.com.br. Acesso em: 10 jul. 2016.

Grupo de Estudos dos Gêneros do discruso – GEGe. Palavras e contrapalavras: glossariando conceitos, categorias e noções de Bakhtin. São Carlos: Pedro & João Editores, 2009.

HALBWACHS, M. Memória coletiva. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

LEMINSKI, P. Caprichos & Relaxos. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

MADFES, I. Acerca de La Alteridad. Análisis de Discurso en perspectiva de enunciación. Fundación de Cultura Universitaria: Universidad de La República. Uruguay. [s.d].

MAINGUENEAU, D. O monólogo interior. In: Elementos de lingüística para o texto literário. Trad. Maria Augusta Bastos de Mattos. São Paulo: Martins Fontes, 1996. Cap. 5, p. 126-131.

NAGAI, E. E. A perspectiva sócio-dialógica de Bakhtin: memória, linguagem e atualidade. In.: MIOTELLO, V. (Org.). Fios ideológicos. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010. p. 161-173.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Trad. Yara Aun Khoury. In: Projeto História. São Paulo: PUC, n. 10, p. 07-28, dez. 1993.

OLIVEIRA, M. L. S. de. A língua e o discurso da memória em Bartolomeu Campos de Queirós. Belo Horizonte: Miguilim, 2003.

PLATÃO. Fedro. Trad. Alex Marins. São Paulo: Martin Claret, 2004.

ROSSI, P. O passado, a memória, o esquecimento: seis ensaios da história das ideias. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: UNESP, 2010.

SARAMAGO, J. O autor como narrador. Cult – Revista Brasileira de Literatura. São Paulo: Lemos Editorial, nº 17, dez. 1998.

SAUSSURE, F. de. Curso de linguística geral. 27. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

TORGA, V. L. M. O movimento de sentido da alusão: uma estratégia textual de leitura do livro “Ler, escrever e fazer conta de cabeça”, de Bartolomeu Campos Queirós. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). FALE/UFMG, Belo Horizonte, 2001.

TORGA. V. L. M. O Risco do Bordado de Autran Dourado - A Alusão nos Gêneros Textuais: o Romance e a Tese. Tese (Doutorado em Letras: Linguística). Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2006.

TORGA, V. L. M. “Aludir é melhor que nomear”: a leitura e a alusão no texto literário. In. Revista A Cor das Letras – UEFS, n. 8, 2007. 193-204.

Downloads

Publicado

13-06-2017

Como Citar

DOS SANTOS, E. A.; TORGA, V. L. M. O jogo memorialístico na obra Leite Derramado de Chico Buarque. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 11, n. 3, p. 658–686, 2017. DOI: 10.14393/DL30-v11n3a2017-10. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37272. Acesso em: 22 maio. 2022.